Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Matérias-Primas

Milho sobe 3% na Bolsa de Chicago após novos relatórios do USDA
Campinas, SP, 12 de Julho de 2019 - A quinta-feira (11) chegou ao final com grandes altas para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram valorizações entre 8,25 e 13,50 pontos, um aumento de 3% no contrato mais recente.

O vencimento julho/19 foi cotado à US$ 4,47, o setembro/19 valeu US$ 4,44 e o dezembro/19 foi negociado por US$ 4,48.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços do milho movimentaram-se significativamente mais altos na quinta-feira, com base nos dados de apoio do último relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) sobre estimativas mundiais de oferta e demanda agrícola.

Nesta quinta-feira o USDA revisou para cima áreas plantada e colhida, produção e estoques finais do cereal. A estimativa da área plantada ficou em 37,11 milhões de hectares, contra 36,34 milhões em junho. Assim, a colhida passou de 33,35 para 33,83 milhões de hectares. Já o rendimento do milho permaneceu nas 173,64 sacas por hectare.

Com esse aumento da área, o USDA estima ainda um aumento na produção de milho de 347,49 para 352,44 milhões de toneladas, e os estoques finais devem ficar em 51,06 milhões de toneladas, contra o número de junho de 42,55 milhões. Sobre as exportações norte-americanas, o número de 54,61 milhões de toneladas foi mantido.

“O USDA fez o que eu esperava com sua estimativa de produção de milho, mas isso surpreendeu algumas pessoas no mercado. Depois de fazer uma redução de rendimento em junho, não houve base estatisticamente significativa para novos cortes em julho”, diz Bryce Knorr, analista sênior do mercado de grãos da Farm Futures.

“A demanda de milho continua a diminuir. No entanto, a safra de milho 2019 ainda está em questão. É preciso acompanhar a previsão do tempo para ver quanto tempo durará o clima quente e seco do Centro-Oeste americano. Se as previsões de tempo quente e seco persistirem por mais de 10 ou 14 dias, isso deve dar algum apoio ao mercado de milho”, disse a Kluis Advisors aos clientes em uma nota diária.

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o diretor geral do Grupo Labhoro, Ginaldo de Sousa, comentou que as cotações subiram mesmo com os números demonstrando mais área cultivada e produção, uma vez que o mercado acredita que esses números ainda serão ajustados no dia 12 de agosto, quando o USDA irá divulgar seu trabalho de campo que está sendo realizado.

O analista ainda destaca que a atenção do mercado deverá ficar voltado para as definições de produtividade para o milho, uma vez que a polinização do milho, que deveria estar acontecendo neste momento, vai acontecer somente durante agosto.

“Esse relatório não expressa a realidade das lavouras. Se essa fosse realidade, as cotações do milho teriam caído até 20 centavos hoje”, diz Ginaldo.

Mercado interno

No mercado físico brasileiro, a quinta-feira acaba com as cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as desvalorizações foram percebidas apenas nas praça de Campinas/SP (1,30% e preço de R$ 37,92) e Dourados/MS (1,61% e preço de R$ 30,50).

Já as valorizações apareceram apenas em Castro/PR (2,78% e preço de R$ 37,00) e Brasília/DF (3,45% e preço de R$ 30,00).

Para a XP Investimentos, o mercado físico de milho seguiu sem fluxo, aguardando o desenrolar dos números mensais.

Pela manhã, a CONAB revisou a produção de milho para 98,50 MT (+1,50 MT). Já o USDA, manteve as produções do Brasil para 101 MT no milho.

“Mais uma vez, os números estimados para o milho surpreenderam o mercado, que esperava cortes de produção ao invés de avanços. A estabilidade lá fora somada ao avanço da colheita da 2ª safra no Brasil e a valorização do Real frente ao Dólar (queda do câmbio) mantém os preços de porto pressionados”, apontam os analistas.
(Notícias Agrícolas) (Guilherme Dorigatti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 16/09
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Quinta-Feira, 12/09
Indicadores da Pecuária crescem em relação ao 2º trimestre de 2018 (14:09)
Suínos: demanda aumenta e eleva preços do vivo e da carne (13:56)
Boi: preços da carcaça seguem em alta (13:55)
No 2º trimestre, abate de frangos cresceu 3,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 (13:54)
Ovos de Galinha: no segundo trimestre, o recorde de produção da série (13:53)
Pif Paf Alimentos conquista habilitação para exportar para a China (11:58)
Aviagen promove seminários técnicos para cliente IP-CMI na América Central (09:29)
Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio (07:11)
China corre para desenvolver uma vacina contra peste suína (07:06)
Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte (07:05)
Frango Vivo: Atacado tem queda de 1,15% nesta quarta-feira (07:00)
Suíno Vivo: Santa Catarina e São Paulo têm alta nesta quarta (06:59)
Mercado do milho fecha a sessão desta 4ª feira com ligeiras perdas na CBOT (06:56)
Soja fecha em queda em Chicago nesta 4ª e ajuda a pressionar cotações no Brasil (06:52)
Quarta-Feira, 11/09
POLINUTRI® reuniu equipe e clientes durante SIAVS (13:34)
V Workshop Internacional de Ambiência de Precisão será realizado em Campinas, SP (13:12)
Milho puxa mais uma colheita recorde de grãos (10:11)
FPA discute gestão compartilhada de energia no campo (10:10)
Frango Vivo: cotações ficam estáveis nesta terça-feira (08:06)
Preços agropecuários: alta de 0,83% no fechamento do mês de agosto (07:14)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,92% (07:05)
China abre mercado para farelo de soja argentino (07:03)
Milho: cotações encerram a sessão desta 3ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:02)
Soja fecha a terça-feira com mais de 14 pts de alta em Chicago (06:59)
Ministra inicia viaja ao Oriente Médio para ampliar relações comerciais (06:12)
Cooperativa LAR comemora 20 anos de avicultura (06:12)
Produção animal: adaptações ao aquecimento global da suinocultura (06:12)
Exportações de carne seguem em alta nos Portos do Paraná (06:12)
Terça-Feira, 10/09
Indonésia quer negociar com Santa Catarina (23:29)
Ruralistas tentam emplacar venda de terra a estrangeiro (10:56)
Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China (10:48)
Brasil inicia negociações de livre comércio com México (10:47)
Milho: demanda incerta (09:15)
Soja: nem pra lá, nem pra cá (09:03)
Aviagen inaugura seu 9º e maior incubatório nos EUA (08:55)
Preços do boi gordo em alta em Dourados-MS (08:40)
Ações de Marfrig e Minerva sobem (08:15)
Frango Vivo: Santa Catarina tem queda de 5,62% nesta segunda (08:12)
Suíno Vivo: PR, RS e SP têm alta nesta segunda-feira (08:11)
Soja opera em alta em Chicago nesta 3ª com apoio no milho e à espera do novo USDA (08:00)
Milho: cotações encerram a segunda-feira com leves baixas em Chicago (07:47)