Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019
Empresas

JBS lucrou R$ 2,2 bi no segundo trimestre
São Paulo, SP, 15 de Agosto de 2019 - O ciclo favorável para a produção de carne bovina nos EUA e a recuperação da rentabilidade no Brasil turbinaram o desempenho da JBS no segundo trimestre. Entre abril e junho, a companhia registrou um lucro líquido de R$ 2,2 bilhões. No mesmo período do ano passado, a empresa havia reportado prejuízo de R$ 911,1 milhões.

Ajudada também pela valorização do dólar, a receita líquida da JBS aumentou 12,5% na comparação anual, totalizando R$ 50,8 bilhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 20,3%, atingindo R$ 5,1 bilhões. Nesse período, a margem Ebitda aumentou em 0,6 ponto percentual, para 10%. A geração de caixa livre quase dobrou, chegando a R$ 3,7 bilhões.

Em entrevista ao Valor, o CEO da JBS, Gilberto Tomazoni, comemorou os resultados como uma entrega da confiança depositada pelos investidores. Em 2019, as ações da JBS subiram 138%, o que também ajudou a alimentar a avaliação de que o BNDES venderá a participação de 21% que tem na companhia. Questionado, o executivo negou ter sido abordado pelo banco estatal para uma possível oferta subsequente de ações (follow on) que viabilize a saída para a BNDESPar.

Em relação ao resultado, Tomazoni enfatizou a transformação feita desde o segundo trimestre de 2017, logo após a delação dos irmãos Batista. Desde então, a JBS reduziu as despesas anuais com juros em cerca de US$ 400 milhões, disse. O executivo avalia que a empresa tem potencial para reduzir essas despesas em mais US$ 300 milhões ao ano. Nesse processo, a dívida bruta da JBS diminuiu de R$ 61,7 bilhões, em 30 de junho de 2017, para US$ 51 bilhões no fim do segundo trimestre de 2019.

Com isso, o índice de alavancagem (relação entre o Ebitda e a dívida líquida) diminuiu de 4,16 vezes em meados de 2017 para 2,78 vezes no fim do último trimestre. Neste ano, o índice também caiu. Em 31 de março, estava em 3,2 vezes.

De acordo com o vice-presidente de finanças e de relações com investidores da JBS, Guilherme Cavalcanti, o índice de endividamento chegou a um nível "confortável", permitindo que a companhia ingresse em um nova etapa. Em outras palavras, as aquisições estão no radar.

Tomazoni evitou dar detalhes sobre possíveis alvos, mas disse que o foco da JBS são aquisições nas regiões onde já atua devido às economias possibilitadas pelas sinergias entre os ativos a serem comprados e as operações existentes. Como um exemplo, citou a aquisição do abatedouro de suínos de Seberi (RS), realizado recentemente por R$ 235 milhões. "Tinha sinergia com a Seara e estava ligado ao aumento da demanda por carne suína", explicou.

No segundo trimestre, a demanda externa aquecida - com preços melhores, em parte refletindo o surto de peste suína africana na China - beneficiou a Seara, que reúne as operações de frango, suínos e alimentos processados no Brasil. No período, o Ebitda dessa unidade de negócios chegou a R$ 563,4 milhões, incremento de 148% na comparação anual. A margem Ebitda aumentou 5,5 pontos percentuais, para 11,1%.

De acordo com Tomazoni, a tendência para a rentabilidade da Seara é positiva. "É daqui para cima". O resultado da unidade deve ser favorecido pelo bom momento para a produção de carne de frango e suína no Brasil - custos de ração mais baixos e preços mais elevados dos produtos vendidos nos mercados interno e externo - e também em razão dos investimentos da companhia em inovação e marketing.

Afora a Seara, os negócios nos EUA - país onde a empresa reúne a maior parte de suas operações - mais uma vez ajudaram a JBS. O Ebitda da JBS USA Beef, que agrega a operação de carne bovina na América do Norte (EUA e Canadá) e os negócios na Austrália, totalizou R$ 2 bilhões. Trata-se de uma redução de 2% ante o mesmo período de 2018, mas a rentabilidade segue acima da média histórica para esse negócio. No segundo trimestre, a margem Ebitda da área foi de 9,2%.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 19/09
Quarta-Feira, 18/09
32ª Reunião CBNA: Inscrição de trabalhos científicos até 26 de setembro (12:51)
Milho: Mercado futuro opera com ligeiras perdas na manhã desta 4ª feira na CBOT (10:18)
Soja trabalha estável em Chicago nesta 4ª feira e espera notícias para definir direção (10:17)
Plantio de milho 2019/20 do Paraná atinge 24% da área, diz Deral; soja segue zerada (10:04)
ASGAV e SIPS entregam report de participação no SIAVS 2019 (09:56)
Venda de carne de frango tem queda em Santa Catarina (09:38)
Primeiro evento da Aviagen na Colômbia sinaliza expansão e sucesso na América Latina (08:47)
Trabalhos científicos serão recebidos pela APA para o Congresso de Ovos até o dia 13/12/2019 (08:29)
Arábia Saudita abre mercado para frutas e derivados de ovos do Brasil (08:24)
Frango Vivo: cotações registram estabilidade (08:17)
Suíno Vivo: Minas Gerais tem alta de 3,56% (08:16)
Preço do boi gordo sobe no Norte de Minas Gerais (08:13)
Milho: Bolsa de Chicago cai até 1,60% nesta terça-feira (08:05)
Negócios com a soja travam no Brasil (08:00)
Terça-Feira, 17/09
Valor Bruto da Produção Agropecuária deve atingir R$ 601,9 bi em 2019, segundo maior em 30 anos (13:31)
Ovo: fonte de selênio (13:00)
Equipe econômica volta a debater Refis de R$ 11 bi no Funrural (09:30)
Aviagen destaca o compromisso com o mercado avícola latino-americano no SIAVS 2019 (08:58)
Rebanho suíno da China diminuiu 38% em agosto (08:38)
Biomin, Sanphar e Romer Labs participam, juntas, do XXVI Congresso Latino-Americano de Avicultura, em Lima (Peru) (08:16)
Frango Vivo: Santa Catarina tem alta de 5,96% nesta segunda (08:10)
Suíno Vivo: MG, SC e SP registram alta (08:09)
Coreia do Sul detecta primeiro surto de peste suína africana, diz ministério (08:08)
Mercado do boi inicia segunda quinzena com preços firmes (08:07)
Milho sobe 1,63% na Bolsa de Chicago (08:00)
Soja: Mercado fecha estável em Chicago, mas sobe mais de 1% no interior do Brasil (07:45)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (06:54)
Santa Catarina alcança faturamento de US$ 2 bilhões com exportação de carnes em 2019 (06:53)
Arábia Saudita busca forragem para ração do Brasil (06:52)
Segunda-Feira, 16/09
Abate de aves registra alta no RS (15:04)
Vetanco destaca importância de sua participação no Siavs (13:24)
Luciano Mecchi é o novo gerente da equipe Safeeds (13:22)
Milho: demanda eleva indicador, mas preços recuam no centro-oeste (13:10)
Soja: preço recua no Brasil, mas queda é limitada por alta externa (13:09)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (12:26)
A importância da nutrição precoce no desempenho e na saúde de frangos de corte e a relevância do plasma spray dried nesse contexto (10:11)
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,90% (06:25)
Os preços do boi gordo e da novilha subiram em São Paulo (06:23)
Sexta-feira acaba com estabilidade, mas milho sobe mais de 3% na semana em Chicago (06:18)
Soja: mercado brasileiro terminou a semana com queda de mais de 20% nos prêmios (06:00)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)