Sábado, 25 de Janeiro de 2020
Saúde Animal

Conheça mais sobre o Teste de sensibilidade para coccidiose aviária

A melhor ferramenta para construção de uma estratégia de controle prudente e racional da doença.
São Paulo, SP, 08 de Agosto de 2019 - Por Eduardo Muniz* e Igor Santos**

A perda de sensibilidade aos medicamentos veterinários é um problema que cresce à medida em que usamos os antimicrobianos, fungicidas, inseticidas, antihelmínticos e anticoccidianos. Esse processo nada mais é do que a manifestação da lei da seleção natural aplicada aos microrganismos. Dessa forma, a perda de sensibilidade frente aos medicamentos veterinários deve ser continuamente monitorada. Isto permitirá que o produtor tome as melhores decisões em relação ao uso dos programas de fármacos. Como o número de ferramentas/produtos é limitado, os programas de controle por meio dos medicamentos devem ser desenhados para aproveitar ao máximo o que temos disponível.

Este conceito também se aplica integralmente ao controle da coccidiose. A medição da perda da sensibilidade, ao longo do tempo, depende de monitoramento e de testes laboratoriais específicos. Os resultados devem ser utilizados para obter informações sobre o comportamento geral do desenvolvimento de resistência em uma área geográfica. O uso das provas de sensibilidade oferece bases mais racionais para a escolha dos anticoccidianos específicos e representa um grande apoio para a indústria avícola.

Os testes de sensibilidade ajudam enormemente e nos ensinam a utilizar os anticoccidianos mais estrategicamente, de maneira racional e prudente. A resistência pode se desenvolver em poucas semanas com alguns fármacos e levar anos para se manifestar com outros. De uma maneira geral, podemos dizer que o desenvolvimento de resistência aos anticoccidianos sintéticos (antigamente chamados de químicos) ocorre rapidamente. Por outro lado, com os ionóforos este processo é mais lento. A ocorrência de coccidiose no campo pode ser decorrente da perda de sensibilidade ao anticoccidiano que está sendo usado, mas também pode ser resultado de outro problema, como por exemplo, falha de processo na fábrica de ração (baixa inclusão do medicamento, erros de mistura etc).

A única forma de determinar qual é a droga mais efetiva no controle de uma coccídia presente em determinado lugar é fazer o isolamento das coccídias presentes na região e desenvolver provas de sensibilidade frente a vários anticoccidianos.

Logo, o teste de sensibilidade a anticoccidianos também conhecido como anticoccidial sensitivity test (AST) fornece dados para ajudar a elaborar e a aperfeiçoar programas de anticoccidianos utilizados em frangos de corte. A eficácia dos diversos anticoccidianos é avaliada por meio de análises de ganho de peso, conversão alimentar (CA) e mortalidade, bem como dos escores de lesão pelo método de Johnson & Reid, 1970, para cada Eimeria alvo. O AST vem sendo pouquíssimo utilizado no Brasil, mas nos EUA e na Europa, em função de uma maior disponibilidade de recursos e da proximidade entre a indústria farmacêutica e as universidades, ele é realizado com maior frequência para nortear a escolha do anticoccidiano a ser administrado e representa a forma mais viável de avaliar a eficácia de um fármaco anticoccidiano em provas exigidas pelas autoridades regulatórias para registro ou extensão de bula.

Evidências práticas e trabalhos científicos demonstram que o uso contínuo e arbitrário dos anticoccidianos pode levar à seleção de Eimerias menos sensíveis no campo. Isso acaba por prejudicar o resultado zootécnico das indústrias avícolas. A resistência frente às diferentes drogas anticoccidianas vem aumentando ao longo do tempo.

Quais são os benefícios práticos das provas de sensibilidade aos anticoccidianos?

As provas de sensibilidade têm enorme valor na estratégia de controle da coccidiose, pois determinam qual é a droga mais efetiva para o desafio de campo local. A troca arbitrária dos programas de anticoccidianos não garante a eficácia, pois o anticoccidiano escolhido pode não ser mais efetivo do que o produto utilizado anteriormente. Os padrões de resistência aos anticoccidianos foram estudados ao longo do tempo por ampla pesquisa científica e foi demonstrado que a resistência a drogas foi aumentando. Estes estudos demonstraram que o padrão de resistência às drogas depende da exposição e do tempo com que as granjas foram previamente tratadas. O uso contínuo de determinadas drogas leva ao aparecimento de coccídias resistentes ou, melhor dizendo, seleciona coccídias menos sensíveis ao anticoccidiano utilizado. Dessa maneira, o perfil de sensibilidade a uma determinada droga normalmente está associado à empresa e à região que foi submetida aos programas de anticoccidianos, sendo que o resultado do teste de sensibilidade de uma empresa ou região não necessariamente serve para outro local.

Não é prático, nem tampouco necessário, determinar o comportamento de resistência em todas as granjas de uma integração de frangos de corte, e o custo deste procedimento seria proibitivo. De maneira geral, o padrão de sensibilidade é similar dentro de uma região, já que o mesmo programa de anticoccidianos é utilizado em todas as granjas. As provas de sensibilidade podem ser planejadas com intervalos de 6 meses sendo que o grande benefício será determinar como está o controle das coccídias frente aos anticoccidianos e diagnosticar a resistência antes que se torne um problema maior. Com este resultado em mãos, é possível escolher alternativas de drogas mais efetivas para os próximos programas.

Esperar o aparecimento de surtos de coccidiose para só então realizar o teste de sensibilidade se mostra equivocado. O propósito do AST é justamente identificar o problema antes que alcance uma proporção crítica. Desta forma, o teste de sensibilidade se apresenta como o alicerce de um controle estratégico da coccidiose. Os resultados deste monitoramento permitem que o produtor foque em boas práticas e realize a rotação dos anticoccidianos de forma segura e planejada, visando assim, solução a longo prazo.

*é médico-veterinário e gerente técnico da Unidade de Aves da Zoetis.

**é médico-veterinário e diretor técnico do CAPEV – Centro de Amparo e Pesquisa Veterinária.
(Zoetis) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 25/01
Sexta-Feira, 24/01
Biocamp lança uma novidade para o setor avícola na IPPE 2020 (16:28)
Agronegócio é responsável por 77% das exportações do PR (12:30)
CNA revela interesse indiano pela tecnologia brasileira de produção de frango (12:17)
O apetite da Tyson Foods pelo Brasil (12:15)
EUA pedem à Índia até US$ 6 bilhões em compras de produtos agrícolas, inclusive frango (12:12)
Secretário de Indústria e Comércio do Tocantins visita empresas no Bico do Papagaio (12:10)
Frango: baixa liquidez e estoques elevados pressionam valor da carne (10:01)
Congresso de Ovos 2020 divulga slogan: “Ovo: Alimento forte por natureza” (09:58)
Milho cai nesta 6ª feira em Chicago à espera do relatório do USDA (09:55)
Boi Gordo: semana foi marcada por redução dos abates em SP (09:31)
Time técnico da Wisium será destaque em evento internacional (09:20)
Aviagen “Breeding Sustainability” em destaque na Feira de Atlanta (09:10)
Futuros de gado tropeçam para baixa de dois meses antes do relatório do USDA (09:00)
Em setembro, Florianópolis sediará a 13ª edição do Simpósio da ACAV (08:50)
Na China, comércio de animais vivos favorece novos vírus (08:43)
Mantiqueira e Zona Sul lançam experiência gratuita no Rio de Janeiro (08:27)
União Europeia suspende importação de carne de frango da Ucrânia (08:18)
Frango: ave no atacado segue com preço em queda (08:00)
Suínos: animal vivo segue tendo queda de preço nas principais praças produtoras (07:50)
Preço da carne sem osso registrou desvalorização de 13,6% em relação ao início do ano (07:36)
Milho se fortalece em Chicago após anúncio de vendas americanas nesta 5ª feira (07:34)
Soja: maior competitividade do Brasil mantém pressão sobre mercado de Chicago (07:33)
Soja: enquanto negócios com os EUA só devem sair a partir de 15 de fevereiro, China compra no BR (07:30)
Quinta-Feira, 23/01
Brasil pede à Índia corte de taxas de importação sobre produtos de frango (13:18)
Cotações do milho no mercado físico estão sustentadas (12:45)
Boi Gordo: negócios no mercado físico em SP é mínimo (12:40)
Evonik lançará Porphyrio® durante o IPPE, em Atlanta (12:35)
Cobb-Vantress destaca perdas com miopatias em aves em evento no RS (12:34)
Avicultura de postura nordestina evolui com o apoio de grandes parceiros (12:32)
CEPEA: cotações da carne e do Boi Gordo recuam na parcial de janeiro (11:38)
Sócia da Tyson Foods, gaúcha Vibra prepara investimentos no país (10:21)
Suínos: relação de troca por insumos aumenta (09:49)
Milho registra pequenos ganhos no começo desta quinta-feira em Chicago (09:36)
Soja: mercado em Chicago dá continuidade ao movimento de baixas nesta 5ª feira (09:35)
BRF desmente rumores de que a China estaria renegociando contratos de exportação de carnes (09:11)
Na China, vender carne é um negócio para os gigantes? (09:11)
Não precisamos desmatar para comer, basta aumentar a produtividade, diz Tereza Cristina (09:08)
Frango: movimentações lentas e atacadistas querendo escoar estoques (08:25)
Suínos: mais um dia de quedas para o animal vivo (08:24)
Cotação da arroba do Boi Gordo registra queda de 1,7% em uma semana (08:23)
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação (08:23)
Avicultura mineira recupera preços mas tem pressão de custo (08:21)
Mercado do boi segue pressionado (08:20)
Sindicarne diz que saída de animais do PR compromete abastecimento local (08:15)
Recuo nos preços da carne bovina faz juros fecharem nas mínimas históricas (08:13)
Milho fecha a 4ª feira com cotações em campo misto na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha com portos estáveis no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Soja registra queda em Chicago nesta 4ª feira (07:30)
Quarta-Feira, 22/01
Primeiro trimestre na suinocultura com oportunidades surgindo de riscos (11:51)
Vagas do Condomínio Avícola serão ampliadas com novo galpão em 2020 (10:55)
Suínos: mercado futuro pressionado em meio à incerteza sobre a demanda chinesa (10:49)
Negócios no mercado físico do milho voltaram ao normal (10:40)
Boi Gordo: volume de negócios no mercado físico está baixo em SP (10:35)
Queda no poder de compra do pecuarista em relação ao farelo de soja (09:51)
Preços firmes do milho no mercado interno (09:48)
China derruba rentabilidade dos frigoríficos (09:09)
SENAC Aclimação recebe Instituto Ovos Brasil, abrindo o calendário de ações (08:45)
Frango: tendência é de recuo nos preços nos próximos dias (08:19)
Mapa reconhece inspeção de produtos de origem animal da Serra Catarinense e de Itapetininga (SP) (08:19)
Suínos: 3ª feira de quedas nas cotações (08:17)
Carne bovina: queda no varejo em SP e altas em MG e RJ (08:14)
Mercado registra embaraço nas exportações de carne bovina (08:05)
Boi: mercado futuro encerra a sessão desta 3ª feira sem grandes movimentações na B3 (08:00)
Mercado brasileiro de soja sustenta otimismo com competitividade forte e concentração da demanda; milho exige cautela (07:57)
Milho cai em Chicago nesta 3ª feira à espera de compras chinesas (07:50)
Escassez de oferta entre abril e junho pode levar milho a patamares recordes (07:48)
Mercado da soja para produtor brasileiro é favorável em 2020 (07:47)
Soja: Chicago fecha 3ª feira com baixas na CBOT (07:45)
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação com país asiático (07:45)
Terça-Feira, 21/01
PIB-AGRO/CEPEA: movimento de alta segue firme, com sustentação vinda da pecuária (15:41)
AB Vista vai apresentar o primeiro produto 'stimbiótico' no IPPE 2020 (14:47)
Soja: mercado recua em Chicago nesta 3ª feira (14:26)
Carnes: exportações aceleram em 2020 (12:44)
PIB do agro acumula alta de 1,15% até outubro de 2019 (12:35)
Obrigado ao Agronegócio por 2019 (11:19)
Fluxo de negócios no mercado físico do milho está ligeiramente maior (10:49)
Alemanha confirma caso de gripe aviária H5N8 em aves selvagens (10:37)
Ucrânia relata primeiro caso de gripe aviária H5 em três anos (10:22)
Alemanha e Polônia discutem nova ação para prevenir a peste suína (09:55)
Boi Gordo: ausência de negócios está reduzindo os estoques da indústria de SP (09:46)
Milho: Bolsa de Chicago volta do feriado com queda para as cotações (09:45)
Mapa negocia R$ 1,5 bilhão para apoiar contratação do seguro rural em 2021 (09:42)
Exportações brasileiras de milho em janeiro estão 35,6% menores do que mesmo mês de 2019 (09:00)
Frango: aumento para a ave viva em São Paulo chega a 12% (07:55)
Produção de suínos deve crescer 4% em 2020; exportações aumentarão 15% (07:50)
Boi: frigoríficos seguem fora das compras de animais e atentos as vendas no atacado (07:45)
Milho: mercado interno não registra movimentações nesta segunda-feira (07:40)
Soja: Mercado brasileiro inicia semana com preços estáveis (07:35)