Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019
Bem-estar Animal

Polêmica entre bem-estar animal e religião cria oportunidade para o Brasil
Curitiba (PR), 23 de Agosto de 2019 - No início do ano, a região de Flandres, na Bélgica, proibiu o abate de animais sem atordoamento prévio, o que reacendeu um velho debate que envolve ONGs de defesa do bem-estar animal, ideologias políticas e liberdade religiosa, já que a medida afeta diretamente os mercados consumidores de carne kosher e halal, ou seja, judeus e muçulmanos, respectivamente. De acordo com as leis desses povos, os animais precisam ser sacrificados cumprindo preceitos da lei judaica e dos rituais islâmicos, o que muitas vezes vai de encontro aos métodos de insensibilização adotados pelos frigoríficos de alguns países europeus.

A boa notícia é que essas restrições podem favorecer a indústria de proteína animal brasileira, já que esse tipo de exportação, além de volume, tem valor agregado no preço. Atualmente, já somos o principal exportador de carne halal do mundo e o número de frigoríficos adaptados para o abate kosher no país deve dobrar nos próximos dois anos.

Além de Flanders, a região de Valônia também vai adotar a restrição aos abates religiosos a partir de setembro, e Bruxelas estuda fazer o mesmo. Fora a Bélgica, Noruega, Islândia, Suécia e Suíça também obrigam o atordoamento de animais antes do abate. Já Dinamarca e Finlândia exigem o atordoamento logo após a degola, o mesmo ocorre na Estônia. Na Alemanha e Áustria, os abates kosher e halal são permitidos apenas para abastecer os mercados internos, sendo vedada a exportação.

“Esse movimento de proibição não é isolado e nem recente. O motivo alegado é o bem-estar animal, só que existe uma série de agendas por trás disso, ideológicas, dos grupos de extrema-direita que apoiam a caça esportiva e querem proibir o abate religioso. De outro lado existem grupos radicais ambientalistas. Só que se essa fosse a verdadeira razão, as propostas trabalhariam métodos para melhorar o bem-estar animal, mas o que acontece é que acabaram rotulando na opinião pública o abate religioso como maus tratos aos animais”, afirma o consultor Felipe Kleiman, fundador da KLM Kosher consultin, especialista em operações de abate Kosher.

Segundo Kleiman, há muitas contradições nessas restrições – como na Bélgica, onde a caça esportiva é permitida. “Se discute na Holanda e na Polônia uma proibição parcial, querem proibir a exportação, o que vai acabar com o mercado de uma forma ou de outra. Segundo a lei judaica, o animal não pode estar inconsciente, não pode estar insensibilizado na hora do abate”, explica.

Conforme o especialista, algumas técnicas de insensibilização, como as pistolas de pressão – que golpeiam a cabeça dos bovinos fazendo com que desmaiem antes de serem abatidos, para não sentirem dor – geralmente provocam a morte do animal, pois danificam o cérebro, o que violaria a lei judaica, que diz que o animal precisa estar “íntegro” na hora do abate, ou seja, ele pode estar em um estado de inconsciência ou dormência, mas nunca morto.

Novo mercado

Para o Brasil, segundo Kleiman, esta é uma oportunidade de explorar um nicho novo de mercado, onde quem começar primeiro vai levar vantagem. “A Europa sempre foi autossuficiente na carne halal e kosher, e isso vai mudar. A procura pelo abate halal deve crescer, pois estamos falando de uma comunidade de 30 milhões de pessoas – 27 milhões delas são muçulmanos, sendo que 16% deles não abrem mão do abate halal tradicional. E os demais 3 milhões são judeus”, observa.

Caso a Polônia, um dos principais produtores de carne para o Velho Continente e que também estuda proibir o abate sem sensibilização animal, parar de produzir carne kosher e halal, a oportunidade para o Brasil ficará ainda mais clara, especialmente na esteira do recém firmado acordo comercial entre Mercosul e União Europeia, que deve facilitar ainda mais as trocas comerciais com o bloco europeu.

Só para se ter uma ideia, no ano passado o Brasil exportou US$ 70 milhões (14 mil toneladas) de carne bovina para Israel. Número que poderia chegar a 20 mil toneladas. De acordo com Kleiman, enquanto o Chile (um dos países mais exigentes em relação à qualidade da carne) paga US$ 4,3 mil a tonelada de dianteiro bovino tradicional, o mercado kosher pagaria US$ 5,1 mil a tonelada.

O Egito, grande consumidor da nossa carne halal, por outro lado, paga em média US$ 3,4 mil a tonelada. Atualmente, segundo o consultor, existem 7 plantas de abate kosher no Brasil, 5 delas estão ativas. Nos próximos dois anos esse número deve chegar a 10, o que demonstra que os frigoríficos estão investindo pesado nesse segmento.

Kleiman explica ainda que o custo para montar um frigorífico de abate kosher não é alto para a realidade do setor. Enquanto uma planta industrial que abate mil cabeças de gado paga até R$ 3 milhões por dia somente na compra de gado, o custo de um frigorífico adaptado para abate kosher para o qual Kleiman está fazendo consultoria no Nordeste está orçado em R$ 6 milhões. “O mercado é interessante não só para as grandes empresas, mas também para aquelas que têm um frigorífico, por exemplo, pois têm a chance de fazer um produto mais bem acabado, de qualidade, e com valor agregado.”

Outra vantagem brasileira é o fato de termos tecnologia própria para produção dos boxes especiais que imobilizam o gado para o abate, que é uma exigência normativa israelita. “As empresas que se adaptaram para atender Israel estão com sua estrutura perfeitamente adequada para atender a Europa, num alto patamar de bem-estar animal”, diz Kleiman. Além do Brasil, o Uruguai e a Argentina também têm condições de competir nesse mercado, segundo ele.

Frango na dianteira

No caso da carne halal, o Brasil já saiu na frente com o frango. Nosso principal comprador – a Arábia Saudita – não tolera qualquer insensibilização dos animais na hora do abate. É aí que os nossos frigoríficos levam vantagem, segundo Ali Ahmad Saifi, diretor executivo da CDIAL Halal, empresa que responde por cerca de 60% de todo o frango certificado no país de acordo com a lei islâmica. “As empresas brasileiras sempre conseguem se adaptar a situações que nem elas achavam que poderiam”, observa.

De acordo com Saifi, que será um dos palestrantes do 7º Fórum de Agricultura da América do Sul, que ocorrerá em Curitiba (PR) no início de setembro, algumas linhas religiosas muçulmanas entendem que o abate halal deve ser feito sem a insensibilização dos animais, mas não são todos os países islâmicos que exigem que seja feito dessa maneira. É o caso da Malásia, que aceita a insensibilização por choque elétrico ou com pistola de pressão não perfurante, mas somente em último caso. Já os Emirados Árabes não toleram nenhuma técnica desse tipo.

Atualmente, a Arábia Saudita importa 450 mil toneladas/ano de carne de frango halal brasileira. De carne bovina são outras 36 mil toneladas/ano. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), quase 50% das exportações de frango brasileiras em 2018 foram de produtos halal, somando 1,966 milhão de toneladas. Segundo Saifi, hoje existem 200 plantas frigoríficas no país adaptadas para esse tipo de abate.

Além do mercado árabe, o Brasil já abastece também a Europa, onde a comunidade islâmica é grande, além de ter turistas muçulmanos que frequentam o continente e onde há muitos restaurantes especializados em comida halal. “Logo que o acordo do Mercosul com a Europa vingar, apesar de ter a questão das cotas, e quando o Brasil tiver acesso a esse mercado, a carne halal será mais um bônus para o país”, diz Saifi.

Kosher

Kosher quer dizer “legítimo” e aplica-se no caso de alimentos que respeitam a determinação da lei judaica. No caso do abate, o animal recebe um corte profundo e uniforme na garganta, usando-se uma faca afiada. Depois disso, os animais passam por uma inspeção de seus órgãos internos. A carne, então, deve passar por um processo de salga antes da desossa. As peças são retiradas sempre da parte dianteira do boi, mas podem ser incluídos o contra-filé e o filé mignon, que são da região lombar. Pela lei judaica, não se pode consumir o nervo ciático do bovino, que cobre toda a região traseira do animal. A dificuldade para retirá-lo na prática inviabiliza o uso dessa parte do boi.

Halal

Halal significa "lícito" e tem a ver com as regras estabelecidas pela sharia, a lei islâmica. Os produtos halal não devem ter vestígio de itens proibidos aos muçulmanos, como a carne suína ou seus derivados, além do álcool. No caso do abate, o animal precisa ser degolado por um muçulmano, que diz em árabe, voltando-se para Meca, “em nome de Deus, Deus é maior!” antes de fazer um corte em formato de meia lua no pescoço animal. Em um só golpe ele precisa cortar a veia jugular e a traqueia do bicho. Para isso, a faca precisa estar bem afiada.
(Gazeta do Povo) (João Rodrigo Maroni)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 23/09
Afinal, comer ovo faz bem ou faz mal à saúde? Confira o que diz a Ciência (08:12)
Frango Vivo: Paraná tem alta de 0,66%; Santa Catarina registra queda de 1,58% (08:07)
Suíno Vivo: PR, SC e SP registram alta na sexta-feira (08:06)
Milho encerra a 6ªfeira com leves quedas em Chicago (08:03)
Soja em Chicago reflete insegurança do mercado em relação ao acordo China X EUA (08:00)
Sexta-Feira, 20/09
Grupo Mantiqueira aposta em iniciativas para aproximar clientes (13:59)
Carne suína: EUA embarcam 5,9 mil t para a China na semana (10:04)
Campos dos Goytacazes (RJ) estimula a produção de ovos de galinhas caipiras (10:03)
China libera mais plantas argentinas para exportações de carne (10:02)
Uberaba (MG) estimula criadores a aderirem ao Selo de Frango Caipira (10:01)
Frango: com baixa procura, cotações da carne recuam (09:43)
Evonik marcou presença no ISEP 2019 (09:35)
BRF capta US$ 750 milhões em títulos no exterior (08:30)
Crédito rural a juros livres ganha cada vez mais competitividade (08:13)
Boi: mercado sobe em Mato Grosso do Sul (08:08)
Cotações do milho registraram poucas movimentações nesta quinta-feira em Chicago (08:02)
Soja: disponível sobe mais de 1% nos portos do BR nesta 5ª com altas do dólar e Chicago (08:00)
Quinta-Feira, 19/09
Ministra busca investimentos nos Emirados Árabes para melhorar logística para agro no Brasil (13:40)
Suínos: produção se intensifica no segundo trimestre (10:11)
Boi: indicador sobe e atinge recorde nominal na série do CEPEA (10:10)
Novus reconhece empresas sustentáveis no Jantar do Galo em Minas Gerais (09:53)
Ministra pede reabilitação de frigoríficos de frango (08:45)
Entenda como a reforma tributária pode afetar o produtor rural (08:44)
Aurora divulga nota de esclarecimento sobre instalações industriais de Xaxim (SC) (08:43)
PIB do agronegócio cresce 0,53% no primeiro semestre (08:26)
Frango Vivo: cotações ficam estáveis nesta quarta-feira (08:24)
Suíno Vivo: Minas Gerais tem alta de 4,29% (08:22)
Alta no preço do boi gordo em São Paulo (08:11)
Soja ainda mantém cautela em Chicago e nesta 5ª espera números de exportações dos EUA (08:07)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira em alta (08:00)
Quarta-Feira, 18/09
32ª Reunião CBNA: Inscrição de trabalhos científicos até 26 de setembro (12:51)
Milho: Mercado futuro opera com ligeiras perdas na manhã desta 4ª feira na CBOT (10:18)
Soja trabalha estável em Chicago nesta 4ª feira e espera notícias para definir direção (10:17)
Plantio de milho 2019/20 do Paraná atinge 24% da área, diz Deral; soja segue zerada (10:04)
ASGAV e SIPS entregam report de participação no SIAVS 2019 (09:56)
Venda de carne de frango tem queda em Santa Catarina (09:38)
Primeiro evento da Aviagen na Colômbia sinaliza expansão e sucesso na América Latina (08:47)
Trabalhos científicos serão recebidos pela APA para o Congresso de Ovos até o dia 13/12/2019 (08:29)
Arábia Saudita abre mercado para frutas e derivados de ovos do Brasil (08:24)
Frango Vivo: cotações registram estabilidade (08:17)
Suíno Vivo: Minas Gerais tem alta de 3,56% (08:16)
Preço do boi gordo sobe no Norte de Minas Gerais (08:13)
Milho: Bolsa de Chicago cai até 1,60% nesta terça-feira (08:05)
Negócios com a soja travam no Brasil (08:00)
Terça-Feira, 17/09
Valor Bruto da Produção Agropecuária deve atingir R$ 601,9 bi em 2019, segundo maior em 30 anos (13:31)
Ovo: fonte de selênio (13:00)
Equipe econômica volta a debater Refis de R$ 11 bi no Funrural (09:30)
Aviagen destaca o compromisso com o mercado avícola latino-americano no SIAVS 2019 (08:58)
Rebanho suíno da China diminuiu 38% em agosto (08:38)
Biomin, Sanphar e Romer Labs participam, juntas, do XXVI Congresso Latino-Americano de Avicultura, em Lima (Peru) (08:16)
Frango Vivo: Santa Catarina tem alta de 5,96% nesta segunda (08:10)
Suíno Vivo: MG, SC e SP registram alta (08:09)
Coreia do Sul detecta primeiro surto de peste suína africana, diz ministério (08:08)
Mercado do boi inicia segunda quinzena com preços firmes (08:07)
Milho sobe 1,63% na Bolsa de Chicago (08:00)
Soja: Mercado fecha estável em Chicago, mas sobe mais de 1% no interior do Brasil (07:45)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (06:54)
Santa Catarina alcança faturamento de US$ 2 bilhões com exportação de carnes em 2019 (06:53)
Arábia Saudita busca forragem para ração do Brasil (06:52)