Domingo, 20 de Outubro de 2019
Mercado

As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta
Porto Alegre (RS) , 16 de Setembro de 2019 - Bons tempos, aqueles!

Sua avó há de lembrar que, até os anos 60, a gente comprava o pão na padaria, leite e laticínios na leiteria, e produtos secos na mercearia. Legumes frescos, frutas, peixes, carnes ou aves eram coisa do mercado da praça, e só em dias especiais.

Era um sujeito só, entre a gente e o produtor, e ele tinha nome. Eram Seu Antônio, Seu Ernesto, Dona Dulce...

Nos bastidores desse comércio e bem antes disso, no finzinho do século 19, surgiam os primeiros atravessadores, organizando o transporte, achando outros fazendeiros, produtos e preços para aumentar a variedade em cada uma daquelas vendinhas. E assim, de mansinho, a distância entre produtor e consumidor foi crescendo.
Um belo dia e pufff!!!... morre o balconista. Era cada um por si, cliente versus pacote na gôndola. Nascia o supermercado.
O novo modelo foi um sucesso e simplesmente explodiu. O Reino Unido, por exemplo, precursor nessa onda, tinha 175 supermercados em 1958, e (pasmem) 1355 cinco anos depois, deixando Dulces, Ernestos e Antônios pelo caminho.
A moda começou por lá, mas pegou rápido aqui e no resto do planeta. Convenhamos, o negócio não teria êxito se não fosse prático e oferecesse produtos com preços melhores que os da vendinha.
Tomemos o caso do frango, por exemplo.
Até o fim da Segunda Guerra, o frango era raro e caro, desejo de aniversário, estrela de casamentos. Como pode ter virado refeição de domingo nos anos 60, e comida do dia-a-dia, a partir dos anos 80?
A galinha, criatura inocente, foi domesticada há 8 mil anos, e já estava pelo Mundo todo. Fácil de criar, saborosa, e com ovos de bônus, parecia um bom produto para se vender em escala. Melhor ficou quando inventaram um jeito de engordar seus filhotes mais rápido, a partir dos anos 50.
De início, o bicho foi rejeitado pelo “gosto de nada”, mas depois de ajustes na criação e muito marketing, passamos a engolir, literalmente, o frango industrializado. Deixara de ser aquele produto caro que nos esnobava na vendinha e brotou num pacote barato com etiqueta na testa, nas prateleiras dos anos 60.
Até aí, tudo bem, todos celebramos felizes e corremos juntos na direção do arco-íris.
Esse frango, criado assim há 50 anos, abatido com 40 dias em média, não é mais “produto nobre de restaurante”. Perdeu seu status.
Para ressuscitar o sabor da ave de outrora, chefs estrelados da Europa e dos Estados Unidos fazem pactos com fazendeiros e paparicam o bicho, que agora é abatido com mais de 100 dias e alimentado com sobras de legumes e verduras caríssimos dos seus restaurantes, disputando quem cria a ave mais saborosa, solta e feliz.
É o túnel do tempo, a volta do bicho no palco. E o preço? Caro.
Não há mágica; a questão é sempre escala. A criação intensiva, ração ou tipo de abate interferem no sabor do produto e trazem questões sérias sobre o tratamento dos animais, e não só.
Recentemente, descobriu-se que barcos pesqueiros tailandeses usavam mão de obra escrava para atender nossa demanda por atum, camarão e outros, a preços cada vez mais baixos.
Há duas semanas, outra publicação falava sobre uma região na Andaluzia considerada a horta orgânica da Europa, com área equivalente a 47 mil campos de futebol. Por baixo das estufas, mais denúncias de trabalho escravo.
Tratamos mal os bichos, tratamos mal a gente.
A verdade é que uma família média ocidental gastava 50% com alimentação antes de 1940. Hoje, não gasta nem 15%. Somos um Mundo com as dores do crescimento.
A escala é necessária para alimentar o planeta. Não há nada errado em dar ao consumidor um produto que quer, ao preço que pode pagar, mas a ética dos bastidores é a grande questão do futuro. Não se pode esticar a corda a ponto de não enxergarmos o outro lado, e se está destroçado.
A mesma Inglaterra que começou com a onda de supermercados lá atrás, também é precursora em redes que só compram marcas com certificações, como a que garante que um preço justo (fair trade) foi pago ao produtor, ou ainda que a marca não usa mão de obra escrava ou infantil.
E tudo começou com a dona de casa que queria frango todo dia.
Cuidado com o que deseja.
( Zero Hora) (Cristiana Beltrão)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 20/10
Sexta-Feira, 18/10
Evonik participa da Reunião Anual CBNA com palestras dirigidas (10:21)
Frango: maior procura eleva preços de cortes para churrasco (09:40)
Soja mantém leves altas nesta 6ª feira (08:47)
Tyson Foods proíbe o uso de ractopamina em ração para suínos (08:39)
Suíno Vivo: cotação em Minas Gerais tem alta de 2,94% (07:49)
Alta de preço para o boi e para a carne (07:48)
Boi: mercado futuro encerra mais uma sessão com valorizações no Brasil (07:45)
Milho sobe em Chicago nesta 5ª feira (07:43)
Soja fecha a 5ª feira com leves altas em Chicago (07:40)
Governo e setor produtivo discutem defesa sanitária na sede da ABPA (07:34)
Agricultura gaúcha propõe criação de quadros de fiscais e agentes fiscais agropecuários (06:40)
Cada vez mais, frango do Paraná chega à mesa dos chineses (06:38)
Deputado discute imposto de frigoríficos com Fazenda catarinense (06:36)
Agricultura aprova nova definição de agricultor familiar e empreendedor rural (06:35)
Quinta-Feira, 17/10
FACTA promove os cursos Internacional sobre incubação de ovos e Matrizes de Frango de Corte, em Recife (PE) (14:13)
10 Motivos para Participar do VI Workshop Sindiavipar (11:31)
AB Vista: OVUM em Lima foi o palco para o lançamento do Signis (11:27)
Instituto Ovos Brasil realiza ação em parceria com a Avipe e com o Clube Náutico Capibaribe (10:46)
Ação da ABPA & Apex-Brasil na ANUGA gera mais de US$ 110 milhões em exportações (10:04)
Secretaria de Agricultura comemora Dia do Ovo com degustação de variadas receitas e palestras no IZ (09:45)
Suínos: demanda segue firme e preço está em alta há seis semanas (09:43)
Boi: médias nominais do boi e da carne seguem em patamares recordes (09:42)
Certificadora halal brasileira é acreditada por países do Golfo (08:45)
Em 2019 PIB do agronegócio cresce 2%, estima consultoria (08:44)
Pecuária vai bem e gera mais renda pelo país neste ano (08:40)
Escândalo com salsicha contaminada na Europa (08:37)
Suíno Vivo: principais praças registram alta (08:31)
Valor da Produção Agropecuária de 2019 sobe para R$ 606,2 bilhões (08:15)
Balança comercial entre Brasil e países árabes (08:13)
Boi Gordo: mercado em alta na segunda quinzena de outubro (08:09)
Boi: vencimento outubro para 2020 atinge R$ 180,00/@ na Bolsa Brasileira (08:07)
Soja sobe em Chicago nesta 5ª feira (08:04)
Milho fecha quarta-feira com perdas em Chicago, pressionadas pelo avanço da colheita (08:00)
Quarta-Feira, 16/10
Secretaria de Agricultura e Abastecimento incentiva hábitos alimentares práticos e saudáveis (14:00)
Mês do Ovo: Padaria em Campinas recebe ação do Instituto Ovos Brasil na hora do almoço (13:28)
R$0,25 a mais no preço de lanche pode reduzir sofrimento de milhões de animais, diz ONG (12:38)
Luiz Felipe Caron palestra para equipe da Zanchetta Alimentos (11:48)
Produtores rurais poderão refinanciar dívidas com juros de 8% ao ano (11:48)
Sucesso resume a primeira edição do Workshop do Dia do Ovo (08:45)
Cargill nomeia Paulo Sousa para presidência da empresa no Brasil (08:39)
Soja marca novo dia de estabilidade nesta 4ª em Chicago (08:36)
Suíno Vivo: cotação tem alta em todas as praças do país (07:57)
Boi: Futuro encerra 3ª feira com ganhos (07:54)
PIB do agronegócio cresce 0,64% em 2019 (07:51)
Boi Gordo: escalas divergentes em São Paulo (07:50)
Preço da carne bovina sem osso sobe na semana (07:49)
Milho: terça-feira encerra mercado com quedas na Bolsa de Chicago (07:48)
Soja: preços sobem até 4% no interior do Brasil (07:46)
Mapa e OCB firmam acordo para promover intercâmbio e internacionalização de cooperativas (07:44)
Santa Catarina amplia as exportações de carne suína para a China (07:42)
Paraná suspende vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa (07:20)
Languiru quer exportar pés de galinha para o mercado asiático (07:18)
Produtores de milho dos EUA perdem terreno para Brasil e Ucrânia (07:17)
China condiciona compras agrícolas à redução de tarifas dos EUA (07:15)
C.VALE é premiada por excelência de gestão (07:13)
Terça-Feira, 15/10
Sistema de autocontrole do Mapa tem indústria de proteína animal entre suas prioridades (13:32)
Sanphar adquire laboratório mineiro de vacinas Ipeve (10:07)
Membros da ABPA são homenageados no OVUM 2019 (10:05)
Soja opera estável nesta 3ª em Chicago (08:09)
Suíno Vivo: principais praças do país registram altas (07:21)
SP registra valorização do boi gordo (07:11)
Carne Bovina: dados do MDIC reforçam possibilidade de exportações recordes em outubro (07:10)
VBP da agropecuária fica estável em 2019 (07:09)
Milho começa nova semana estável em Chicago (07:07)
Soja fecha com leves altas em Chicago nesta 2ª e mercado espera definições (07:06)
Tamanho da demanda chinesa vai definir rumo dos preços da soja em Chicago (07:00)
BRF tem 44 vagas de trainee com salário de R$ 6.500; inscrição vai até 3/11 (06:17)