Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Exportação

Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China
São Paulo e Brasília, 10 de Setembro de 2019 -

Após meses de espera, a China autorizou ontem que mais frigoríficos brasileiros exportem carnes ao país asiático, o que poderá agregar US$ 1 bilhão às indústrias, especialmente as de carne bovina. Ao todo, Pequim habilitou 25 abatedouros, sendo 17 de bovinos, seis de aves, um de suínos e outro de jumento.

Com isso, o número de frigoríficos de bovinos habilitados mais que dobrou, de 15 para 32. No caso das unidades de carne de frango, o número de habilitações chegou a 43, ao passo que 11 unidades poderão vender carne suína aos chineses.

Dos 25 novos frigoríficos habilitados, seis pertencem a empresas com ações listadas na B3. BRF, Marfrig Global Foods e Minerva Foods tiveram, cada uma, duas unidades aprovadas por Pequim. No caso da BRF, a China autorizou as exportações de carne suína e de carne de frango produzidas na unidade de Lucas do Rio Verde (MT). Para a Marfrig, Pequim habilitou os frigoríficos de bovinos de Tangará da Serra (MT) e Várzea Grande (MT). A Minerva recebeu autorização para exportar carne bovina partir de Rolim de Moura (RO) e Palmeiras de Goiás (GO).

As habilitações chinesas tendem a aumentar a participação - e a dependência - do país asiático nas exportações dos frigoríficos brasileiros. A China já é o principal destino das embarques. Entre janeiro e julho, as exportações de carne bovina, suína e de frango ao país renderam US$ 1,7 bilhão, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura. Para todos os mercados, as exportações de carnes totalizaram US$ 8,6 bilhões no período.

No mercado, a avaliação é que o ritmo das vendas à China deve acelerar não apenas em razão das novas habitações, mas sobretudo porque o país asiático precisará de mais carne devido ao surto de peste suína africana que atingiu seu plantel. Os chineses consomem em torno de 50% da carne suína do planeta.

Diante dessa oportunidade, não é de se estranhar o grau de ansiedade - e até mesmo de animosidade - dos donos de frigoríficos com a demora de Pequim em autorizar mais unidades a exportar. No início de maio, a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) chegou a criticar o Ministério da Agricultura pelo que considerava ser um suposto privilégio a grandes frigoríficos.

À época, as autoridades consideram a possibilidade de priorizar a habilitação de plantas que já contassem com a aprovação da União Europeia - o bloco é considerado um dos mais rigorosos em matéria sanitária -, o que limitaria o espaço dos frigoríficos pequenos e médios.

A proposta, porém, não prosperou. Além disso, a lista de frigoríficos divulgada ontem por Pequim veio na contramão da preocupação inicial. A China habilitou diversos frigoríficos pequenos e médios e deixou de fora a JBS, dona da Friboi (principal produtora de carne bovina do Brasil) e da Seara (segunda maior produtora de aves e suínos do país), o que contribuiu para derrubar o preço das ações do grupo na B3 (ver Ações de Marfrig e Minerva sobem).

Ao ampliar o leque de fornecedores, Pequim dá uma indicação de que quer mais competição. "O chinês é feroz e vai jogar o preço para baixo", avaliou um executivo do setor. Em outras palavras, os maiores frigoríficos podem até continuar dominando o mercado, mas a definição dos preços não será tão fácil.

No governo, as novas habilitações foram comemoradas e vistas com surpresa, uma vez que muitos apostavam que o anúncio só ocorreria em outubro, durante visita da presidente Jair Bolsonaro ao país asiático.

Ao Valor, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, destacou o sistema de inspeção online adotado pela primeira vez pelo Brasil. Na semana passada, frigoríficos de bovinos foram inspecionados por meio de teleconferências na qual técnicos chineses acompanharam de Pequim as auditorias feitas por fiscais do Ministério da Agricultura dentro das linhas de produção. "Estávamos trabalhando desde maio. Bom que as autorizações vieram logo depois das auditorias", disse ela.

A experiência deixou a ministra otimista. De acordo com ela, novas habilitações podem ocorrer em breve por meio do sistema de teleconferência. "A gente tinha pedido 30 plantas. Avaliaram 25, mas devem analisar mais nove", disse, ponderando que a qualidade do sinal das transmissões precisará melhorar para as próximas auditorias.

Mas também há lições a serem tiradas da tortuosa trajetória para a habilitação dos frigoríficos, ressaltou um técnico do Ministério da Agricultura. Do universo total de 78 plantas que chegaram a reivindicar acesso ao mercado chinês, muitas responderam os formulários enviados por Pequim de forma inadequada. Problemas graves de tradução também foram detectados. Em alguns casos, companhias informaram erroneamente a capacidade de abate, lembrou a mesma fonte. (Colaborou Fernando Lopes, de São Paulo)



(valor) (Luiz Henrique Mendes e Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 21/11
Milho se valoriza em Chicago suportado por vendas técnicas nesta 5ª feira (13:28)
Soja mantém estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (13:26)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte atingem o maior valor do ano em R$/kg vivo em outubro (11:26)
Suínos: poder de compra do suinocultor registra 3º mês consecutivo de alta (10:58)
Boi: na parcial do mês, alta do indicador chega a 19% (10:57)
Kemin debate estratégia de nutrição para dias quentes (09:49)
Ceva participa de curso internacional da Facta sobre matrizes (08:27)
Cenário é favorável para o campo, diz IPEA (08:17)
Ministra conversa com secretário americano sobre importação de carne brasileira (08:15)
Exportação de frango de SC teve o pior mês do ano em outubro (08:12)
Pecuária do MS crescerá 4,8% este ano com impulso da venda de carnes à China (08:09)
Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2019 é atualizado para R$ 609,5 bilhões (08:06)
Frango: cotações para ave congelada e resfriada continuam subindo (08:05)
Suínos: cotações aquecidas por aumento de consumo, exportação e alta da carne bovina (08:04)
Milho: disputa comercial e pressão da colheita mantêm quedas em Chicago (08:03)
Soja fecha em baixa com pressão China x EUA (08:00)
Nem mesmo o feriado segura a alta do boi gordo; em São Paulo bate nos R$ 230/@ (07:50)
Quarta-Feira, 20/11
Terça-Feira, 19/11
Milho segue subindo em Chicago nesta terça-feira (13:44)
Soja segue em alta na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (13:30)
Governo prorroga por dois anos contratos temporários de médicos-veterinários do Mapa (11:43)
Anec vê um recorde maior para as exportações de milho do país (11:34)
Mineira Pif Paf compra Fricasa, empresa catarinense de carne suína (11:30)
Evonik investe em capacitação visando excelência na dosagem de aminoácidos (11:17)
O futuro dos antibióticos depende de todos nós (10:44)
Copagril renova certificação internacional de qualidade e segurança de alimentos (10:41)
Frango: alta de 2% no preço do quilo da ave no atacado em São Paulo (08:14)
Cotação do boi gordo está em patamares recordes (08:12)
Suíno: primeira quinzena com mercado valorizado e exportações aquecidas (08:06)
PIB-Agro: pecuária mantém em alta PIB do agronegócio em agosto (08:05)
Valor da produção pecuária do Brasil crescerá 7% com impulso da China, diz CNA (08:04)
Mercado Futuro do boi teve mais um dia de paralisação dos negócios por limite de alta (08:00)
Milho fecha a 2ªfeira em queda influenciada por clima bom no Brasil e incertezas comerciais (07:50)
Soja renova mínimas em Chicago e tem menor preço em 7 semanas nesta 2ª feira (07:45)
Segunda-Feira, 18/11
JBS lança selo de Bem-Estar Animal (16:10)
CNA prevê aumento de 7,2% no valor bruto da Produção Pecuária em 2019 (12:49)
Demanda interna e exportações dão sustentação ao preço do suíno (12:48)
Milho: semana começa com estabilidade para as cotações em Chicago (10:07)
Milho: demanda aquecida segue elevando preços no SPOT (10:06)
Soja: preço no porto fecha acima de R$ 90/sc (10:05)
Soja inicia semana com leves altas em Chicago (08:30)
Cursos FACTA sobre incubação e matrizes reúnem pesquisadores, profissionais do mercado e governo para discutir setor (08:15)
Soja: 6ª feira tem leves variações na Bolsa de Chicago (08:00)
C.Vale faz fusão e arrenda abatedouro da Averama (07:53)
Nunca a demanda por milho do Brasil cresceu tanto, diz SLC Agrícola (07:52)
_EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China (07:51)
Brasil vê pouco impacto em reabertura da China ao frango dos EUA (07:50)
Preço da arroba do boi se aproxima de R$200 e tem novo recorde, aponta indicador Esalq/B3 (07:49)
Sexta-Feira, 15/11