Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019
Exportação

Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China
São Paulo e Brasília, 10 de Setembro de 2019 -

Após meses de espera, a China autorizou ontem que mais frigoríficos brasileiros exportem carnes ao país asiático, o que poderá agregar US$ 1 bilhão às indústrias, especialmente as de carne bovina. Ao todo, Pequim habilitou 25 abatedouros, sendo 17 de bovinos, seis de aves, um de suínos e outro de jumento.

Com isso, o número de frigoríficos de bovinos habilitados mais que dobrou, de 15 para 32. No caso das unidades de carne de frango, o número de habilitações chegou a 43, ao passo que 11 unidades poderão vender carne suína aos chineses.

Dos 25 novos frigoríficos habilitados, seis pertencem a empresas com ações listadas na B3. BRF, Marfrig Global Foods e Minerva Foods tiveram, cada uma, duas unidades aprovadas por Pequim. No caso da BRF, a China autorizou as exportações de carne suína e de carne de frango produzidas na unidade de Lucas do Rio Verde (MT). Para a Marfrig, Pequim habilitou os frigoríficos de bovinos de Tangará da Serra (MT) e Várzea Grande (MT). A Minerva recebeu autorização para exportar carne bovina partir de Rolim de Moura (RO) e Palmeiras de Goiás (GO).

As habilitações chinesas tendem a aumentar a participação - e a dependência - do país asiático nas exportações dos frigoríficos brasileiros. A China já é o principal destino das embarques. Entre janeiro e julho, as exportações de carne bovina, suína e de frango ao país renderam US$ 1,7 bilhão, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura. Para todos os mercados, as exportações de carnes totalizaram US$ 8,6 bilhões no período.

No mercado, a avaliação é que o ritmo das vendas à China deve acelerar não apenas em razão das novas habitações, mas sobretudo porque o país asiático precisará de mais carne devido ao surto de peste suína africana que atingiu seu plantel. Os chineses consomem em torno de 50% da carne suína do planeta.

Diante dessa oportunidade, não é de se estranhar o grau de ansiedade - e até mesmo de animosidade - dos donos de frigoríficos com a demora de Pequim em autorizar mais unidades a exportar. No início de maio, a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) chegou a criticar o Ministério da Agricultura pelo que considerava ser um suposto privilégio a grandes frigoríficos.

À época, as autoridades consideram a possibilidade de priorizar a habilitação de plantas que já contassem com a aprovação da União Europeia - o bloco é considerado um dos mais rigorosos em matéria sanitária -, o que limitaria o espaço dos frigoríficos pequenos e médios.

A proposta, porém, não prosperou. Além disso, a lista de frigoríficos divulgada ontem por Pequim veio na contramão da preocupação inicial. A China habilitou diversos frigoríficos pequenos e médios e deixou de fora a JBS, dona da Friboi (principal produtora de carne bovina do Brasil) e da Seara (segunda maior produtora de aves e suínos do país), o que contribuiu para derrubar o preço das ações do grupo na B3 (ver Ações de Marfrig e Minerva sobem).

Ao ampliar o leque de fornecedores, Pequim dá uma indicação de que quer mais competição. "O chinês é feroz e vai jogar o preço para baixo", avaliou um executivo do setor. Em outras palavras, os maiores frigoríficos podem até continuar dominando o mercado, mas a definição dos preços não será tão fácil.

No governo, as novas habilitações foram comemoradas e vistas com surpresa, uma vez que muitos apostavam que o anúncio só ocorreria em outubro, durante visita da presidente Jair Bolsonaro ao país asiático.

Ao Valor, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, destacou o sistema de inspeção online adotado pela primeira vez pelo Brasil. Na semana passada, frigoríficos de bovinos foram inspecionados por meio de teleconferências na qual técnicos chineses acompanharam de Pequim as auditorias feitas por fiscais do Ministério da Agricultura dentro das linhas de produção. "Estávamos trabalhando desde maio. Bom que as autorizações vieram logo depois das auditorias", disse ela.

A experiência deixou a ministra otimista. De acordo com ela, novas habilitações podem ocorrer em breve por meio do sistema de teleconferência. "A gente tinha pedido 30 plantas. Avaliaram 25, mas devem analisar mais nove", disse, ponderando que a qualidade do sinal das transmissões precisará melhorar para as próximas auditorias.

Mas também há lições a serem tiradas da tortuosa trajetória para a habilitação dos frigoríficos, ressaltou um técnico do Ministério da Agricultura. Do universo total de 78 plantas que chegaram a reivindicar acesso ao mercado chinês, muitas responderam os formulários enviados por Pequim de forma inadequada. Problemas graves de tradução também foram detectados. Em alguns casos, companhias informaram erroneamente a capacidade de abate, lembrou a mesma fonte. (Colaborou Fernando Lopes, de São Paulo)



(valor) (Luiz Henrique Mendes e Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 19/09
Quarta-Feira, 18/09
32ª Reunião CBNA: Inscrição de trabalhos científicos até 26 de setembro (12:51)
Milho: Mercado futuro opera com ligeiras perdas na manhã desta 4ª feira na CBOT (10:18)
Soja trabalha estável em Chicago nesta 4ª feira e espera notícias para definir direção (10:17)
Plantio de milho 2019/20 do Paraná atinge 24% da área, diz Deral; soja segue zerada (10:04)
ASGAV e SIPS entregam report de participação no SIAVS 2019 (09:56)
Venda de carne de frango tem queda em Santa Catarina (09:38)
Primeiro evento da Aviagen na Colômbia sinaliza expansão e sucesso na América Latina (08:47)
Trabalhos científicos serão recebidos pela APA para o Congresso de Ovos até o dia 13/12/2019 (08:29)
Arábia Saudita abre mercado para frutas e derivados de ovos do Brasil (08:24)
Frango Vivo: cotações registram estabilidade (08:17)
Suíno Vivo: Minas Gerais tem alta de 3,56% (08:16)
Preço do boi gordo sobe no Norte de Minas Gerais (08:13)
Milho: Bolsa de Chicago cai até 1,60% nesta terça-feira (08:05)
Negócios com a soja travam no Brasil (08:00)
Terça-Feira, 17/09
Valor Bruto da Produção Agropecuária deve atingir R$ 601,9 bi em 2019, segundo maior em 30 anos (13:31)
Ovo: fonte de selênio (13:00)
Equipe econômica volta a debater Refis de R$ 11 bi no Funrural (09:30)
Aviagen destaca o compromisso com o mercado avícola latino-americano no SIAVS 2019 (08:58)
Rebanho suíno da China diminuiu 38% em agosto (08:38)
Biomin, Sanphar e Romer Labs participam, juntas, do XXVI Congresso Latino-Americano de Avicultura, em Lima (Peru) (08:16)
Frango Vivo: Santa Catarina tem alta de 5,96% nesta segunda (08:10)
Suíno Vivo: MG, SC e SP registram alta (08:09)
Coreia do Sul detecta primeiro surto de peste suína africana, diz ministério (08:08)
Mercado do boi inicia segunda quinzena com preços firmes (08:07)
Milho sobe 1,63% na Bolsa de Chicago (08:00)
Soja: Mercado fecha estável em Chicago, mas sobe mais de 1% no interior do Brasil (07:45)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (06:54)
Santa Catarina alcança faturamento de US$ 2 bilhões com exportação de carnes em 2019 (06:53)
Arábia Saudita busca forragem para ração do Brasil (06:52)
Segunda-Feira, 16/09
Abate de aves registra alta no RS (15:04)
Vetanco destaca importância de sua participação no Siavs (13:24)
Luciano Mecchi é o novo gerente da equipe Safeeds (13:22)
Milho: demanda eleva indicador, mas preços recuam no centro-oeste (13:10)
Soja: preço recua no Brasil, mas queda é limitada por alta externa (13:09)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (12:26)
A importância da nutrição precoce no desempenho e na saúde de frangos de corte e a relevância do plasma spray dried nesse contexto (10:11)
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,90% (06:25)
Os preços do boi gordo e da novilha subiram em São Paulo (06:23)
Sexta-feira acaba com estabilidade, mas milho sobe mais de 3% na semana em Chicago (06:18)
Soja: mercado brasileiro terminou a semana com queda de mais de 20% nos prêmios (06:00)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)