Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019
Matérias-Primas

Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte
São Paulo, SP, 12 de Setembro de 2019 - O Brasil deverá suprir 45% do aumento das importações mundiais de soja e milho na próxima década, e quase 60% desse volume adicional sairá do país por portos da região Norte, sinaliza estudo recém-concluído pela consultoria Bain & Company.

No horizonte desenhado pela companhia, as importações globais desses grãos serão, no total, 135 milhões de toneladas maiores em 2028 do que foram em 2018, e o incremento das exportações brasileiras alcançará cerca de 40 milhões de toneladas.

Conforme o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), os embarques mundiais de milho atingiram 148,7 milhões de toneladas na safra 2017/18, ao passo que os de soja chegaram a 153 milhões.

No milho, o Brasil colaborou com 25,1 milhões de toneladas (16,9% do total) e foi o segundo maior exportador, atrás dos EUA, enquanto na soja foram 76,2 milhões (49,8%) e o país liderou o ranking, à frente dos americanos.

Se confirmado, o cenário previsto pela Bain & Company para as exportações brasileiras de ambos os grãos nos próximos dez anos não só ampliará essas participações como tornará mais equilibrada a logística de escoamento entre Norte/Nordeste e Sul/Sudeste.

A partir de investimentos bilionários realizados nos últimos anos por grandes multinacionais do agronegócio e empresas prestadoras de serviços, como a Hidrovias do Brasil, a capacidade conjunta de escoamento de grãos dos cinco dos principais portos do Arco Norte é hoje de 40,5 milhões de toneladas.

O maior porto incluído no estudo é Barcarena, no Pará, com capacidade para 16,5 milhões de toneladas, seguido por Itaqui, no Maranhão (13 milhões), Santarém, no Pará (5,5 milhões), Itacoatiara, no Amazonas (3,7 milhões), e Santana, no Amapá (1,8 milhão).

Luis Oliveira, sócio da Bain & Company, lembra que essa capacidade foi subutilizada em 2018. Segundo a consultoria, os embarques de soja e milho nesses cinco portos alcançaram 25,9 milhões de toneladas no ano passado e que, portanto, sem ampliações já é possível elevar o volume em 14,6 milhões de toneladas.

Mas, segundo ele, as perspectivas de crescimento da produção de grãos em Mato Grosso e no Pará, aliadas às melhorias na BR-163, motivarão novos investimentos - a capacidade conjunta dos cinco portos poderá chegar a 53 milhões de toneladas já em 2024 - e o volume adicional a ser escoado pelos cinco portos poderá crescer 10% ao ano e chegar a 23 milhões em 2028, quase o dobro que o total do ano passado.

Nas contas da Bain & Company, no Brasil a produção de soja e milho chegará a 293 milhões de toneladas na safra 2027/28, mais de 80 milhões acima de 2017/18, e em Mato Grosso e Pará o volume crescerá para 96 milhões (91 milhões no primeiro e 6 milhões no segundo). Em 2017/18, foram cerca de 61 milhões de toneladas em Mato Grosso e 3 milhões no Pará.

"Os portos do Arco Norte são competitivos, e das seis microrregiões produtoras de Mato Grosso, o corredor Norte, onde a produção de grãos é crescente, será muito beneficiada pela conclusão da pavimentação da BR-163, prevista para este ano", afirma Oliveira.

"Para se ter uma ideia", diz ele, "em 2013 os portos do Arco Norte escoaram 17% das exportações de Mato Grosso, percentual que subiu para 43% em 2018 e vai continuar crescendo". Mato Grosso é o maior Estado produtor de soja e milho do Brasil.

Conforme o sócio da Bain & Company, da metade de Mato Grosso para cima, com o desenvolvimento da infraestrutura logística dos últimos anos, o frete para o escoamento de grãos já está entre R$ 60 e R$ 110 por tonelada menor pelo Norte do que pelos principais porto do Sul, o que justifica a migração de cargas.

"Trata-se de um equilíbrio bom para o país. Mas é bom destacar que essa tendência de crescimento da produção no norte de Mato Grosso e no Pará deve ser sustentável, com consciência".

Nesse contexto, diz Oliveira, o avanço das exportações de soja e milho pelo eixo Sul deverá ser menor até 2028. Segundo a consultoria, os embarques pelos portos de Santos (SP), Paranaguá (PR) e Vitória (ES) deverão somar 80 milhões de toneladas em 2027/28, ante 68 milhões em 2017/18.

(Valor) (Fernando Lopes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 19/09
Quarta-Feira, 18/09
32ª Reunião CBNA: Inscrição de trabalhos científicos até 26 de setembro (12:51)
Milho: Mercado futuro opera com ligeiras perdas na manhã desta 4ª feira na CBOT (10:18)
Soja trabalha estável em Chicago nesta 4ª feira e espera notícias para definir direção (10:17)
Plantio de milho 2019/20 do Paraná atinge 24% da área, diz Deral; soja segue zerada (10:04)
ASGAV e SIPS entregam report de participação no SIAVS 2019 (09:56)
Venda de carne de frango tem queda em Santa Catarina (09:38)
Primeiro evento da Aviagen na Colômbia sinaliza expansão e sucesso na América Latina (08:47)
Trabalhos científicos serão recebidos pela APA para o Congresso de Ovos até o dia 13/12/2019 (08:29)
Arábia Saudita abre mercado para frutas e derivados de ovos do Brasil (08:24)
Frango Vivo: cotações registram estabilidade (08:17)
Suíno Vivo: Minas Gerais tem alta de 3,56% (08:16)
Preço do boi gordo sobe no Norte de Minas Gerais (08:13)
Milho: Bolsa de Chicago cai até 1,60% nesta terça-feira (08:05)
Negócios com a soja travam no Brasil (08:00)
Terça-Feira, 17/09
Valor Bruto da Produção Agropecuária deve atingir R$ 601,9 bi em 2019, segundo maior em 30 anos (13:31)
Ovo: fonte de selênio (13:00)
Equipe econômica volta a debater Refis de R$ 11 bi no Funrural (09:30)
Aviagen destaca o compromisso com o mercado avícola latino-americano no SIAVS 2019 (08:58)
Rebanho suíno da China diminuiu 38% em agosto (08:38)
Biomin, Sanphar e Romer Labs participam, juntas, do XXVI Congresso Latino-Americano de Avicultura, em Lima (Peru) (08:16)
Frango Vivo: Santa Catarina tem alta de 5,96% nesta segunda (08:10)
Suíno Vivo: MG, SC e SP registram alta (08:09)
Coreia do Sul detecta primeiro surto de peste suína africana, diz ministério (08:08)
Mercado do boi inicia segunda quinzena com preços firmes (08:07)
Milho sobe 1,63% na Bolsa de Chicago (08:00)
Soja: Mercado fecha estável em Chicago, mas sobe mais de 1% no interior do Brasil (07:45)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (06:54)
Santa Catarina alcança faturamento de US$ 2 bilhões com exportação de carnes em 2019 (06:53)
Arábia Saudita busca forragem para ração do Brasil (06:52)
Segunda-Feira, 16/09
Abate de aves registra alta no RS (15:04)
Vetanco destaca importância de sua participação no Siavs (13:24)
Luciano Mecchi é o novo gerente da equipe Safeeds (13:22)
Milho: demanda eleva indicador, mas preços recuam no centro-oeste (13:10)
Soja: preço recua no Brasil, mas queda é limitada por alta externa (13:09)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (12:26)
A importância da nutrição precoce no desempenho e na saúde de frangos de corte e a relevância do plasma spray dried nesse contexto (10:11)
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,90% (06:25)
Os preços do boi gordo e da novilha subiram em São Paulo (06:23)
Sexta-feira acaba com estabilidade, mas milho sobe mais de 3% na semana em Chicago (06:18)
Soja: mercado brasileiro terminou a semana com queda de mais de 20% nos prêmios (06:00)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)