Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2020
Exportação

Mercosul acelera vigência de acordo com UE
Santa Fé, Argentina, 16 de Julho de 2019 - Os quatro sócios do Mercosul vão acelerar a implantação do acordo de livre-comércio com a União Europeia. Eles se mostraram decididos a usar uma "cláusula de vigência bilateral" para tornar o tratado comercial vigente em cada país-membro do bloco tão logo haja aprovação de seus respectivos Parlamentos.

Assim, um país como o Brasil não precisaria esperar o Paraguai ou o Uruguai não teria que aguardar a Argentina, por exemplo, para colocar o acordo em prática. Para isso, o Parlamento Europeu deverá ter feito sua parte e ratificado o tratado com a eliminação progressiva de tarifas.

Normalmente, a validade requer aprovação de todos os signatários envolvidos. O governo brasileiro tem defendido a aplicação da cláusula de bilateralidade desde o anúncio do acordo, no mês passado, em Bruxelas.

Havia discussão entre os demais parceiros do bloco, entretanto, sobre a conveniência de usar ou não essa "manobra" para não arrastar a entrada em vigência do maior tratado de livre-comércio já firmado pelo Mercosul.

"Os tempos [no Mercosul] mudaram. Hoje precisamos de instrumentos efetivos para dar respostas rápidas às expectativas do setor exportador e produtivo dos nossos países", afirmou a diretora-geral de assuntos de integração da chancelaria uruguaia, Valeria Csukasi.

"Queremos tirar proveito, o mais rápido possível, do acordo e dos benefícios que ele pode nos trazer", acrescentou o embaixador Juan Ángel Delgadillo, vice-ministro de Relações Econômicas e Integração do Paraguai.

As conversas sobre o acionamento da cláusula avançaram ontem em Santa Fé, na Argentina, durante encontro do Grupo Mercado Comum (GMC), principal instância técnica do Mercosul. Os ministros da Economia e das Relações Exteriores do bloco se reúnem hoje - amanhã será a vez da cúpula dos presidentes.

Parece uma decisão burocrática, mas tem efeitos práticos. Outros acordos já celebrados pelo Mercosul, com o Egito e com a SACU (união aduaneira liderada pela África do Sul), demoraram mais de cinco anos para funcionar, devido à necessidade de ratificação por cada um dos sócios.

Apesar do clima de congratulação por causa do acordo recém-fechado, um tema recorrente na agenda do Mercosul voltou à tona nas conversas: fazer em conjunto ou individualmente as próximas negociações comerciais.

Os quatro países sul-americanos só se sentam juntos nas tratativas externas desde 2002. O "novo" Itamaraty do governo Jair Bolsonaro admitia a hipótese de revisar essa norma, preservando-a apenas para acordos já em negociação e liberando cada sócio para futuras conversas com outros parceiros interessados, mas está animado com o tratado UE-Mercosul. Na visão do governo brasileiro, foi uma mostra de que, ao assumir uma postura mais liberal, é possível ter bons resultados com todos juntos.

Um funcionário graduado em Brasília comenta, pedindo para não ser identificado, que tudo dependerá do processo eleitoral na Argentina. Uma eventual vitória do kirchnerismo, com viés mais protecionista, deve levar o Brasil a repensar essa "amarra" do Mercosul e a defender flexibilidade dos sócios para negociar novos acordos individualmente.

O cabeça da chapa que tem Cristina Kirchner como vice, Alberto Fernández, lidera as pesquisas e fez críticas duras ao tratado de livre-comércio com os europeus. Ele já aventou, inclusive, a possibilidade de rejeição dos termos pelo Congresso argentino. Para a fonte brasileira, tudo vai depender do comportamento de Fernández, em caso de vitória no pleito de outubro. "Sabemos também que o discurso de campanha é um, o discurso de governo é outro. Temos que ver."

Da parte do governo de Mauricio Macri, que tenta a reeleição na Argentina, há interesse em flexibilizar a norma do Mercosul existente desde o começo da década passada. Uma fonte da Casa Rosada comentou com o Valor que o país vê com simpatia a negociação conjunta com parceiros maiores, como Estados Unidos ou Japão, porque isso aumenta o poder de barganha do Mercosul.

No entanto, segundo esse auxiliar de Macri, o atual governo gosta da ideia de flexibilidade para fechar acordos individuais com países ou blocos de menor peso na arena internacional, como os centro-americanos.

Para o secretário de Relações Econômicas Internacionais da chancelaria argentina, Horacio Reyser, novos tratados de livre-comércio com o Mercosul têm boas possibilidades de sair nos próximos meses. Ele demonstra otimismo com a rodada negociadora marcada para agosto com os integrantes da Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) - Suíça, Noruega, Islândia, Liechtenstein - e estima que um acordo com o Canadá possa ser fechado no primeiro semestre de 2020. Além desses, o Mercosul está em tratativas comerciais com Cingapura e com a Coreia do Sul.

(Valor) (Daniel Rittner)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 29/01
Soja: Mercado em Chicago sobe nesta 4ª feira (10:15)
Milho: negócios começaram a aparecer lentamente (10:03)
Boi Gordo: negócios no mercado físico estão travados (09:34)
Soja já acumula perdas de 7% em Chicago desde o início de janeiro (09:17)
Coronavírus pode afetar exportações brasileiras e impactar preço da carne no país (08:44)
Frigoríficos acusam BB de calote em exportação de frango a Cuba (08:41)
Por frango, EUA querem relaxar padrão sanitário da UE (08:39)
Ministério da Agricultura abre inscrições para feiras internacionais de alimentos e bebidas (08:32)
Frango: cotações em queda na maioria dos setores nesta terça-feira (08:25)
Suíno: cotações ainda em queda na maioria dos setores (08:12)
Mercado do Boi Gordo registra queda da arroba em São Paulo (08:10)
Milho se recupera e fecha a terça-feira com altas em Chicago (08:09)
Terça-Feira, 28/01
Agroindústrias da Serra catarinense terão mais facilidade para vender no mercado nacional (13:31)
CNA faz balanço de missão à Índia e diz que Brasil será um grande fornecedor de alimentos ao país (10:32)
Milho: terça-feira começa com cotações caindo em Chicago (10:22)
Milho: Estresse do dólar influenciou na intenção de venda do produtor (10:11)
Boi Gordo: Indústria necessita compor os abates (10:10)
Exportações brasileiras de milho em janeiro estão 34,6% menores do que mesmo mês de 2019 (09:31)
Soja tem novo dia de baixas nesta 3ª feira em Chicago (09:20)
JBS firma acordo de R$ 3 bi para exportar mais à China (08:57)
Serviço de Inspeção Federal completa 105 anos (08:48)
Avicultura paranaense supera expectativas e atinge crescimento acima de 6% na produção anual (08:18)
Seara Alimentos inicia capacitação de mais de 170 jovens (08:15)
Boi: Mercado futuro encerra a 2ª feira com ligeiras quedas na Bolsa Brasileira (08:10)
Após semanas de desvalorização, carne bovina reage no varejo (08:08)
Suínos: demanda interna baixa e exportações lentas pressionam cotações (08:05)
Milho cai em Chicago nesta segunda-feira em meio a temores sobre o coronavírus (08:03)
Soja ameniza perdas em Chicago após 2ª feira tensa (08:00)
Segunda-Feira, 27/01
Soja: Mercado perde mais de 10 pts em Chicago nesta 2ª feira (12:45)
China foi o principal destino das exportações paulistas em 2019 (12:23)
Produtores de carne suína dos EUA estão bem equipados para suprir as necessidades da China (11:11)
ABPA não descarta importação de milho de outros países, até mesmo dos EUA (10:50)
Plantio do milho no Mato Grosso avançou 7,92 p.p na última semana (10:29)
Soja: apesar do recuo das cotações, ritmo de negócios aumenta (10:20)
Oferta restrita de boiadas prontas tem implicado em redução dos abates (10:17)
ABPA e AGROICONE apresentam estudo sobre sustentabilidade no GFFA 2020 (09:55)
Preços do milho sobem na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea (09:52)
Redes de fast-food não têm compromisso com bem-estar de frangos, aponta pesquisa (09:01)
Brasil insta Índia a cortar impostos de importação sobre frango e seus produtos (08:50)
Na Índia, Tereza Cristina diz que agricultura brasileira não é vilã (08:48)
Brasil e Índia firmam cooperação técnica em produção animal (08:16)
Frango: cotações caminham para equilíbrio após altas em 2019 (08:13)
Suínos: cotações pressionadas pela baixa demanda (08:02)
Preço da carne bovina desacelera e segue em tendência de queda (08:01)
Boi: mercado finaliza a semana em queda (08:00)
Milho se desvaloriza em Chicago com preocupação sobre problemas chineses (07:53)
Brasil fecha última semana com liderança firme no comércio global de soja (07:50)
Sexta-Feira, 24/01
Biocamp lança uma novidade para o setor avícola na IPPE 2020 (16:28)
Agronegócio é responsável por 77% das exportações do PR (12:30)
CNA revela interesse indiano pela tecnologia brasileira de produção de frango (12:17)
O apetite da Tyson Foods pelo Brasil (12:15)
EUA pedem à Índia até US$ 6 bilhões em compras de produtos agrícolas, inclusive frango (12:12)
Secretário de Indústria e Comércio do Tocantins visita empresas no Bico do Papagaio (12:10)
Frango: baixa liquidez e estoques elevados pressionam valor da carne (10:01)
Congresso de Ovos 2020 divulga slogan: “Ovo: Alimento forte por natureza” (09:58)
Milho cai nesta 6ª feira em Chicago à espera do relatório do USDA (09:55)
Boi Gordo: semana foi marcada por redução dos abates em SP (09:31)
Time técnico da Wisium será destaque em evento internacional (09:20)
Aviagen “Breeding Sustainability” em destaque na Feira de Atlanta (09:10)
Futuros de gado tropeçam para baixa de dois meses antes do relatório do USDA (09:00)
Em setembro, Florianópolis sediará a 13ª edição do Simpósio da ACAV (08:50)
Na China, comércio de animais vivos favorece novos vírus (08:43)
Mantiqueira e Zona Sul lançam experiência gratuita no Rio de Janeiro (08:27)
União Europeia suspende importação de carne de frango da Ucrânia (08:18)
Frango: ave no atacado segue com preço em queda (08:00)
Suínos: animal vivo segue tendo queda de preço nas principais praças produtoras (07:50)
Preço da carne sem osso registrou desvalorização de 13,6% em relação ao início do ano (07:36)
Milho se fortalece em Chicago após anúncio de vendas americanas nesta 5ª feira (07:34)
Soja: maior competitividade do Brasil mantém pressão sobre mercado de Chicago (07:33)
Soja: enquanto negócios com os EUA só devem sair a partir de 15 de fevereiro, China compra no BR (07:30)
Quinta-Feira, 23/01
Brasil pede à Índia corte de taxas de importação sobre produtos de frango (13:18)
Cotações do milho no mercado físico estão sustentadas (12:45)
Boi Gordo: negócios no mercado físico em SP é mínimo (12:40)
Evonik lançará Porphyrio® durante o IPPE, em Atlanta (12:35)
Cobb-Vantress destaca perdas com miopatias em aves em evento no RS (12:34)
Avicultura de postura nordestina evolui com o apoio de grandes parceiros (12:32)
CEPEA: cotações da carne e do Boi Gordo recuam na parcial de janeiro (11:38)
Sócia da Tyson Foods, gaúcha Vibra prepara investimentos no país (10:21)
Suínos: relação de troca por insumos aumenta (09:49)
Milho registra pequenos ganhos no começo desta quinta-feira em Chicago (09:36)
Soja: mercado em Chicago dá continuidade ao movimento de baixas nesta 5ª feira (09:35)
BRF desmente rumores de que a China estaria renegociando contratos de exportação de carnes (09:11)
Na China, vender carne é um negócio para os gigantes? (09:11)
Não precisamos desmatar para comer, basta aumentar a produtividade, diz Tereza Cristina (09:08)
Frango: movimentações lentas e atacadistas querendo escoar estoques (08:25)
Suínos: mais um dia de quedas para o animal vivo (08:24)
Cotação da arroba do Boi Gordo registra queda de 1,7% em uma semana (08:23)
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação (08:23)
Avicultura mineira recupera preços mas tem pressão de custo (08:21)
Mercado do boi segue pressionado (08:20)
Sindicarne diz que saída de animais do PR compromete abastecimento local (08:15)
Recuo nos preços da carne bovina faz juros fecharem nas mínimas históricas (08:13)
Milho fecha a 4ª feira com cotações em campo misto na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha com portos estáveis no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Soja registra queda em Chicago nesta 4ª feira (07:30)