Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019
Matérias-Primas

Preço firme do milho, apesar de safra recorde, testa setor de carnes do Brasil
São Paulo, 17 de Junho de 2019 - A indústria de aves e suínos do Brasil, que vem obtendo notáveis resultados com a disparada das exportações de carnes, principalmente para a China, terá testada em 2019 sua capacidade de lidar com uma alta inesperada dos preços de sua principal matéria-prima, o milho.

Chuvas excessivas nos Estados Unidos, os maiores produtores e exportadores globais, geraram um atraso recorde no plantio e quebra de safra, impulsionando na quinta-feira os preços na bolsa de Chicago para máximas de cerca de quatro anos, o que tem se refletido no mercado brasileiro, apesar de o Brasil estar no caminho de uma produção histórica do cereal.

“A alta do preço do milho (desde maio) pegou todo mundo de calça curta”, disse o pesquisador da área de proteína animal do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), Thiago Bernardino de Carvalho.

Na comparação com as mínimas do ano, no início de maio, os preços do milho no Brasil subiram mais de 13%, para cerca de 37 reais por saca de 60 kg, segundo indicador do Cepea, da USP. Enquanto em Chicago os valores subiram cerca de 25% no mesmo período, ganhando impulso adicional após o governo dos EUA reduzir nesta semana a estimativa de safra em quase 10%.

O fato de a indústria do Brasil, maior exportador global de carne de frango, ter sido pega no contrapé não é inédito. Mas vai mostrar se dessa vez as companhias estavam protegidas, com hedge, compras antecipadas ou estoques comprados a preços mais baixos, antes da disparada dos valores.

O ano de 2016 pode ter deixado lições, quando uma seca quebrou fortemente a safra do Brasil. Na época, a gigante BRF, maior exportadora global de carne de frango, sofreu sérios problemas com custos maiores do milho, registrando prejuízo de 372 milhões de reais, resultados líquidos negativos que se ampliaram em 2017 e 2018.

Diante da surpreendente alta dos preços do milho no Brasil —apesar de uma safra recorde, que superaria 100 milhões de toneladas pela primeira vez—, a BRF indicou que está preparada.

“A BRF possui um percentual de volume já comprado mês a mês para os próximos 12 meses correntes. Essa dinâmica decorre de um mapeamento prévio em que a companhia consegue identificar o melhor formato de compra frente aos fundamentos de preço, câmbio e oferta/demanda do mercado”, disse a companhia em nota à Reuters.

“Com isso, a companhia reduz a exposição à volatilidade do mercado de commodities e estabelece uma estratégia coerente para formar seus estoques”, acrescentou.

Procurada, a JBS, dona da Seara, outra gigante do setor de carnes de aves e suínos no Brasil, preferiu não comentar o assunto.

Em evento recente com jornalistas, o analista de Alimentos e Bebidas da Itaú BBA Corretora, Antônio Barreto, comentou que, pelas conversas relacionadas a grandes empresas, “não parece que elas têm posição muito grande de milho”.

Carvalho, do Cepea, explicou que, como havia sinalização de que a safra brasileira seria grande, as indústrias locais aguardavam julho e agosto para realizar as compras, quando tradicionalmente os preços estão mais pressionados, pela maior oferta com o fim da colheita.

“A indústria aprendeu a se proteger, mas com o desenho da safrinha (segunda safra), realmente ela não estava muito coberta de contratos...”, disse Carvalho, do Cepea.

Na B3, o número de contratos em aberto de milho para o vencimento setembro era de pouco mais de 16 mil na quinta-feira, ante quase 24 mil no mesmo período do ano passado, um indicativo de menos agentes protegidos nos mercados futuros. Vale lembrar que, em 2018, o clima não favoreceu a safra de milho, e muitos agentes podem ter antecipado operações de hedge.

“Os mercados sinalizavam mais queda nos preços (este ano), e aí mudou com Chicago e o câmbio”, ressaltou o especialista.

Com o dólar sendo negociado a mais de 4 reais em maio, ficou muito favorável para o Brasil exportar, e o mercado local passou a operar seguindo a paridade de exportação, colocando mais pressão nas indústrias de carnes.

FATOR CHINA

O cenário de preços sustentados ocorre em momento em que as indústrias de carnes também deveriam estar mais ativas no mercado de milho, considerando a forte demanda da China, que tem importado mais proteínas para lidar com uma menor oferta por conta do impacto da peste suína africana em seus rebanhos.

Por outro lado, o setor de carnes de aves e de suínos, principais consumidores do milho produzido no Brasil, tem registrado grandes exportações com a demanda adicional da China e o câmbio também favorável para exportações.

“O setor vinha em um momento bastante favorável em termo de custos de produção, com melhores níveis de rentabilidade até o ‘portão’ da fábrica... A elevação do milho retirou uma pequena parte deste quadro favorável que, entretanto, foi compensado pela forte elevação nos níveis de exportação e a alta do dólar”, disse o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, ao responder perguntas da Reuters.

A ABPA, entidade que tem entre os associados empresas como BRF e Seara, da JBS, destacou que em carne suína, por exemplo, as exportações de maio cresceram 54,6% em receita cambial, enquanto a alta no faturamento em real atingiu 70%.

Segundo dados do governo, os preços da carne suína exportada pelo Brasil estão 17,5% maiores no início de junho, na comparação com 2018, enquanto as cotações da carne de frango exportada subiram 10%. Isso após a China ter elevado embarques dessas carnes do país em cerca de 50% em maio.

“Obviamente que elevações de custos preocupam, mas o quadro atual está longe do cenário crítico vivido pelo setor produtivo em outros momentos...”, comentou Turra, ressaltando que, ainda que o Brasil exporte volumes recordes de milho, os estoques do cereal no país estarão entre os maiores da história.

Dessa forma, destacou o presidente da ABPA, o preço do milho, que representa mais de 60% do custo da ração, principal insumo da indústria de carne de frango e de porcos, talvez “tenha chegado ao nível mais elevado para o quadro atual”.

Turra disse ainda que, em momento de maiores custos, “é natural” que ocorram repasses de preços aos produtos do setor.
(Reuters ) (Roberto Samora)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 16/10
Terça-Feira, 15/10
Sistema de autocontrole do Mapa tem indústria de proteína animal entre suas prioridades (13:32)
Sanphar adquire laboratório mineiro de vacinas Ipeve (10:07)
Membros da ABPA são homenageados no OVUM 2019 (10:05)
Soja opera estável nesta 3ª em Chicago (08:09)
Suíno Vivo: principais praças do país registram altas (07:21)
SP registra valorização do boi gordo (07:11)
Carne Bovina: dados do MDIC reforçam possibilidade de exportações recordes em outubro (07:10)
VBP da agropecuária fica estável em 2019 (07:09)
Milho começa nova semana estável em Chicago (07:07)
Soja fecha com leves altas em Chicago nesta 2ª e mercado espera definições (07:06)
Tamanho da demanda chinesa vai definir rumo dos preços da soja em Chicago (07:00)
BRF tem 44 vagas de trainee com salário de R$ 6.500; inscrição vai até 3/11 (06:17)
Segunda-Feira, 14/10
Auster Nutrição Animal participa do Ciclo de Palestras e Atualização Avícola, em Sergipe (11:21)
Instituto Ovos Brasil e Fazenda da Toca participam do Congresso de Nutrição Comportamental (09:56)
Ovos: exportações recuam para menor patamar desde novembro (09:55)
Milho: preços se mantém em alta (09:54)
Soja: atividades de semeio avançam; vendedor está retraído (09:53)
Ovos: avicultura gaúcha se mobiliza para criação de selo nacional de qualidade (09:51)
Produzir aves sem antibióticos exige tempo de aprendizagem, diz executivo (09:11)
Pedido de painel contra UE na OMC volta à pauta (09:08)
Soja: mercado inicia semana com estabilidade em Chicago (08:05)
Milho se recupera de perdas para fechar a semana em alta (08:00)
Suíno Vivo: PR, SC e SP registram alta na sexta-feira (07:54)
Boi: mercado de novilhas aquecido (07:52)
Sexta-Feira, 11/10
Evonik tem novo presidente para a região América Central e do Sul (16:04)
YAMI - Youth Agribusiness Movement International encerra sua primeira edição e amplifica presença do jovem no agronegócio (16:02)
Primeiro substituto de ovos do Brasil é um dos destaques da Superminas Food Show 2019 (16:00)
SP: Preços Agropecuários acumulam alta de 0,43% em setembro (15:46)
Contratações de crédito rural nos três primeiros meses da Safra 2019/2020 somam R$ 59 bilhões (12:26)
Globo Roraima e Semana do Ovo: Ação em escola de Boa Vista (11:55)
Ciclo de Palestras e Atualização Avícola será realizado em Outubro (11:02)
Cobb-Vantress promove palestra e coquetel no OVUM 2019 (10:40)
Programa Ovos RS em Portugal: Receita de Bacalhau Gratinado (10:29)
Frango: queda no preço do frango eleva competitividade (10:23)
Milho abre a sexta com alta em Chicago, se reajustando após grandes perdas de ontem (10:20)
Hedge em dólar e China ajudarão a garantir investimentos da Aurora (09:22)
Políticos do Oeste de SC debatem licenciamentos ambientais (09:22)
Um ovo, dois ovos, milhões de ovos em Pernambuco (09:16)
Suíno Vivo: principais praças do país registram alta (09:05)
Mercado de carne bovina em alta (09:00)
Quinta-Feira, 10/10
Faltam 27 dias para o VI Workshop Sindiavipar (15:54)
Safeeds participa da Ovum em Lima (14:11)
Safra de grãos 2019/20 indica produção de 245 milhões de toneladas, divulga Conab (12:00)
Suínos: preços do animal vivo sobem, mas os da carne recuam (11:36)
Boi: embarque segue intenso (11:35)
Investimentos da Aviagen em novas unidades no Sul do Brasil fortalecem qualidade e segurança no fornecimento de aves (11:30)
Frigorífico de suínos da Aurora em Chapecó é duplicado e torna-se o maior do Brasil (11:26)
Exportação de milho continua em alta e soma US$ 1,1 bi em setembro (11:25)
Governo institui Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão e Digital (11:24)
Ovos RS apresenta, de Portugal, Pão de Rala (10:34)
Grandes empresas pressionam preços do milho (06:39)
Aracaju sedia ciclo de palestras sobre atividade avícola (06:37)