Domingo, 08 de Dezembro de 2019
Bem-estar Animal

Segundo ONG, R$ 0,25 pagos a mais em lanche seriam suficientes para proporcionar melhor nível de bem-estar aos frangos
Campinas, SP, 23 de Outubro de 2019 - Pesquisa "O preço do bem-estar", promovida pela organização não-governamental Proteção Animal Mundial, é a base para campanha voltada à conscientização dos consumidores.

“Você pagaria R$ 0,25 para acabar com a crueldade com os frangos?”. É com esta pergunta que a campanha lançada pela Proteção Animal Mundial, organização não-governamental com foco em bem-estar animal, quer mostrar ao consumidor como é economicamente viável proporcionar uma vida melhor aos frangos de produção antes de virarem alimento em redes de fast food no Brasil.

Segundo explica a coordenadora de bem-estar animal da Proteção Animal Mundial no Brasil, Paola Rueda, o objetivo do alerta é que o público seja conscientizado de que a sua mudança de comportamento pode influenciar no bem-estar de milhares de animais e saiba da sua capacidade de pressão, como consumidor, para que as redes de fast food se comprometam a exigir de seus fornecedores uma criação que leve em conta o bem-estar das aves.

A pesquisa, realizada em parceria com a consultoria internacional IHS Markit, toma como base estudo comparativo de custos de criação de frangos no Brasil, que analisou os custos fixos e variáveis de diferentes sanduíches e outros produtos de frango, como nuggets. Foram considerados também a margem de lucro das empresas e os impostos embutidos no custo final ao consumidor. Em geral, a carne de frango representa entre 8% e 11% do custo total do produto, o que comprovaria que animais criados com alto nível de bem-estar não aumentam significativamente o custo do alimento.

Paola explica ainda que a produção com menos sofrimento é economicamente sustentável e tem potencial de atingir uma grande escala caso a demanda por esse tipo de produto aumente. “A crescente preocupação dos consumidores com o sofrimento vivenciado por animais criados em sistemas industriais intensivos, bem como o surgimento de novos produtos como os hambúrgueres sem proteína animal, têm o poder de fazer as empresas mudarem seu modelo de negócio”.

Ela acrescenta que o Brasil não tem legislação específica sobre o bem-estar de animais de produção durante sua criação. “Por isso ficamos à mercê de quem compra os produtos. Quem impulsionará a mudança é quem consome”, afirma.

Quanto vale a vida de um frango?

“O preço do bem-estar” é o nome do estudo econômico comparando diferentes sistemas de produção de frango, utilizado como base para se chegar ao valor de R$ 0,25. Ele foi realizado em julho de 2019 pela Proteção Animal Mundial, em conjunto com a Universidade de Wageningen, na Holanda, líder mundial em pesquisa agropecuária.
No Brasil, a análise considerou três sistemas diferentes de criação: o sistema fechado industrial intensivo e sem luz natural e com alta lotação, o qual, apesar dos baixos níveis de bem-estar, vem crescendo no país; o sistema convencional, mais comum nas criações brasileiras; e o sistema com altos índices de bem-estar, como luz natural, mais espaço para os frangos se movimentarem e expressarem seus comportamentos naturais, entre outros.

O custo de produção por quilo da ave viva foi calculado em todos os sistemas, sendo em média R$ 2,61 para o sistema fechado, R$ 2,70 para o convencional e R$ 3,03 para o sistema com os melhores níveis de bem-estar. Ou seja, no Brasil o custo para uma criação sem crueldade com os frangos seria apenas 13,7% maior, uma diferença de R$ 0,38 por quilo de ave viva.

Diante disso, entende-se que com R$ 0,38 por quilo de ave viva seria possível que todos os produtores do Brasil adotassem soluções simples capazes de garantir uma vida sem crueldade para os frangos, como: poleiros ou plataformas adicionadas a fardos de feno ou um pouco de grãos inteiros na dieta ajudando os frangos a expressar seu comportamento natural; cama de boa qualidade e seca para banhos de areia, conforto e saúde das penas e dos pés; seis horas contínuas de escuro por dia, permitindo que as aves tenham um tempo natural de descanso; proporcionar crescimento mais lento às aves, evitando problemas de saúde causados por um crescimento rápido e não saudável; e oferecer mais espaço nas granjas, em uma densidade de no máximo 30 kg/m², reduzindo problemas locomotores nas aves.

Como é hoje

Nas granjas industriais intensivas superlotadas, cada ave vive em um espaço menor do que uma folha de papel A4, sem poder exercer nenhum comportamento natural, como: ciscar, se empoleirar, buscar alimento ou tomar banho de areia para limpar as penas.
Em apenas 42 dias, os frangos atingem seu peso de abate, enquanto que o normal seria de 52 dias. Isso causa claudicação (manqueira), dores constantes e sobrecarga no coração e pulmões. Além da genética de crescimento rápido, outra tática usada para as aves crescerem tão rapidamente é o fornecimento de luz artificial constantemente acesa, o que não permite longos períodos de descanso, aumentando o nível de estresse e causando até pânico. A falta de luz natural também diminui os comportamentos desejáveis, como ciscar e bicar.
Saiba mais em: http://chegadecrueldade.com e www.protecaoanimalmundial.org.br.
(Proteção Animal Mundial no Brasil) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 08/12
Sexta-Feira, 06/12
Frango: novembro se configurou como o período de retomada de preços (15:53)
Suínos: preços em alta em São Paulo (14:19)
CNA leva posicionamento do Agro para a COP-25 (14:10)
Clientes Ross beneficiam-se de evento compartilhando informações no Peru (09:03)
Soja sobe em Chicago nesta 6ª com notícia de nova liberação de cotas da China para os EUA (08:46)
China vai abrir mão de tarifas sobre alguns embarques de soja e carne suína dos EUA (08:44)
MAPA convoca 100 médicos veterinários aprovados em concurso (08:03)
Ministério assina contrato com o BID: US$ 200 milhões para a Defesa Agropecuária (08:01)
Frango: exportação para China bate recorde (06:34)
Frango: cotações mornas nesta quinta-feira (06:27)
Suínos: cotações seguem estáveis, mas valorização sobre carne bovina em novembro foi recorde (06:24)
Peste Suína/Ásia: FAO eleva para 7,659 milhões número de animais eliminados por doença (06:17)
Preços globais da carne bovina devem permanecer sustentados em 2020, reafirma o Rabobank (06:16)
Contratos futuros para o boi gordo encerram a 5ª feira próximo da estabilidade na B3 (06:14)
Boi Gordo: poucos negócios e preços caindo (06:13)
Milho encerra quinta-feira em baixa na Bolsa de Chicago (06:12)
Soja sobe em Chicago pela terceira sessão consecutiva (06:10)
Quinta-Feira, 05/12
Soja intensifica ganhos em Chicago e sobe nesta 5ª feira (15:46)
Embarques de carne suína aumentam 13,2% em novembro (15:11)
Suínos: competitividade da carne suína frente à de boi é a maior da série (11:39)
Boi: receita obtida com exportação é recorde (11:20)
Ricardo Santin será o novo presidente da ABPA (11:15)
Para CNA, não vai faltar produto e preços da carne vão se normalizar (09:44)
Goiás pode ampliar exportação de frango para o Chile (09:43)
Vendas de ovos disparam em Manaus (09:41)
Preços de alimentos no mundo sobem com impulso de carnes e óleos vegetais, diz FAO (09:33)
Líder, BRF tem capacidade ociosa para expandir produção no Brasil (09:28)
Produtor americano reduz ritmo de comercialização da soja a espera de melhores preços (08:56)
Soja segue trabalhando em alta em Chicago nesta 5ª feira (08:52)
CNA prevê aumento do valor da produção e do PIB do campo em 2020 (08:40)
Aviagen contrata novo Supervisor Regional de Vendas no Brasil (08:17)
Korin fornece frango caipira livres de transgênicos para o Carrefour no Estado de São Paulo e Brasília (08:12)
Frango: setores apresentaram leve queda ou estabilidade nesta 4ª feira (08:09)
Suínos: cotações mornas nesta 4ª feira (08:03)
JBS planeja investir R$ 8 bilhões no Brasil nos próximos 5 anos (08:00)
Boi Gordo: vendas da carne continuam sendo o entrave (07:49)
Boi Gordo: preços da arroba recuaram 2,1% em SP (07:48)
Milho tem leves baixas em Chicago nesta 4ª feira, mas preços se sustentam no Brasil (07:38)
Quarta-Feira, 04/12
Unidades da Aviagen no Brasil recebem certificação de compartimentação (14:07)
Presidente da ABPA fala sobre o mercado de suínos e aves a médio e longo prazo (12:49)
Boi: volume de negócios foi pequeno nos últimos dias no mercado físico em SP (11:23)
A expectativa é boa para as exportações de milho nessa reta final do ano (10:20)
Vetanco realiza treinamento para controle estratégico de Cascudinhos (08:51)
Agropecuária é o setor com maior alta do PIB no terceiro trimestre do ano (08:22)
Frango: após dois dias de cotações estáveis, mercado começa a reagir (08:20)
Suínos: mercado mostra melhora para os principais setores (08:15)
Após máximas, preço do boi recua 5% em dezembro com pressão de consumidores (08:14)
Exportação de carne bovina do Brasil deve manter ritmo de alta em 2020, diz Abrafrigo (08:13)
Vencimentos futuros para o boi gordo encerram 3ª feira abaixo dos R$ 200,00/@ na Bolsa Brasileira (08:08)
Tereza Cristina abre reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina (08:06)
Milho: preços recuam na B3, mas sobem no interior do Brasil (08:05)
Soja recua até 2% no interior do Brasil com baixa do dólar e estabilidade em Chicago (08:00)
Grãos: cenário para preços se torna positivo para 2020 (07:56)
Terça-Feira, 03/12
Produção avícola sem uso de antibiótico ganha força no Nordeste (16:52)
Agroindústria contribui para estabilidade na população ocupada no agro (16:35)
Encontro de final de ano Programa Ovos RS apresenta novidades (14:51)
Milho abre a terça-feira com leves ganhos em Chicago mesmo após relatórios do USDA (14:31)
Soja: após 8 baixas consecutivas, mercado em Chicago sobe nesta 3ª feira (14:30)
Secex: exportação de carnes bovina, suína e de frango desacelera em novembro (09:38)
Venda de carne ao exterior cresce 28%, ajudada por epidemia na China (09:37)
Nas exportações em novembro, carne suína tem faturamento 46% maior em comparação a outubro (08:06)
Suínos: cotações estáveis marcam o começo de dezembro (08:03)
Frango: segunda-feira tem altas para frango vivo em algumas praças (08:03)
Milho registra pequenos ganhos em Chicago (08:01)
O mercado do boi gordo 'sossegou' (07:59)
Exportações brasileiras de milho fecham novembro com alta de 17,6% com relação ao ano passado (07:57)
Soja fecha em baixa na Bolsa de Chicago (07:55)