Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Mercado Externo

Acordo entre UE e Mercosul beneficia a carne argentina
São Paulo, SP, 08 de Julho de 2019 - No mundo da carne, a Argentina desponta como a principal beneficiada pelo acordo comercial entre União Europeia e Mercosul. Se é verdade que os exportadores de todos os países que fazem parte do bloco sul-americano receberão uma injeção de rentabilidade de até 40%, os hermanos abocanharão a maior parte das cotas de exportação de carne bovina com tarifa zero ou imposto reduzido.

Na prática, os argentinos terão acesso a cotas de 50 mil toneladas de carne bovina. O Brasil, que tem um rebanho bovino quatro vezes maior que o do vizinho e é o principal exportador mundial de carne, ficará com cerca de 38,5 mil toneladas. O Uruguai terá 20,4 mil toneladas e o Paraguai, 5,7 mil.

Em 2018, os frigoríficos brasileiros receberam US$ 705,6 milhões ao exportar 116,7 mil toneladas à União Europeia, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura. As exportações da carne argentina, mais valorizada no exterior devido à tradicional qualidade, somaram 47 mil toneladas e renderam US$ 490 milhões, de acordo com dados da indústria local.

A vantagem de cota que os argentinos terão com o acordo entre UE e Mercosul é uma herança da cota Hilton, válida para cortes nobres. Essa cota, que já conta com tarifas de importação menores, terá a alíquota zerada com o acordo.

Atualmente, a cota Hilton possui uma tarifa de 20% e, no Mercosul, a Argentina detém o maior volume dela: 30 mil toneladas anuais. Para os brasileiros, o limite é de 10 mil toneladas, mas as indústrias nacionais dificilmente conseguem cumpri-lo devido às restrições do protocolo sanitário com a União Europeia. No último ano-fiscal, encerrado em junho, os frigoríficos brasileiros ocuparam 41% da cota Hilton.

Além de eliminação total da tarifa de importação de carne bovina por meio da Hilton, o acordo comercial prevê a criação de uma cota de 99 mil toneladas de carne bovina em equivalente carcaça (67 mil toneladas de carne bovina, efetivamente), com tarifa de 7,5%. Essa cota levará seis anos para ser implementada no volume total, contados a partir da entrada em vigor do acordo comercial - o que deverá demorar no mínimo dois anos.

No caso dessa nova cota, o Brasil ficará com a maior parte. A divisão foi definida pelo setor privado dos países do Mercosul em um acordo assinado em 2004 que deu aos brasileiros 42,5% do volume (cerca de 28,5 mil toneladas). A Argentina terá 29,5% (19,7 mil toneladas).

Ao Valor, uma fonte da alta cúpula de um dos maiores frigoríficos brasileiros argumentou que a vantagem argentina poderá atrair novos investimentos ao país, caso o acordo comercial saia do papel. O parque frigorífico argentino é pulverizado e fontes do setor acreditam que um movimento de consolidação ocorrerá no médio prazo.

No setor privado, as brasileiras Marfrig e Minerva estão em melhor posição relativa para se beneficiar da redução tarifária proporcionada pelo acordo comercial. As duas empresas estão entre os principais frigoríficos da Argentina. No Uruguai, a Marfrig é a maior empresa privada, ao passo que a Minerva, que também atua no mercado uruguaio, detém cerca de 50% da capacidade de abate no Paraguai. A JBS, maior produtora de carne bovina do Brasil e do mundo, deixou de atuar em outros países do Mercosul em 2017, quando vendeu as operações de carne bovina à Minerva.

Se a distribuição da nova cota entre as empresas seguir os mesmos critérios da Hilton (que continuará existindo), a Marfrig ficará com a maior cota de carne bovina entre os frigoríficos do Mercosul.

No último ano-cota europeu, a empresa comercializou 6,2 mil toneladas por meio da Hilton - 1,033 mil a partir do Brasil, 1,6 mil toneladas do Uruguai e 3,6 mil na Argentina. A Minerva, por seu turno, exportou 5,4 mil toneladas (440 toneladas do Paraguai, 1,2 mil toneladas do Uruguai, 1,3 mil toneladas do Brasil e 2,4 toneladas mil da Argentina). A JBS, por fim, embarcou 1,6 mil toneladas de carne a partir do Brasil.

Estimativa preliminar de uma fonte da indústria indica que as cotas de carne bovina do acordo comercial poderão, com a redução de impostos, agregar 40% da receita com as vendas de carne à Europa aos frigoríficos, considerando os preços médios atuais. Parte desse valor, no entanto, deve ser capturado pelos importadores europeus.

O benefício potencial é significativo porque as tarifas atuais pagas pelos frigoríficos para exportar aos europeus são altas, sobretudo para a carne comercializada fora da cota Hilton e da cota do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT, na sigla em inglês), que é de 54,5 mil toneladas de carne bovina congelada e também tem uma tarifa de 20%. No caso da GATT, o volume determinado é válido para todas as regiões do mundo, não só para o Mercosul. Fora da cota, a tarifa de importação é de € 3,04 por quilo, mais 12,6%. Em geral, os frigoríficos do Brasil exportam cortes nobres (como filé mignon e contra filé) fora da cota.

Como a tarifa fora da cota é muito elevada - o que chega a dobrar o valor da carne no mercado europeu -, não é possível vender cortes mais baratos, em especial as partes do dianteiro bovino.

Na avaliação do presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antonio Jorge Camardelli, é justamente aí que reside a grande oportunidade para o Brasil. Segundo ele, a cota de 67 mil toneladas, com tarifa de 7,5%, permitirá a exportação de cortes do dianteiro para serem usados para processamento por indústrias europeias.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 16/09
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Quinta-Feira, 12/09
Indicadores da Pecuária crescem em relação ao 2º trimestre de 2018 (14:09)
Suínos: demanda aumenta e eleva preços do vivo e da carne (13:56)
Boi: preços da carcaça seguem em alta (13:55)
No 2º trimestre, abate de frangos cresceu 3,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 (13:54)
Ovos de Galinha: no segundo trimestre, o recorde de produção da série (13:53)
Pif Paf Alimentos conquista habilitação para exportar para a China (11:58)
Aviagen promove seminários técnicos para cliente IP-CMI na América Central (09:29)
Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio (07:11)
China corre para desenvolver uma vacina contra peste suína (07:06)
Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte (07:05)
Frango Vivo: Atacado tem queda de 1,15% nesta quarta-feira (07:00)
Suíno Vivo: Santa Catarina e São Paulo têm alta nesta quarta (06:59)
Mercado do milho fecha a sessão desta 4ª feira com ligeiras perdas na CBOT (06:56)
Soja fecha em queda em Chicago nesta 4ª e ajuda a pressionar cotações no Brasil (06:52)
Quarta-Feira, 11/09
POLINUTRI® reuniu equipe e clientes durante SIAVS (13:34)
V Workshop Internacional de Ambiência de Precisão será realizado em Campinas, SP (13:12)
Milho puxa mais uma colheita recorde de grãos (10:11)
FPA discute gestão compartilhada de energia no campo (10:10)
Frango Vivo: cotações ficam estáveis nesta terça-feira (08:06)
Preços agropecuários: alta de 0,83% no fechamento do mês de agosto (07:14)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,92% (07:05)
China abre mercado para farelo de soja argentino (07:03)
Milho: cotações encerram a sessão desta 3ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:02)
Soja fecha a terça-feira com mais de 14 pts de alta em Chicago (06:59)
Ministra inicia viaja ao Oriente Médio para ampliar relações comerciais (06:12)
Cooperativa LAR comemora 20 anos de avicultura (06:12)
Produção animal: adaptações ao aquecimento global da suinocultura (06:12)
Exportações de carne seguem em alta nos Portos do Paraná (06:12)
Terça-Feira, 10/09
Indonésia quer negociar com Santa Catarina (23:29)
Ruralistas tentam emplacar venda de terra a estrangeiro (10:56)
Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China (10:48)
Brasil inicia negociações de livre comércio com México (10:47)
Milho: demanda incerta (09:15)
Soja: nem pra lá, nem pra cá (09:03)
Aviagen inaugura seu 9º e maior incubatório nos EUA (08:55)
Preços do boi gordo em alta em Dourados-MS (08:40)
Ações de Marfrig e Minerva sobem (08:15)
Frango Vivo: Santa Catarina tem queda de 5,62% nesta segunda (08:12)
Suíno Vivo: PR, RS e SP têm alta nesta segunda-feira (08:11)
Soja opera em alta em Chicago nesta 3ª com apoio no milho e à espera do novo USDA (08:00)
Milho: cotações encerram a segunda-feira com leves baixas em Chicago (07:47)