Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
Matérias-Primas

Milho fecha quarta-feira com perdas em Chicago, pressionadas pelo avanço da colheita

Bolsa brasileira registra máximas do ano.
Campinas, SP, 17 de Outubro de 2019 - A quarta-feira chega ao final com leves desvalorizações para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram pequenas movimentações entre 0,50 e 1,50 pontos.

O vencimento dezembro/19 foi cotado à US$ 3,91 com desvalorização de 1,50 pontos, o março/20 valia US$ 4,03 com queda de 0,75 pontos, o maio/20 era negociado por US$ 4,09 com perda de 0,75 pontos e o julho/20 tinha valor de US$ 4,14 com baixa de 0,50 pontos.

Esses índices representaram perdas, com relação ao fechamento da última terça-feira, de 0,51% para dezembro/19, de 0,25% para o março/20 e de 0,24% para o maio/20, e 0,24% para o julho/20.

Segundo informações da Farm Futures, os preços do milho diminuíram ligeiramente na quarta-feira devido às vendas técnicas motivadas pela pressão da colheita, com os traders ignorando classificações de qualidade abaixo do esperado do USDA na terça-feira e uma grande venda reportada ao México nesta manhã.

“A colheita de milho americano está progredindo sob o céu limpo em grande parte do meio-oeste nesta semana, mesmo com a maturidade da colheita diminuindo após atrasos generalizados no plantio na primavera passada”, aponta Julie Ingwersen da Reuters Chicago.

Na última terça-feira (15), o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) disse que 22% da safra de milho foi colhida, atrás das expectativas do mercado.

Exportadores privados relataram ao USDA a venda de 9 milhões de bushels (228.600 toneladas) de milho ao México. Do total, 60% são para entrega durante a campanha de marketing de 2019/20, iniciada em 1º de setembro. O restante é para entrega em 2020/21.

B3

Ao contrário das movimentações internacionais, a bolsa brasileira registrou ganhos para as cotações do milho nesta quarta-feira. Os principais contratos contabilizaram altas de até 1,80%.

O vencimento novembro/19 era cotado à R$ 42,50 com alta de 1,80%, o janeiro/20 valia R$ 43,54 com ganho de 1,73% e o março/20 era negociado por R$ 43,50 com elevação de 1,75%.

Segundo o Analista da Agrinvest, Marcos Araújo, o milho atingiu suas máximas do ano de 2019 neste dia, impulsionado pelo índice ESALQ, o mercado físico em alta e o dólar em alta pela manhã, o que configura uma ótima oportunidade para o produtor buscar vendas da sua safrinha.

Araújo também indica que essa tendência de alta deve permanecer e o cereal deve atingir preços ainda maiores entre fevereiro e março de 2020.

“Para o médio e o longo prazos, é preciso considerar a previsão de um clima mais adverso para a safra 2019/20, ainda em fase inicial. Caso se confirme a previsão de atraso nas chuvas em algumas regiões do Brasil Central, a semeadura da primeira safra do cereal, de verão, poderá atrasar e ficar comprometida. Isso, certamente, estreitará a janela de plantio do milho 2ª safra, de inverno”, relata uma análise realizada pela Agroanalysis/FGV.

“Até o primeiro semestre de 2020, há bastante “água para correr”, e muitas mudanças conjunturais podem acontecer, principalmente em se tratando de clima e questões econômicas e políticas. Entretanto, diante das incertezas no Brasil e da briga comercial entre os Estados e a China, que têm mexido também com as economias pelo mundo, o agricultor e o pecuarista (consumidor de milho) precisam ficar atentos às oportunidades de mercado”, conclui a publicação.

Mercado interno

No mercado físico brasileiro, a terça-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram registradas desvalorizações.

Já as valorizações foram percebidas nas praças de Assis/SP (1,43% com preço de R$ 35,50), Tangará da Serra/MT (1,85% com preço de R$ 27,50), Campo Novo do Parecis/MT (1,92% e preço de R$ 26,50), Castro/PR (2,67% e preço de R$ 38,50), Ponta Grossa/PR (2,86% e preço de R$ 36,00) e Oeste da Bahia (3,13% e preço de R$ 33,00).

De acordo com o reporte diário da XP Investimentos, os preços do milho permanecem em ambiente firme. “De maneira geral, agentes seguem acompanhando os movimentos de Chicago e da taxa de câmbio para assumir posição no mercado local. Nos últimos dias, as altas favoreceram produtores e intermediários a pedir mais pelos estoques. Ainda assim, o fluxo de comercialização é baixo e o mercado se arrasta em níveis historicamente elevados”

Ainda nesta quarta-feira, a XP Investimentos apontou que “as preocupações dos participantes do mercado interno estão relacionadas com a falta de chuvas em boa parte das regiões produtoras. Isto pode gerar atrasos no plantio e altera o padrão de abastecimento”.
(Notícias Agrícolas) (Guilherme Dorigatti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 19/11
Milho segue subindo em Chicago nesta terça-feira (13:44)
Soja segue em alta na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (13:30)
Governo prorroga por dois anos contratos temporários de médicos-veterinários do Mapa (11:43)
Anec vê um recorde maior para as exportações de milho do país (11:34)
Mineira Pif Paf compra Fricasa, empresa catarinense de carne suína (11:30)
Evonik investe em capacitação visando excelência na dosagem de aminoácidos (11:17)
O futuro dos antibióticos depende de todos nós (10:44)
Copagril renova certificação internacional de qualidade e segurança de alimentos (10:41)
Frango: alta de 2% no preço do quilo da ave no atacado em São Paulo (08:14)
Cotação do boi gordo está em patamares recordes (08:12)
Suíno: primeira quinzena com mercado valorizado e exportações aquecidas (08:06)
PIB-Agro: pecuária mantém em alta PIB do agronegócio em agosto (08:05)
Valor da produção pecuária do Brasil crescerá 7% com impulso da China, diz CNA (08:04)
Mercado Futuro do boi teve mais um dia de paralisação dos negócios por limite de alta (08:00)
Milho fecha a 2ªfeira em queda influenciada por clima bom no Brasil e incertezas comerciais (07:50)
Soja renova mínimas em Chicago e tem menor preço em 7 semanas nesta 2ª feira (07:45)
Segunda-Feira, 18/11
JBS lança selo de Bem-Estar Animal (16:10)
CNA prevê aumento de 7,2% no valor bruto da Produção Pecuária em 2019 (12:49)
Demanda interna e exportações dão sustentação ao preço do suíno (12:48)
Milho: semana começa com estabilidade para as cotações em Chicago (10:07)
Milho: demanda aquecida segue elevando preços no SPOT (10:06)
Soja: preço no porto fecha acima de R$ 90/sc (10:05)
Soja inicia semana com leves altas em Chicago (08:30)
Cursos FACTA sobre incubação e matrizes reúnem pesquisadores, profissionais do mercado e governo para discutir setor (08:15)
Soja: 6ª feira tem leves variações na Bolsa de Chicago (08:00)
C.Vale faz fusão e arrenda abatedouro da Averama (07:53)
Nunca a demanda por milho do Brasil cresceu tanto, diz SLC Agrícola (07:52)
_EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China (07:51)
Brasil vê pouco impacto em reabertura da China ao frango dos EUA (07:50)
Preço da arroba do boi se aproxima de R$200 e tem novo recorde, aponta indicador Esalq/B3 (07:49)
Sexta-Feira, 15/11
Quinta-Feira, 14/11
Guerra comercial entre EUA e China pode beneficiar o Brasil, dizem especialistas (17:07)
Boi: arroba e carne no atacado atingem patamares recordes (12:17)
A empresa de 65.000 famílias que concorre com BRF e JBS (11:24)
China suspende proibição de importação de carne de aves dos EUA (10:43)
China habilita terceirizado da BRF (10:18)
Milho será fiel da balança para colheita recorde de grãos (10:03)
JBS tem lucro líquido no 3tri19 de R$ 356,7 milhões, revertendo prejuízo (09:45)
ABPA e Apex-Brasil promovem ação em evento de autoridades sanitárias da China (09:42)
China habilita terceirizado da BRF (09:18)
Milho será fiel da balança para colheita recorde de grãos (09:04)
Frango: com maior liquidez, preço da asa atinge recorde (08:30)
Suínos: valor do leitão é recorde nominal (08:20)
Soja tem 5ª feira de pouca movimentação na Bolsa de Chicago, buscando direção (08:10)
Milho perde força em Chicago e reverte ganhos (07:39)
Soja: demanda interna paga melhor que a exportação na safra velha (07:38)
Quarta-Feira, 13/11
Investindo na avicultura latino-americana, Vaccinar patrocina VI Workshop Sindiavipar e apresenta palestra sobre performance reprodutiva de galos (14:39)
BRF avalia aquisições na Turquia para aumentar produção local (11:39)
Soja: mercado em Chicago se mantém inerte nesta 4ª feira (09:22)
Conab prevê novo recorde para safra brasileira de grãos com 246 milhões de t (08:23)
Ministra defende uso de tecnologia na agropecuária brasileira para ampliar mercado. (08:18)
Resultados comprovados impulsionam as vendas da Oceana para premixeiras, cooperativas e fábricas de rações (08:05)
Frango: mercado atacado fecha terça-feira com alta de 3,81% (07:59)
Suínos: boas notícias para o setor aquecem cotações (07:57)
Com maior oferta e consumo em queda, preços da carne suína recuam na China (07:56)
USDA: colheita da soja e do milho ficam ligeiramente acima do esperado nos EUA (07:53)
Milho: preços sobem mais de 1% na B3 e mais de 3% no interior do Brasil nesta 3ª feira (07:51)
Soja precisa de notícias fortes sobre a demanda da China para se recuperar em Chicago e formar preços melhores no BR (07:49)
Novo leilão da CONAB oferta 50 mil toneladas de milho a criadores (07:07)