Revista do AviSite
Revista do Ovo
Notícias
Informativo Semanal
AviGuia
AviSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Quarta-feira,
Siga-nos:
Notícias Informativo Semanal
NOTÍCIAS
Nos EUA, frigoríficos anunciam vacinação contra Covid-19, mas processo é lento




CHICAGO , 04/03/2021

As vacinas contra a Covid-19 estão chegando aos braços dos trabalhadores da carne e da agricultura dos EUA, mas as empresas e dirigentes sindicais dizem que o progresso vem sendo muito lento, pois, ressaltam, os surtos de coronavírus paralisaram matadouros e adoeceram milhares de trabalhadores.

A vacinação dos trabalhadores do setor de alimentos pode ajudar a evitar mais interrupções na produção, ocorrência que elevou os preços da carne na primavera de 2020 e forçou varejistas a restringir as compras.

Em todo o país, 22.000 trabalhadores de frigoríficos foram infectados ou expostos ao vírus e 132 morreram, de acordo com o sindicato com um dos sindicatos da classe.

Em dezembro, um comitê dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos recomendou que os trabalhadores da linha de frente da agricultura e das empresas de alimentos tivessem acesso às vacinas antes de pessoas com idade entre 65 e 74 anos e americanos mais jovens com comorbidades.

Mas muitos estados priorizaram residentes mais velhos, que respondem pela maioria das fatalidades da Covid-19 nos EUA, e outros trabalhadores essenciais, como professores.

Pelos regulamentos específicos de cada estado, as empresas enfrentam restrições no suprimento e não podem comprar vacinas diretamente dos fabricantes. .

“As prioridades mudaram nos últimos dois meses em vários estados, e isso diminuiu o status de prioridade de nossos funcionários essenciais”, disse Keira Lombardo, diretor administrativo da Smithfield Foods, com sede na Virgínia, a maior processadora de carne suína do mundo.

Dakota do Sul, onde a Smithfield opera uma enorme fábrica de suínos em Sioux Falls, pode não começar a vacinar trabalhadores de alimentos e agricultura até abril, de acordo com os planos estaduais. Primeiro, o estado aplicará vacinas em professores, funcionários de agências funerárias e pessoas com menos de 65 anos com problemas de saúde subjacentes.

Mais de um terço dos 3.700 funcionários da Smithfield em Sioux Falls tiveram teste positivo para o vírus em meados de junho de 2020, de acordo com o Departamento do Trabalho dos EUA. BJ Motley, presidente do sindicato local, disse que os trabalhadores indagam quando serão vacinados, mas a empresa não fornece informações sobre o agendamento das vacinas.

“Tudo o que podemos fazer é continuar pressionando”, disse ele.

A Smithfield informou que a vacina será distribuída na fábrica de Sioux Falls assim que os suprimentos estiverem disponíveis. Já Kim Malsam-Rysdon, secretário de saúde de Dakota do Sul, lembra que o plano de vacinas do estado foi desenvolvido de acordo com as diretrizes do CDC. A alocação de vacinas pelo governo federal é o maior desafio que os estados enfrentam, disse ela.

Consultado, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos respondeu à Reuters que está “entrando novamente em contato com os governadores de cada estado para incentivá-los a priorizar os trabalhadores do setor alimentício para as vacinas, conforme recomendado pelas agências de saúde pública”.

Os Estados Unidos têm enviado milhões de doses de vacinas para os estados a cada semana, mas a demanda até agora ultrapassou os suprimentos. Até o final de março, os produtores de vacinas planejam enviar dezenas de milhões de vacinas a mais. O fornecimento será ainda mais auxiliado pela autorização dos EUA no sábado da vacina one-shot da Johnson & Johnson.

A Tyson Foods, maior empacotadora de carne do país em vendas, disse na segunda-feira que muitos de seus 13 mil funcionários de Iowa começariam a receber a vacina esta semana. Cerca de 2.000 funcionários da Tyson entre 100.000 trabalhadores horistas receberam vacinas em 25 de fevereiro.

A processadora de carne rival JBS-USA planeja fechar uma fábrica de carne bovina em Greeley, Colorado, nos dias 5 e 6 de março para vacinação, após quase 400 infecções em trabalhadores. O sindicato local, que representa os funcionários da fábrica, disse que garantiu com o estado e a Guarda Nacional o acesso dos trabalhadores à vacina.

A JBS e a produtora afiliada de frangos Pilgrim's Pride Corp informaram que cerca de 8.500 funcionários em oito estados, incluindo Colorado, terão acesso às vacinas esta semana.

A Cargill Inc trabalhará com provedores de saúde para vacinar funcionários em uma fábrica de carne bovina no Kansas e em locais externos em Nebraska e Michigan, de acordo com a empresa. Na processadora de frango Perdue Farms, cerca de 800 funcionários entre 21.000 receberam uma injeção na quinta-feira.

Julie Anna Potts, presidente do Instituto Norte-Americano da Carne (NAMI, na sigla em inglês) comentou na semana passada que gostaria de ver o governo federal mais envolvido no fornecimento de vacinas aos frigoríficos. “Infelizmente, conforme o estado, temos que contar com a sorte”, lamentou.


Fonte: Reuters
Autor: Tom Polansek




COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS












NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF