Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
Exportação

Habilitação de frigoríficos é sinal de maior aproximação com árabes, diz executivo
São Paulo, SP, 12 de Novembro de 2019 - A habilitação de oito plantas frigoríficas de carne bovina do Brasil por parte da Arábia Saudita, anunciada nesta segunda-feira (11/11) pelo Ministério da Agricultura, confirma a importância de se buscar uma aproximação e um bom relacionamento com os países árabes. A avaliação é de Ali Saifi, diretor-executivo da Cdial Halal, empresa sediada em São Bernardo do Campo (SP), especializada na certificação de produtos conforme a religião islâmica.

“Oito frigoríficos é uma boa notícia, mas ainda há muito mais para conseguir. O mercado lá é muito grande”, afirma Saifi, em entrevista à Globo Rural. “Buscar mais significa levar uma agenda positiva para os dois lados. Com uma agenda positiva, vamos trazer mais assuntos de interesse do Brasil”, acrescenta.

No comunicado oficial, o Ministério da Agricultura informa que as plantas habilitadas estão nos estados de São Paulo, Rondônia, Minas Gerais, Maranhão e Pará. A ministra Tereza Cristina avalia que a decisão da Arábia Saudita é fruto da recente viagem brasileira ao país.

“Faz parte de toda essa abertura que o Ministério vem fazendo juntamente com o governo federal. Boa notícia, resultado da viagem do presidente Jair Bolsonaro àquele país, já com resultados muito positivos”, afirmou a ministra, em uma mensagem de vídeo publicada nas redes sociais.

De janeiro a outubro deste ano, as vendas externas do agronegócio brasileiro para a Arábia Saudita foram de US$ 1,462 bilhão, 1,6% a mais que no mesmo período no ano passado, de acordo com o Ministério da Agricultura (Mapa). O país tem 1,8% de participação no total. A pauta de exportações para o país é liderada pelas carnes, especialmente a de frango, e complexos soja e sucroalcooleiro.

“Para os países árabes, a questão da segurança alimentar é de suma importância. São países que precisam de proteína animal, do agronegócio, em geral. Então, com certeza, isso pode fomentar e pode crescer”, diz Saifi, destacando que a demanda por esses países é liderada, principalmente, por carnes e grãos.

Fortalecendo relações

A passagem da comitiva liderada pelo presidente Jair Bolsonaro pela Arábia Saudita integrou um roteiro de viagem cumprido no final de outubro, iniciado pela Ásia, com visitas ao Japão e à China. No Oriente Médio, além dos sauditas, a comitiva passou por Catar e Emirados Árabes, o que rendeu a assinatura de acordos de cooperação em diversas áreas.

A missão brasileira deixou a Arábia Saudita, última parada da viagem, com a promessa de investimentos de US$ 10 bilhões do fundo soberano do país em áreas de interesse do governo brasileiro. No setor privado, a BRF anunciou que vai investir US$ 120 milhões em uma nova planta na Arábia Saudita. A empresa também tem uma planta industrial em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes e opera no mercado árabe com uma marca voltada para produtos halal, criada em 2017.

Não houve, no entanto, pelo menos até o momento, sinalização da reabertura de plantas frigoríficas para exportar frango ao mercado saudita, o que ainda é esperado pela indústria do setor. Em janeiro, o país anunciou um embargo, reduzindo de 30 para 25 o número de unidades brasileiras que, efetivamente, embarcam o produto para o país. Até então, havia 58 habilitações no total.

“Há a possibilidade de reabilitação de plantas frigoríficas desabilitadas. O Brasil tem uma porta interessantíssima para negociar a reabilitação e acredito que, com um pouco mais de trabalho, até em habilitar mais plantas e abrir novos negócios nesses países”, analisa Saifi, reforçando seu otimismo.

Para Ali Saifi, a missão fortaleceu as relações e trouxe a expectativa de aumento do comércio do Brasil com países árabes, o que tende a refletir no agronegócio. Na visão dele, brasileiros e árabes trabalharam de forma clara seus objetivos em relação ao parceiro. Da parte do Brasil, houve um reconhecimento da importância do mundo árabe. E “muitas coisas foram desmistificadas” a respeito da região.

“É possível ampliar os negócios. Mas não é só isso. Temos grandes negócios com os países árabes e temos que manter. O Brasil está propondo uma agenda positiva, buscando também os interesses dos países árabes, oferecendo a eles onde investir em lugares produtivos”, afirma.

Cenário bem diferente de meses atrás, quando o futuro da relação do Brasil com o mundo árabe chegou a ser questionado, em meio à intenção do governo de transferir a embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, o que não foi feito. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, reconheceu por diversas vezes que havia uma preocupação, especialmente para a indústria de proteína animal.

“O Brasil tem que estar bem com todo o mundo. A aproximação com Israel não atrapalha a relação com os países árabes, sempre lembrando os limites e mantendo o respeito entre as partes. Os países árabes são amigos, clientes importantes e, daqui em diante, investidores de suma importância”, pondera Saifi.

Acreditação

Para a própria Cdial Halal, o fortalecimento das relações entre o Brasil e os países árabes veio em um momento importante. A certificadora obteve, recentemente, a renovação de sua habilitação para atestar a procedência halal de produtos destinados aos países da região do Golfo Pérsico.

Concedida pelo Centro de Acreditação do Golfo (GAC, na sigla em inglês), a autorização vale por quatro anos. Permite que a empresa certifique produtos destinados a mercados, como Arábia Saudita, Kuwait, Irã, Emirados Árabes, Catar, Iraque e Bahrein.

“Não apenas mantém nossos negócios com as empresas que já trabalham conosco como possibilita o crescimento de participação nesses mercados. Tendo boas relações com os países árabes, a expectativa para nós é boa e para o Brasil também”, diz o diretor-executivo da empresa.
(Revista Globo Rural) (Raphael Salomão)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 06/12
Frango: novembro se configurou como o período de retomada de preços (15:53)
Suínos: preços em alta em São Paulo (14:19)
CNA leva posicionamento do Agro para a COP-25 (14:10)
Clientes Ross beneficiam-se de evento compartilhando informações no Peru (09:03)
Soja sobe em Chicago nesta 6ª com notícia de nova liberação de cotas da China para os EUA (08:46)
China vai abrir mão de tarifas sobre alguns embarques de soja e carne suína dos EUA (08:44)
MAPA convoca 100 médicos veterinários aprovados em concurso (08:03)
Ministério assina contrato com o BID: US$ 200 milhões para a Defesa Agropecuária (08:01)
Frango: exportação para China bate recorde (06:34)
Frango: cotações mornas nesta quinta-feira (06:27)
Suínos: cotações seguem estáveis, mas valorização sobre carne bovina em novembro foi recorde (06:24)
Peste Suína/Ásia: FAO eleva para 7,659 milhões número de animais eliminados por doença (06:17)
Preços globais da carne bovina devem permanecer sustentados em 2020, reafirma o Rabobank (06:16)
Contratos futuros para o boi gordo encerram a 5ª feira próximo da estabilidade na B3 (06:14)
Boi Gordo: poucos negócios e preços caindo (06:13)
Milho encerra quinta-feira em baixa na Bolsa de Chicago (06:12)
Soja sobe em Chicago pela terceira sessão consecutiva (06:10)
Quinta-Feira, 05/12
Soja intensifica ganhos em Chicago e sobe nesta 5ª feira (15:46)
Embarques de carne suína aumentam 13,2% em novembro (15:11)
Suínos: competitividade da carne suína frente à de boi é a maior da série (11:39)
Boi: receita obtida com exportação é recorde (11:20)
Ricardo Santin será o novo presidente da ABPA (11:15)
Para CNA, não vai faltar produto e preços da carne vão se normalizar (09:44)
Goiás pode ampliar exportação de frango para o Chile (09:43)
Vendas de ovos disparam em Manaus (09:41)
Preços de alimentos no mundo sobem com impulso de carnes e óleos vegetais, diz FAO (09:33)
Líder, BRF tem capacidade ociosa para expandir produção no Brasil (09:28)
Produtor americano reduz ritmo de comercialização da soja a espera de melhores preços (08:56)
Soja segue trabalhando em alta em Chicago nesta 5ª feira (08:52)
CNA prevê aumento do valor da produção e do PIB do campo em 2020 (08:40)
Aviagen contrata novo Supervisor Regional de Vendas no Brasil (08:17)
Korin fornece frango caipira livres de transgênicos para o Carrefour no Estado de São Paulo e Brasília (08:12)
Frango: setores apresentaram leve queda ou estabilidade nesta 4ª feira (08:09)
Suínos: cotações mornas nesta 4ª feira (08:03)
JBS planeja investir R$ 8 bilhões no Brasil nos próximos 5 anos (08:00)
Boi Gordo: vendas da carne continuam sendo o entrave (07:49)
Boi Gordo: preços da arroba recuaram 2,1% em SP (07:48)
Milho tem leves baixas em Chicago nesta 4ª feira, mas preços se sustentam no Brasil (07:38)
Quarta-Feira, 04/12
Unidades da Aviagen no Brasil recebem certificação de compartimentação (14:07)
Presidente da ABPA fala sobre o mercado de suínos e aves a médio e longo prazo (12:49)
Boi: volume de negócios foi pequeno nos últimos dias no mercado físico em SP (11:23)
A expectativa é boa para as exportações de milho nessa reta final do ano (10:20)
Vetanco realiza treinamento para controle estratégico de Cascudinhos (08:51)
Agropecuária é o setor com maior alta do PIB no terceiro trimestre do ano (08:22)
Frango: após dois dias de cotações estáveis, mercado começa a reagir (08:20)
Suínos: mercado mostra melhora para os principais setores (08:15)
Após máximas, preço do boi recua 5% em dezembro com pressão de consumidores (08:14)
Exportação de carne bovina do Brasil deve manter ritmo de alta em 2020, diz Abrafrigo (08:13)
Vencimentos futuros para o boi gordo encerram 3ª feira abaixo dos R$ 200,00/@ na Bolsa Brasileira (08:08)
Tereza Cristina abre reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina (08:06)
Milho: preços recuam na B3, mas sobem no interior do Brasil (08:05)
Soja recua até 2% no interior do Brasil com baixa do dólar e estabilidade em Chicago (08:00)
Grãos: cenário para preços se torna positivo para 2020 (07:56)
Terça-Feira, 03/12
Produção avícola sem uso de antibiótico ganha força no Nordeste (16:52)
Agroindústria contribui para estabilidade na população ocupada no agro (16:35)
Encontro de final de ano Programa Ovos RS apresenta novidades (14:51)
Milho abre a terça-feira com leves ganhos em Chicago mesmo após relatórios do USDA (14:31)
Soja: após 8 baixas consecutivas, mercado em Chicago sobe nesta 3ª feira (14:30)
Secex: exportação de carnes bovina, suína e de frango desacelera em novembro (09:38)
Venda de carne ao exterior cresce 28%, ajudada por epidemia na China (09:37)
Nas exportações em novembro, carne suína tem faturamento 46% maior em comparação a outubro (08:06)
Suínos: cotações estáveis marcam o começo de dezembro (08:03)
Frango: segunda-feira tem altas para frango vivo em algumas praças (08:03)
Milho registra pequenos ganhos em Chicago (08:01)
O mercado do boi gordo 'sossegou' (07:59)
Exportações brasileiras de milho fecham novembro com alta de 17,6% com relação ao ano passado (07:57)
Soja fecha em baixa na Bolsa de Chicago (07:55)
Segunda-Feira, 02/12
Entidades dos Setores de Aves, Suínos e Laticínios definem o 6º AVISULAT 2020 - NC (16:23)
Yes reposiciona marca com alinhamento do seu portfólio de produtos e novas embalagens (15:30)
Milho: em novembro, cotações sobem mais de 14% em algumas praças (14:54)
Soja: com procura maior que oferta, preço do óleo atinge recorde (14:52)
Preços da carne suína na China se recuperam com o aumento do consumo no frio (14:50)
De olho na colheita, milho tem leves altas em Chicago (14:48)
Ovos: preços têm alta atípica para o período (10:09)
Boi Gordo: dificuldade de compra é vigente (09:50)
Por que a carne continuará mais cara em 2020 (e pode piorar) (09:36)
Soja inicia dezembro com leves altas em Chicago (09:26)
Após fortes altas, calmaria nos preços da carne bovina no varejo (08:02)
Bolsonaro diz que governo não atuará para baixar o preço da carne (08:00)
Frango: mercado sem variações expressivas na sexta-feira (07:50)
Suínos: fim de mês com mercado aquecido para venda do animal vivo (07:48)
Milho sobe mais de 2% em Chicago na volta da Ação de Graças (07:34)
Soja fecha semana em queda em Chicago e pressiona Brasil (07:30)