Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2020
Política Agrícola

Crédito a juros controlados perde R$ 36 bi no Plano Safra
Brasília, 19 de Junho de 2019 -

A gestão de Jair Bolsonaro cumpriu o prometido e acelerou a mudança de perfil do crédito rural que o governo oferece aos produtores rurais do país. Anunciado ontem em Brasília, em cerimônia com a presença de um presidente feliz com o ainda inabalável apoio que tem do setor, o Plano Safra 2019/20 contempla linhas com, no total, R$ 222,7 bilhões, R$ 1,6 bilhão a mais que o da temporada 2018/19, mas reduz em R$ 36,3 bilhões o dinheiro disponível a juros controlados. São os recursos que terão que ser contratados a taxas livres, sobretudo os gerados a partir de emissões de Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), que farão do próximo o maior Plano Safra da história.

Com a redução do montante disponível a juros controlados, iniciada na era Temer, sua participação no bolo total cairá para 66,5% na safra 2019/20, que terá início em 1º de julho, ante 83,5% em 2018/19. Esses recursos envolvem tanto aqueles cujos juros têm de ser subsidiados como os chamados obrigatórios (depósitos à vista). A redução de R$ 36,3 bilhões virá dos depósitos à vista, em linha com a queda de 34% para 30%, aprovada pelo Banco Central, do percentual que os bancos precisam direcionar de depósitos para o crédito rural. A medida já contribuiu para que os desembolsos de crédito baseados nessa fonte recuassem 41% nos 11 primeiros meses do ciclo 2018/19 9 (julho do ano passado e maio último), para R$ 29,5 bilhões.




A estratégia atende à necessidade do governo de limitar os gastos do Tesouro com a equalização das taxas de juros do plano, que no ciclo 2018/19 alcançaram cerca de R$ 10 bilhões. E força que essa contenção de subsídios entre na conta dos grandes produtores, que têm mais condições de acessar fontes alternativas e para os quais o crédito rural oficial tem menor peso no "funding" total. Economistas como Alexandre Mendonça de Barros, da MB Agro, e referências como o ex-ministro Roberto Rodrigues aprovaram esse caminho em entrevistas recentes ao Valor.

"Pela primeira vez, o Tesouro vai reservar quase R$ 5 bilhões para subsidiar o crédito dos pequenos", disse a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na cerimônia de anúncio do novo Plano Safra. É mais da metade do que o governo projeta equalizar (R$ 9,8 bilhões), enquanto nesta temporada 2018/19 a participação deverá ficar em 44%. No caso da agricultura empresarial (médios e grandes produtores), portanto, a participação recuará de 56% para 49,5%. "O Plano Safra é bom para cada um de nós, ele é bom para o Brasil", discursou o presidente no fim do evento.

Do montante total anunciado ontem - que chega a R$ 225,6 bilhões quando somados a verba de R$ 1 bilhão inicialmente reservados ao seguro rural e R$ 1,9 bilhão para apoio à comercialização -, R$ 169,3 bilhões irrigarão linhas de custeio, comercialização e industrialização. Os juros para grandes produtores (receita bruta anual de mais de R$ 2 milhões) serão de 8% ao ano, ante 7% em 2018/19, mas para os de médio porte (receita de R$ 360 mil a R$ 2 milhões) continuará em 6%. Para pequenos produtores também haverá alta, de 3% para 4,6% ao ano. As linhas de investimentos terão R$ 53,4 bilhões, com juros de 3% a 10,5%.

Por meio das linhas do Pronaf, os pequenos produtores terão R$ 31,2 bilhões. No Pronamp, voltado aos médios, serão R$ 50,7 bilhões, ao passo que os grandes produtores terão R$ 69,1 bilhões em recursos com juros livres e R$ 55 bilhões oriundos de captações de Letras de Crédito do Agronegócio (LCA). No total, os financiamentos a juros livres contarão com R$ 74,3 bilhões em 2019/20, quase o dobro do valor de 2018/19.

Como as LCA não contam com subsídios do governo, Tereza Cristina não arriscou estimar as taxas de juros dos empréstimos baseados nessa fonte. Atualmente, afirmou o secretário de Política Agrícola da Pasta, Eduardo Sampaio, essas operações estão com taxas entre 8,5% e 11% ao ano. Os bancos precisam direcionar 35% de suas emissões com LCA para o crédito rural. O Ministério da Agricultura pretendia ampliar o percentual para 50%, mas, segundo Sampaio, o nível atual deverá ser mantido.

Principal linha de crédito subsidiado para investimentos, o Moderfrota, que financia a compra de máquinas agrícolas, terá juros entre 8,5% a 10,5% ao ano, ante a banda de 7,5% a 9,5% de 2018/19. A linha, que conta com recursos do BNDES, terá inicialmente R$ 9,6 bilhões na nova temporada, R$ 700 milhões a mais que em 2018/19. "Conversamos bastante com o setor e preferimos aumentar as taxas, mas garantir mais recursos para o Moderfrota. Os produtores não chegaram a se queixar", afirmou Sampaio.

Segundo ele, se as linhas do Moderfrota tivessem tido uma alta de juros de 1 ponto percentual em 2018/19 na comparação com a temporada anterior, haveria mais dinheiro para atender à demanda crescente por tratores, colheitadeiras e outros equipamentos. Neste ciclo, as indústrias reclamaram que os recursos reservados para o Moderfrota foram insuficientes. As linhas de investimento em geral tiveram um aumento de 1 ponto em suas taxas de juros. Os juros do PCA, destinado à construção de armazéns, por exemplo, subiram de entre 5,25% e 6% para entre 6% e 7% em 2019/20.

Entidades do setor minimizaram a alta de até 1 ponto percentual nas taxas de juros do novo Plano Safra e preferiram comemorar o volume de R$ 1 bilhão prometido para o programa de subsídios ao seguro rural. "Como vou comemorar aumento de juros? Mas tivemos outras medidas que vão ajudar, como o dinheiro para o seguro. Esse dinheiro sempre foi contingenciado, mas confiamos na ministra de que agora será diferente", afirmou ao Valor Fabrício Rosa, diretor-executivo da Aprosoja Brasil, que representa produtores de grãos.

Além de também elogiar o reforço para o seguro, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) aprovou as fontes alternativas de recursos que estarão à disposição, como a emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) em dólar. Para o vice-presidente da entidade, Roberto Simões, atrair investimento externo ajudará a fortalecer o "funding" do setor. "Era desejável que os juros fossem um pouco menores, porque a Selic anda baixa, mas reconhecemos que houve um esforço de não crescer muito e isso já é razoável", afirmou.

O presidente da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Márcio Freitas, avaliou que o volume global de recursos anunciados atenderá às "necessidades" de produtores e cooperativas. E disse que o seguro dará tranquilidade ao setor.

(valor) (Cristiano Zaia e Fabio Murakawa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 29/01
Soja: Mercado em Chicago sobe nesta 4ª feira (10:15)
Milho: negócios começaram a aparecer lentamente (10:03)
Boi Gordo: negócios no mercado físico estão travados (09:34)
Soja já acumula perdas de 7% em Chicago desde o início de janeiro (09:17)
Coronavírus pode afetar exportações brasileiras e impactar preço da carne no país (08:44)
Frigoríficos acusam BB de calote em exportação de frango a Cuba (08:41)
Por frango, EUA querem relaxar padrão sanitário da UE (08:39)
Ministério da Agricultura abre inscrições para feiras internacionais de alimentos e bebidas (08:32)
Frango: cotações em queda na maioria dos setores nesta terça-feira (08:25)
Suíno: cotações ainda em queda na maioria dos setores (08:12)
Mercado do Boi Gordo registra queda da arroba em São Paulo (08:10)
Milho se recupera e fecha a terça-feira com altas em Chicago (08:09)
Terça-Feira, 28/01
Agroindústrias da Serra catarinense terão mais facilidade para vender no mercado nacional (13:31)
CNA faz balanço de missão à Índia e diz que Brasil será um grande fornecedor de alimentos ao país (10:32)
Milho: terça-feira começa com cotações caindo em Chicago (10:22)
Milho: Estresse do dólar influenciou na intenção de venda do produtor (10:11)
Boi Gordo: Indústria necessita compor os abates (10:10)
Exportações brasileiras de milho em janeiro estão 34,6% menores do que mesmo mês de 2019 (09:31)
Soja tem novo dia de baixas nesta 3ª feira em Chicago (09:20)
JBS firma acordo de R$ 3 bi para exportar mais à China (08:57)
Serviço de Inspeção Federal completa 105 anos (08:48)
Avicultura paranaense supera expectativas e atinge crescimento acima de 6% na produção anual (08:18)
Seara Alimentos inicia capacitação de mais de 170 jovens (08:15)
Boi: Mercado futuro encerra a 2ª feira com ligeiras quedas na Bolsa Brasileira (08:10)
Após semanas de desvalorização, carne bovina reage no varejo (08:08)
Suínos: demanda interna baixa e exportações lentas pressionam cotações (08:05)
Milho cai em Chicago nesta segunda-feira em meio a temores sobre o coronavírus (08:03)
Soja ameniza perdas em Chicago após 2ª feira tensa (08:00)
Segunda-Feira, 27/01
Soja: Mercado perde mais de 10 pts em Chicago nesta 2ª feira (12:45)
China foi o principal destino das exportações paulistas em 2019 (12:23)
Produtores de carne suína dos EUA estão bem equipados para suprir as necessidades da China (11:11)
ABPA não descarta importação de milho de outros países, até mesmo dos EUA (10:50)
Plantio do milho no Mato Grosso avançou 7,92 p.p na última semana (10:29)
Soja: apesar do recuo das cotações, ritmo de negócios aumenta (10:20)
Oferta restrita de boiadas prontas tem implicado em redução dos abates (10:17)
ABPA e AGROICONE apresentam estudo sobre sustentabilidade no GFFA 2020 (09:55)
Preços do milho sobem na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea (09:52)
Redes de fast-food não têm compromisso com bem-estar de frangos, aponta pesquisa (09:01)
Brasil insta Índia a cortar impostos de importação sobre frango e seus produtos (08:50)
Na Índia, Tereza Cristina diz que agricultura brasileira não é vilã (08:48)
Brasil e Índia firmam cooperação técnica em produção animal (08:16)
Frango: cotações caminham para equilíbrio após altas em 2019 (08:13)
Suínos: cotações pressionadas pela baixa demanda (08:02)
Preço da carne bovina desacelera e segue em tendência de queda (08:01)
Boi: mercado finaliza a semana em queda (08:00)
Milho se desvaloriza em Chicago com preocupação sobre problemas chineses (07:53)
Brasil fecha última semana com liderança firme no comércio global de soja (07:50)
Sexta-Feira, 24/01
Biocamp lança uma novidade para o setor avícola na IPPE 2020 (16:28)
Agronegócio é responsável por 77% das exportações do PR (12:30)
CNA revela interesse indiano pela tecnologia brasileira de produção de frango (12:17)
O apetite da Tyson Foods pelo Brasil (12:15)
EUA pedem à Índia até US$ 6 bilhões em compras de produtos agrícolas, inclusive frango (12:12)
Secretário de Indústria e Comércio do Tocantins visita empresas no Bico do Papagaio (12:10)
Frango: baixa liquidez e estoques elevados pressionam valor da carne (10:01)
Congresso de Ovos 2020 divulga slogan: “Ovo: Alimento forte por natureza” (09:58)
Milho cai nesta 6ª feira em Chicago à espera do relatório do USDA (09:55)
Boi Gordo: semana foi marcada por redução dos abates em SP (09:31)
Time técnico da Wisium será destaque em evento internacional (09:20)
Aviagen “Breeding Sustainability” em destaque na Feira de Atlanta (09:10)
Futuros de gado tropeçam para baixa de dois meses antes do relatório do USDA (09:00)
Em setembro, Florianópolis sediará a 13ª edição do Simpósio da ACAV (08:50)
Na China, comércio de animais vivos favorece novos vírus (08:43)
Mantiqueira e Zona Sul lançam experiência gratuita no Rio de Janeiro (08:27)
União Europeia suspende importação de carne de frango da Ucrânia (08:18)
Frango: ave no atacado segue com preço em queda (08:00)
Suínos: animal vivo segue tendo queda de preço nas principais praças produtoras (07:50)
Preço da carne sem osso registrou desvalorização de 13,6% em relação ao início do ano (07:36)
Milho se fortalece em Chicago após anúncio de vendas americanas nesta 5ª feira (07:34)
Soja: maior competitividade do Brasil mantém pressão sobre mercado de Chicago (07:33)
Soja: enquanto negócios com os EUA só devem sair a partir de 15 de fevereiro, China compra no BR (07:30)
Quinta-Feira, 23/01
Brasil pede à Índia corte de taxas de importação sobre produtos de frango (13:18)
Cotações do milho no mercado físico estão sustentadas (12:45)
Boi Gordo: negócios no mercado físico em SP é mínimo (12:40)
Evonik lançará Porphyrio® durante o IPPE, em Atlanta (12:35)
Cobb-Vantress destaca perdas com miopatias em aves em evento no RS (12:34)
Avicultura de postura nordestina evolui com o apoio de grandes parceiros (12:32)
CEPEA: cotações da carne e do Boi Gordo recuam na parcial de janeiro (11:38)
Sócia da Tyson Foods, gaúcha Vibra prepara investimentos no país (10:21)
Suínos: relação de troca por insumos aumenta (09:49)
Milho registra pequenos ganhos no começo desta quinta-feira em Chicago (09:36)
Soja: mercado em Chicago dá continuidade ao movimento de baixas nesta 5ª feira (09:35)
BRF desmente rumores de que a China estaria renegociando contratos de exportação de carnes (09:11)
Na China, vender carne é um negócio para os gigantes? (09:11)
Não precisamos desmatar para comer, basta aumentar a produtividade, diz Tereza Cristina (09:08)
Frango: movimentações lentas e atacadistas querendo escoar estoques (08:25)
Suínos: mais um dia de quedas para o animal vivo (08:24)
Cotação da arroba do Boi Gordo registra queda de 1,7% em uma semana (08:23)
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação (08:23)
Avicultura mineira recupera preços mas tem pressão de custo (08:21)
Mercado do boi segue pressionado (08:20)
Sindicarne diz que saída de animais do PR compromete abastecimento local (08:15)
Recuo nos preços da carne bovina faz juros fecharem nas mínimas históricas (08:13)
Milho fecha a 4ª feira com cotações em campo misto na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha com portos estáveis no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Soja registra queda em Chicago nesta 4ª feira (07:30)