Quinta-feira, 19 de Julho de 2018
Mercado

Desempenho do ovo em dezembro e em 2017
Campinas, 05 de Janeiro de 2018 - Para o ovo, as Festas de 2017 foram decepcionantes. Basta dizer que o produto viveu o pior Natal dos últimos três anos, pois até nominalmente o preço médio de dezembro ficou aquém dos registrados no mesmo mês de 2015 e 2016.

Não só isso, porquanto mal se chegou a alcançar, no mês, 85% do valor médio registrado nos 12 meses do ano anterior (R$75,43/caixa, resultado aplicável a cargas fechadas do ovo branco extra comercializado no atacado da cidade de São Paulo). E, pela média dos 16 anos anteriores (2001 a 2016), a remuneração obtida deveria ser quase 12% superior a essa média.

Em outras palavras, se tivesse repetido o comportamento médio deste século, o ovo fecharia 2017 valendo algo em torno de R$84,00/caixa – remuneração aparentemente alta, mas sem nada de excepcional, pois não só corresponderia à média registrada entre fevereiro e setembro deste ano, como também estaria mais de 7,5% aquém do pico de preços de 2017 (R$91,13/caixa no mês de abril). Mas a média de dezembro foi quase 25% menor que o valor projetado pela média histórica.

O mais interessante é que no segundo semestre o ovo perdeu, senão tudo, a maior parte do que conquistou na primeira metade de 2017. Assim, após um princípio de ano preocupante (em janeiro foram registrados os menores preços em 16 meses), o produto passou a apresentar reação excepcional. A ponto de alcançar, no mês de abril, o maior valor nominal de todos os tempos.

Com isso, fechou os seis meses iniciais do exercício obtendo valorização de 10% sobre o mesmo semestre do ano anterior, período que, por sua vez, já havia registrado valorização de 30% sobre o primeiro semestre de 2015.

Mas tudo isso veio por água abaixo na segunda parte do ano, pois os valores médios mensais sofreram sucessivos decréscimos. Em conseqüência, reverteu-se totalmente o resultado positivo inicial e o segundo semestre foi encerrado com queda de 3,6% em relação ao segundo semestre de 2016.

Em decorrência desse fraco desempenho, o ano foi encerrado com uma valorização de 3,11% - acima da inflação é verdade, mas nada comparável aos (cerca de) 27% de 2016.

(AviSite) (Redação)
Imprimir esta notícia...Enviar esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 19/07
Quarta-Feira, 18/07
Ovo x Milho: perdas no poder de compra do avicultor permanecem altas (08:00)
Ovos: mercado começa a dar sinais de fragilidade (08:00)
Terça-Feira, 17/07
Bastos celebra o bom momento do setor na 59ª Festa do Ovo (09:40)
Alojamentos de Pintainhas de postura comercial continuam expressivos no início de 2018 (07:09)
Ovos: preços se mantém na abertura da segunda quinzena (07:07)
Segunda-Feira, 16/07
Ovos: começa a diminuir a saída do produto no varejo (07:00)
Preço médio semanal da caixa de ovos brancos (07:00)
Sexta-Feira, 13/07
Ovos: ofertas controladas e aumento de demanda propiciam novo reajuste (08:58)



Últimos Clippings
Vetanco se faz presente em mais uma Festa do Ovo de Bastos
Novo sistema da Secex gera dúvidas sobre dados de exportação de carne
Alta do dólar impulsiona margem dos frigoríficos de carne bovina
Valor Bruto da Produção Agropecuária está estimado em R$ 562,4 bilhões
Milho: mercado testa tímidos ganhos na manhã desta 4ª feira em Chicago

Nossos Parceiros
MSDAgroceres