Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Política Agrícola

Ruralistas tentam emplacar venda de terra a estrangeiro
Brasília, 10 de Setembro de 2019 -

A bancada ruralista intensificou as articulações para dar novo impulso a uma proposta que provoca divisões no próprio setor do agronegócio: a regulamentação da venda de terras para estrangeiros. A iniciativa consta de um projeto de lei apresentado em maio pelo senador Irajá Abreu (PSD-TO), que nas últimas semanas realizou um périplo na Esplanada dos Ministérios e no Palácio do Planalto para reduzir as históricas resistências de militares e outros setores do governo.

Embora a equipe econômica tenha uma orientação liberal, na campanha eleitoral o próprio presidente Jair Bolsonaro disse ser contrário à venda de terras para estrangeiros. Suas críticas se dirigiam principalmente à China. Agora, no entanto, entidades do segmento agropecuário estimam que a abertura desse mercado possa gerar investimentos de R$ 50 bilhões por ano.

"Esse projeto pode ajudar a agropecuária brasileira sem deixar janelas para que se tenha a invasão de fundos soberanos de outros países ou concentração de terras", disse ao Valor a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que sempre apoiou a compra de terras por empresas estrangeiras. "Tem gente que ainda não quer, mas o PL [projeto de lei] é conservador e traz limites para a compra de terras. Agora vamos trabalhar para vencer as resistências que o GSI [Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República] nos levantou", acrescentou.

Em estágio inicial de tramitação, o projeto está na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE). Após a votação do parecer do relator, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a proposta seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da casa em regime terminativo. Ou seja, se aprovada e não houver apresentação de recurso, seguirá diretamente para a Câmara dos Deputados, sem passar pelo plenário do Senado.

Caso seja aprovado pela Câmara, o texto será então enviado para sanção presidencial. Segundo o Valor apurou, até agora a liderança do governo no Senado ainda não foi orientada pelo Palácio do Planalto sobre o tema.

O senador Irajá Abreu, integrante da bancada do agronegócio, esteve recentemente com os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Infraestrutura, Tarcísio Freitas. Reuniu-se também com governadores e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Também apresentou a ideia ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e ao senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filhos do presidente da República.

Na semana passada, foi levado pela ministra da Agricultura para uma audiência com o ministro do GSI, Augusto Heleno. "A reunião foi proveitosa e o objetivo foi atingido: discutir o tema e nivelar conhecimento. Isso ajudará a tramitação do projeto no Parlamento", informou a pasta por meio de sua assessoria de imprensa.

Na reunião, o senador detalhou as "travas" que incluiu no texto com o objetivo de limitar a posse e a concentração de terras por empresas estrangeiras, proteger o bioma amazônico e a faixa de fronteira, além de restringir a atuação de fundos soberanos estrangeiros que tenham mais de 10% de participação acionária em empresas brasileiras. Em todos esses casos, será necessária uma aprovação do Conselho de Defesa Nacional.

De acordo com o texto, estrangeiros não podem possuir áreas rurais que ultrapassem 25% do território total de um município. E pessoas da mesma nacionalidade não poderão adquirir mais do que 10% da área rural do município.

"Há um interesse econômico grande no assunto por conta do momento de crise, e sentimos um ambiente governamental e político favorável ao projeto. Para comprar terra no Brasil o estrangeiro terá que abrir empresa aqui, gerar empregos aqui e cumprir nossas leis trabalhistas", destaca Irajá Abreu. "Essas travas são para não promover concorrência desleal com os produtores brasileiros", complementou o senador.

Apesar da mobilização política, o tema ainda enfrenta obstáculos até dentro do próprio setor de agronegócios. Grandes empresas ou produtores de grãos, como o ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi, são contra. Eles defendem limites para propriedades com cultivo de soja e milho, por exemplo, e temem o aumento do preço da terra, um impeditivo à expansão de seus negócios. Já pequenos produtores veem uma oportunidade para a valorização de suas propriedades e um potencial aumento de liquidez desses ativos.

Além do setor florestal em especial, que vislumbra grande aporte de fundos estrangeiros para investimento em áreas no Brasil, os bancos também são grandes defensores do projeto. As instituições financeiras estrangeiras reivindicam executar terras de produtores em caso de inadimplência de crédito rural, o que é vedado hoje pela legislação brasileira.

Em 2010, um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) praticamente inviabilizou a compra e o arrendamento de terras por estrangeiros no país. Mas desde 2015 os ruralistas intensificaram as articulações para destravar o tema no Congresso, mas resistências sobretudo do Ministério da Defesa travaram o andamento de projetos anteriores. O tema foi retomado agora por Irajá, filho da ex-ministra da Agricultura e também senadora, Kátia Abreu (PDT-TO).

Para o deputado Alceu Moreira (MDB-RS), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), é preciso fazer um trabalho "muito benfeito" de convencimento dentro do próprio setor e junto ao Executivo para vencer possíveis resistências. "Esse PL com algumas emendas é um belo instrumento para regulamentarmos a compra de terras de tal maneira que o capital estrangeiro não seja só dono de terras", afirmou. "Se estrangeiro pode comprar hospital e montar fábrica no Brasil, por que o setor do agronegócio não? Não pode ter preconceito."

(Valor) (Cristiano Zaia e Fernando Exman)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 21/11
Milho se valoriza em Chicago suportado por vendas técnicas nesta 5ª feira (13:28)
Soja mantém estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (13:26)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte atingem o maior valor do ano em R$/kg vivo em outubro (11:26)
Suínos: poder de compra do suinocultor registra 3º mês consecutivo de alta (10:58)
Boi: na parcial do mês, alta do indicador chega a 19% (10:57)
Kemin debate estratégia de nutrição para dias quentes (09:49)
Ceva participa de curso internacional da Facta sobre matrizes (08:27)
Cenário é favorável para o campo, diz IPEA (08:17)
Ministra conversa com secretário americano sobre importação de carne brasileira (08:15)
Exportação de frango de SC teve o pior mês do ano em outubro (08:12)
Pecuária do MS crescerá 4,8% este ano com impulso da venda de carnes à China (08:09)
Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2019 é atualizado para R$ 609,5 bilhões (08:06)
Frango: cotações para ave congelada e resfriada continuam subindo (08:05)
Suínos: cotações aquecidas por aumento de consumo, exportação e alta da carne bovina (08:04)
Milho: disputa comercial e pressão da colheita mantêm quedas em Chicago (08:03)
Soja fecha em baixa com pressão China x EUA (08:00)
Nem mesmo o feriado segura a alta do boi gordo; em São Paulo bate nos R$ 230/@ (07:50)
Quarta-Feira, 20/11
Terça-Feira, 19/11
Milho segue subindo em Chicago nesta terça-feira (13:44)
Soja segue em alta na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (13:30)
Governo prorroga por dois anos contratos temporários de médicos-veterinários do Mapa (11:43)
Anec vê um recorde maior para as exportações de milho do país (11:34)
Mineira Pif Paf compra Fricasa, empresa catarinense de carne suína (11:30)
Evonik investe em capacitação visando excelência na dosagem de aminoácidos (11:17)
O futuro dos antibióticos depende de todos nós (10:44)
Copagril renova certificação internacional de qualidade e segurança de alimentos (10:41)
Frango: alta de 2% no preço do quilo da ave no atacado em São Paulo (08:14)
Cotação do boi gordo está em patamares recordes (08:12)
Suíno: primeira quinzena com mercado valorizado e exportações aquecidas (08:06)
PIB-Agro: pecuária mantém em alta PIB do agronegócio em agosto (08:05)
Valor da produção pecuária do Brasil crescerá 7% com impulso da China, diz CNA (08:04)
Mercado Futuro do boi teve mais um dia de paralisação dos negócios por limite de alta (08:00)
Milho fecha a 2ªfeira em queda influenciada por clima bom no Brasil e incertezas comerciais (07:50)
Soja renova mínimas em Chicago e tem menor preço em 7 semanas nesta 2ª feira (07:45)
Segunda-Feira, 18/11
JBS lança selo de Bem-Estar Animal (16:10)
CNA prevê aumento de 7,2% no valor bruto da Produção Pecuária em 2019 (12:49)
Demanda interna e exportações dão sustentação ao preço do suíno (12:48)
Milho: semana começa com estabilidade para as cotações em Chicago (10:07)
Milho: demanda aquecida segue elevando preços no SPOT (10:06)
Soja: preço no porto fecha acima de R$ 90/sc (10:05)
Soja inicia semana com leves altas em Chicago (08:30)
Cursos FACTA sobre incubação e matrizes reúnem pesquisadores, profissionais do mercado e governo para discutir setor (08:15)
Soja: 6ª feira tem leves variações na Bolsa de Chicago (08:00)
C.Vale faz fusão e arrenda abatedouro da Averama (07:53)
Nunca a demanda por milho do Brasil cresceu tanto, diz SLC Agrícola (07:52)
_EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China (07:51)
Brasil vê pouco impacto em reabertura da China ao frango dos EUA (07:50)
Preço da arroba do boi se aproxima de R$200 e tem novo recorde, aponta indicador Esalq/B3 (07:49)
Sexta-Feira, 15/11