Revista do AviSite
Revista do OvoSite
Edições anteriores
Notícias
Informativo Diário
Informativo Semanal
AviGuia
AviSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Quarta-feira, 22/09/2021
Siga-nos:
Notícias Informativo Diário Informativo Semanal
NOTÍCIAS
Kemin aborda ferramenta de controle da enterite necrótica na avicultura




Campinas, SP, 22/07/2021

A suplementação da dieta das aves com Bacillus subtilis PB6 é eficaz no controle da enterite necrótica, além de manter o equilíbrio microbiano benéfico do intestino, otimizar o desempenho e ser uma ferramenta importante no uso racional dos antibióticos.

A enterite necrótica, causada pelo Clostridium perfringens, tem o potencial de impactar grandemente a produção avícola. Estima-se que a enterite necrótica seja responsável por perdas de até $6 bilhões anualmente. Isso porque nem sempre é fácil de identificar esta doença no plantel, que se apresenta basicamente em duas formas diferentes: clínica ou subclínica.

A forma subclínica da enterite necrótica provoca altas perdas econômicas devido à redução da produtividade animal. Essa redução é provocada pela pior digestão e absorção da ração, que leva, consequentemente a um aumento da conversão alimentar. Isso acontece basicamente porque o Clostridium perfringens provoca redução da saúde intestinal, piora da qualidade da mucosa intestinal e diarreia.

Mas, de onde vem o Clostridium perfringens? Esta é uma bactéria de ocorrência natural no intestino das aves, Gram positiva, anaeróbia, esporulada e toxigênica. Mas isso não significa que toda ave tem a enterite necrótica, pois a simples presença do Clostridium perfringens não é suficiente para desenvolvimento da enterite necrótica. São necessários fatores que colaborem para a proliferação exagerada dessas bactérias para que ave finalmente apresente sintomas da doença. Os fatores ambientais, tais como densidade populacional e qualidade da cama têm grande importância na multiplicação da bactéria, além do uso de determinados ingredientes da ração contaminados e a presença de coccidiose.

A enterite necrótica caracteriza-se por lesões e necrose na mucosa intestinal afetando principalmente animais jovens, entre duas e seis semanas de idade. Normalmente ocorre na forma de surtos caracterizados por depressão, penas eriçadas, fezes moles, amontoamento, anorexia e, frequentemente, alta mortalidade.

Recomenda-se que sejam realizadas ações preventivas para evitar o aparecimento da enterite necrótica. O uso de tecnologias capazes de controlar o Clostridium perfringens é uma excelente alternativa. Existem produtos capazes de fazer isso via ração e também via água. Adicionalmente, o uso de probióticos para a manutenção da flora intestinal é essencial para prevenir a enterite necrótica.

Os probióticos são aditivos alimentares compostos por microrganismos vivos que beneficiam a saúde do hospedeiro, equilibrando a microbiota intestinal, melhorando o consumo de ração, digestão e absorção dos nutrientes. Os probióticos agem no sistema imune (imunomodulação), fazem a exclusão competitiva e secretam compostos antimicrobianos que suprimem o crescimento de bactérias nocivas.

Portanto, atualmente o uso de probióticos vem sendo utilizado como ferramenta para o combate da enterite necrótica e para o uso consciente de antibióticos. O Bacillus subtilis PB6 é uma cepa isolada de intestino de frangos saudáveis que demonstrou produzir substâncias antimicrobianas, com ampla atividade contra várias cepas de Clostridium spp, mantendo a integridade das vilosidades, e consequentemente melhorando o desempenho animal.

Diversos estudos demonstram o modo de ação benéfico do Bacillus subtilis PB6 para aves. Esta cepa secreta surfactinas e outros metabólitos secundários, com propriedade antimicrobiana, específicas contra bactérias gram-negativas e gram-positivas, que são potencialmente patogênicas para humanos e animais. Em termos de espectro antimicrobiano foi demostrado in vitro o poder inibitório para cepa de C. perfringens relacionada à enterite necrótica conforme Figura 1.



O Bacillus subtilis PB6 provou ser eficaz para a saúde das aves reduzindo a quantidade de Clostridium perfringens e melhorando o escore de lesão em frangos de corte (Figura 2). Ao mesmo tempo que suprime o Clostridium perfringens, também promove o aumento das bactérias benéficas, como o Lactobacillus spp. e Bifidobacterium spp. promovendo um equilíbrio saudável do microbioma intestinal das aves (Figura 3).



img src="https://www.avisite.com.br/noticias/img/2021/20210722_foto_4.jpg" width="100%">

A suplementação com Bacillus subtilis PB6 é eficaz no controle da enterite necrótica em aves mantendo o equilíbrio microbiano benéfico do intestino, enquanto otimiza o desempenho. Além de ser uma ferramenta importante para o uso racional dos antibióticos.





Gisele Neri é zootecnista e coordenadora de Produtos para Monogástricos da Kemin na América do Sul, e Kelen Zavarize é zootecnista e gerente de Serviços Técnicos para Avicultura da Kemin na América do Sul.>


Fonte: Kemin
Autor: Gisele Neri e Kelen Zavarize




COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF