Domingo, 21 de Julho de 2019
Matérias-Primas

Milho sobe 3% na Bolsa de Chicago após novos relatórios do USDA
Campinas, SP, 12 de Julho de 2019 - A quinta-feira (11) chegou ao final com grandes altas para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram valorizações entre 8,25 e 13,50 pontos, um aumento de 3% no contrato mais recente.

O vencimento julho/19 foi cotado à US$ 4,47, o setembro/19 valeu US$ 4,44 e o dezembro/19 foi negociado por US$ 4,48.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços do milho movimentaram-se significativamente mais altos na quinta-feira, com base nos dados de apoio do último relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) sobre estimativas mundiais de oferta e demanda agrícola.

Nesta quinta-feira o USDA revisou para cima áreas plantada e colhida, produção e estoques finais do cereal. A estimativa da área plantada ficou em 37,11 milhões de hectares, contra 36,34 milhões em junho. Assim, a colhida passou de 33,35 para 33,83 milhões de hectares. Já o rendimento do milho permaneceu nas 173,64 sacas por hectare.

Com esse aumento da área, o USDA estima ainda um aumento na produção de milho de 347,49 para 352,44 milhões de toneladas, e os estoques finais devem ficar em 51,06 milhões de toneladas, contra o número de junho de 42,55 milhões. Sobre as exportações norte-americanas, o número de 54,61 milhões de toneladas foi mantido.

“O USDA fez o que eu esperava com sua estimativa de produção de milho, mas isso surpreendeu algumas pessoas no mercado. Depois de fazer uma redução de rendimento em junho, não houve base estatisticamente significativa para novos cortes em julho”, diz Bryce Knorr, analista sênior do mercado de grãos da Farm Futures.

“A demanda de milho continua a diminuir. No entanto, a safra de milho 2019 ainda está em questão. É preciso acompanhar a previsão do tempo para ver quanto tempo durará o clima quente e seco do Centro-Oeste americano. Se as previsões de tempo quente e seco persistirem por mais de 10 ou 14 dias, isso deve dar algum apoio ao mercado de milho”, disse a Kluis Advisors aos clientes em uma nota diária.

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o diretor geral do Grupo Labhoro, Ginaldo de Sousa, comentou que as cotações subiram mesmo com os números demonstrando mais área cultivada e produção, uma vez que o mercado acredita que esses números ainda serão ajustados no dia 12 de agosto, quando o USDA irá divulgar seu trabalho de campo que está sendo realizado.

O analista ainda destaca que a atenção do mercado deverá ficar voltado para as definições de produtividade para o milho, uma vez que a polinização do milho, que deveria estar acontecendo neste momento, vai acontecer somente durante agosto.

“Esse relatório não expressa a realidade das lavouras. Se essa fosse realidade, as cotações do milho teriam caído até 20 centavos hoje”, diz Ginaldo.

Mercado interno

No mercado físico brasileiro, a quinta-feira acaba com as cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as desvalorizações foram percebidas apenas nas praça de Campinas/SP (1,30% e preço de R$ 37,92) e Dourados/MS (1,61% e preço de R$ 30,50).

Já as valorizações apareceram apenas em Castro/PR (2,78% e preço de R$ 37,00) e Brasília/DF (3,45% e preço de R$ 30,00).

Para a XP Investimentos, o mercado físico de milho seguiu sem fluxo, aguardando o desenrolar dos números mensais.

Pela manhã, a CONAB revisou a produção de milho para 98,50 MT (+1,50 MT). Já o USDA, manteve as produções do Brasil para 101 MT no milho.

“Mais uma vez, os números estimados para o milho surpreenderam o mercado, que esperava cortes de produção ao invés de avanços. A estabilidade lá fora somada ao avanço da colheita da 2ª safra no Brasil e a valorização do Real frente ao Dólar (queda do câmbio) mantém os preços de porto pressionados”, apontam os analistas.
(Notícias Agrícolas) (Guilherme Dorigatti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 21/07
Sexta-Feira, 19/07
Caminhoneiros reagem à tabela de frete e planejam ato para segunda (10:36)
Milho: “Chove em Chicago” (08:59)
BRF começa a deixar turbulências para trás (08:57)
Quinta-Feira, 18/07
China vai inspecionar frigoríficos brasileiros por vídeo (14:16)
Demanda chinesa por carnes amplia exportações da UE (08:55)
Após divergências com a ministra, presidente da Embrapa é demitido (08:53)
Paraná deverá liderar produção de carnes, prevê especialista (07:44)
Itaú BBA aponta tendências de faturamento das carnes em 2019 (07:43)
Frango/BTG: fundamentos no curto prazo são bons; pico do ciclo pode estar próximo (00:42)
Quarta-Feira, 17/07
Zoetis destaca Magniplex na Festa do Ovo, em Bastos/SP (13:31)
Polinutri garante presença na tradicional Festa do Ovo de Bastos (11:39)
ANTT cede a caminhoneiros em tabela do frete (09:00)
Aviagen reúne representantes das principais empresas avícolas da América Latina para evento técnico nos EUA (08:16)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte disparam em junho (08:11)
Mercado do boi gordo está perdendo força (08:07)
Mercado do milho finaliza a pregão nesta 3ª feira em campo negativo na CBOT (08:03)
Soja fecha com baixas de dois dígitos em Chicago (08:00)
Instituto Ovos Brasil patrocina 3ª edição da Corrida da Festa do Ovo (07:42)
Terça-Feira, 16/07
Yamasa participa da Festa do Ovo 2019, patrocina Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos e Corrida da Festa do Ovo (12:04)
Boehringer Ingelheim Saúde Animal confirma presença na Festa do Ovo de Bastos 2019 e reforça seu compromisso com o segmento de postura (12:00)
Valor da Produção Agropecuária é estimado em R$ 602,8 bilhões em 2019 (11:30)
Milho: Mercado inicia sessão nesta 3ª feira com baixas em Chicago (09:34)
Plantio atrasado nos EUA estende impacto do clima sobre preço de grãos (09:22)
Mercosul acelera vigência de acordo com UE (09:19)
Levantamentos indicam que geada não comprometeu oferta de produtos (08:31)
PIB do agronegócio cresce 0,04% em abril (08:27)
Santa Catarina encerra o primeiro semestre com alta de 56% nas exportações de carnes (08:24)
Exportação de milho do Brasil no acumulado de julho já supera volume de junho (08:22)
Começo de semana parado no mercado do boi gordo (08:10)
Milho: mercado finaliza a sessão nesta 2ª feira com forte recuo na Bolsa de Chicago (08:08)
Soja fecha a 2ª feira com mais de 10 pts de queda na CBOT (08:00)