Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Empresas

Naufraga a tentativa de fusão entre BRF e Marfrig
São Paulo, SP, 12 de Julho de 2019 - A fusão entre BRF e Marfrig naufragou. Menos de dois meses após as empresas anunciarem um acordo para negociar uma combinação que criaria uma gigante de carnes com faturamento anual de R$ 80 bilhões, as empresas encerraram as conversas. Divergências em torno da governança corporativa travaram a continuidade das tratativas.

Conforme o Valor apurou, a influência que o empresário Marcos Molina, fundador e principal acionista da Marfrig, pretendia ter na empresa resultante da fusão não foi bem aceita. Desde que as negociações foram anunciadas, em maio, essa era uma das grandes dúvidas no mercado. Fontes que conhecem o empresário sempre demonstraram ceticismo com a possibilidade de Molina ficar com apenas 5,5% do capital da nova empresa, sem poder para definir os rumos do negócio. Na Marfrig, ele detém cerca de 35% das ações e é, na prática, quem dá as cartas. Pelo modelo anunciado em maio pelas duas empresas, os acionistas da BRF teriam 85% da nova companhia, ao passo que os da Marfrig ficariam com os 15% restantes.

O anúncio de que a fusão foi frustrada veio antes do esperado, mas evitará que a BRF tenha gastos adicionais com as auditorias. Em maio, quando anunciaram o acordo de exclusividade para avaliar a fusão, as duas empresas informaram que as negociações ocorreriam por 90 dias, prorrogáveis por mais 30 dias. As conversas poderiam ir até setembro.

Na BRF, a proposta de fusão encontrava resistência em importantes acionistas, como os fundos de pensão Petros e Previ - que, juntos, têm cerca de 20% do capital. No conselho de administração, a fusão também não era unanimidade. Parte do colegiado não via lógica no movimento de produzir carne bovina, segmento de margens mais baixas que as dos negócios de alimentos processados. Uma vertente, no entanto, parecia se inspirar na JBS, que produz todas as proteínas (aves, suínos e bovinos) em diversas regiões do mundo.

À Comissão de Valores Mobiliários (CVM), BRF e Marfrig informaram que, apesar de não terem chegado a um acordo para a governança da nova companhia, as relações contratuais entre ambas continuarão normais. A principal delas é um contrato de fornecimento de hambúrguer firmado em dezembro, quando a empresa da Marcos Molina comprou a fábrica de hambúrguer de Várzea Grande (MT), por R$ 100 milhões. Ao fechar o negócio, a Marfrig passou a produzir o hambúrguer para as marcas Sadia e Perdigão, líderes nesse mercado.

Ao encerrarem as conversas, BRF e Marfrig terão que trabalhar um discurso palatável aos investidores. De certa forma, as negociações para a fusão representaram um ruído na comunicação de ambas. Na BRF, o agora presidente do conselho de administração, Pedro Parente, e o CEO Lorival Luz vinham dizendo que não haveria golpe de mágica no processo de reestruturação da empresa, ainda muito endividada. Quando comunicaram a possível fusão, porém, muitos analistas interpretaram como um movimento para que a BRF cumprisse as metas de redução do índice de alavancagem - a Marfrig é menos endividada.

No caso da Marfrig, as conversas para a fusão acenderam o alerta em muitos investidores sobre a instabilidade estratégica da companhia - que, depois de muitos anos queimando caixa, parecia ter iniciado no ano passado uma nova era, com a venda da Keystone Foods, forte em frango, e a compra da National Beef, quarto maior produtor frigorífico dos EUA. O discurso era de "simplicidade" nas operações, com foco em carne bovina.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 16/09
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Quinta-Feira, 12/09
Indicadores da Pecuária crescem em relação ao 2º trimestre de 2018 (14:09)
Suínos: demanda aumenta e eleva preços do vivo e da carne (13:56)
Boi: preços da carcaça seguem em alta (13:55)
No 2º trimestre, abate de frangos cresceu 3,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 (13:54)
Ovos de Galinha: no segundo trimestre, o recorde de produção da série (13:53)
Pif Paf Alimentos conquista habilitação para exportar para a China (11:58)
Aviagen promove seminários técnicos para cliente IP-CMI na América Central (09:29)
Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio (07:11)
China corre para desenvolver uma vacina contra peste suína (07:06)
Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte (07:05)
Frango Vivo: Atacado tem queda de 1,15% nesta quarta-feira (07:00)
Suíno Vivo: Santa Catarina e São Paulo têm alta nesta quarta (06:59)
Mercado do milho fecha a sessão desta 4ª feira com ligeiras perdas na CBOT (06:56)
Soja fecha em queda em Chicago nesta 4ª e ajuda a pressionar cotações no Brasil (06:52)
Quarta-Feira, 11/09
POLINUTRI® reuniu equipe e clientes durante SIAVS (13:34)
V Workshop Internacional de Ambiência de Precisão será realizado em Campinas, SP (13:12)
Milho puxa mais uma colheita recorde de grãos (10:11)
FPA discute gestão compartilhada de energia no campo (10:10)
Frango Vivo: cotações ficam estáveis nesta terça-feira (08:06)
Preços agropecuários: alta de 0,83% no fechamento do mês de agosto (07:14)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,92% (07:05)
China abre mercado para farelo de soja argentino (07:03)
Milho: cotações encerram a sessão desta 3ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:02)
Soja fecha a terça-feira com mais de 14 pts de alta em Chicago (06:59)
Ministra inicia viaja ao Oriente Médio para ampliar relações comerciais (06:12)
Cooperativa LAR comemora 20 anos de avicultura (06:12)
Produção animal: adaptações ao aquecimento global da suinocultura (06:12)
Exportações de carne seguem em alta nos Portos do Paraná (06:12)
Terça-Feira, 10/09
Indonésia quer negociar com Santa Catarina (23:29)
Ruralistas tentam emplacar venda de terra a estrangeiro (10:56)
Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China (10:48)
Brasil inicia negociações de livre comércio com México (10:47)
Milho: demanda incerta (09:15)
Soja: nem pra lá, nem pra cá (09:03)
Aviagen inaugura seu 9º e maior incubatório nos EUA (08:55)
Preços do boi gordo em alta em Dourados-MS (08:40)
Ações de Marfrig e Minerva sobem (08:15)
Frango Vivo: Santa Catarina tem queda de 5,62% nesta segunda (08:12)
Suíno Vivo: PR, RS e SP têm alta nesta segunda-feira (08:11)
Soja opera em alta em Chicago nesta 3ª com apoio no milho e à espera do novo USDA (08:00)
Milho: cotações encerram a segunda-feira com leves baixas em Chicago (07:47)