Quais são as saídas para manter a competitividade da avicultura brasileira?

Ainda que o Brasil volte a produzir milho em volumes capaz de atender as necessidades internas, um fato é certo: está (definitivamente, talvez) dolarizado como a soja. Essa circunstância, aliada a outras limitações enfrentadas pelo setor (eliminação de antibióticos - afetando a produtividade; ou, então, proibição de uso de subprodutos como a cama de frango na alimentação de ruminantes - outrora um dos fatores de lucro da atividade) vai, paulatinamente, retirando a natural competitividade da avicultura brasileira, que corre o risco de perder sua posição de segundo maior produtor mundial e segundo maior exportador mundial de carne de frango. Existem meios para evitar essa perda? Qual é a sua opinião? E quais são as suas sugestões para manter a competitividade da avicultura brasileira?


Opine

10 - Mensagens no fórum. | pg.1 de 1

 Diretor Geral
Responder

Nova Mensagem

SILVIO TEIXEIRA (01/07/2003 11:37:23)

Primeiro o Brasileiro tem que acreditar mais em nossa potencialidade e não se curvar a tudo e todos. A adoção das novas tecnologias que colocariam a agricultura brasileira em um nível superior de competitividade. Tecnologias repudiadas unicamente pelo povo brasileiro que podem aumentar a lucratividade do agricultor por aumentar sua produtividade e ao mesmo tempo aumentar a competitividade da avicultura em reduzindo o preço das commodities. Os maiores concorrentes do Brasil ja estão fazendo isto, por isto ganhando cada vez mais espaço sem amargar os prejuizos que a avicultura Brasileira esta!!

 Produçao Avícola
Responder

Nova Mensagem

OSCAR (06/04/2003 22:42:05)

Sou economista, onde estudei um pouco da avicultura brasileira na minha monografia. Acredito que existem alguns fatores que devem ser considerados quando tratamos da competitividade da avicultura brasileira. Primeio, que o milho nao e o único insumo na fabricaçao da ração. Relativamente a soja este insumo esta com preço reduzido. Segundo, a avicultura brasileira é muito competitiva no ambito mundial. Só pra ilustrar, a França, concorrente direto na produçao de frangos, concede subsídios muitas vezes que chegam a 70% dos custos de produção, buscando com isto proteger o setor, ofertando ao mundo produtos mais baratos. O principal problema do setor brasileiro nao esta na origem, ou seja, na produçao. Ali o produtor brasileiro é eficiente. Nosso grande problema esta no transporte (custos elevados, desperdicios), alem da industrializaçao. Alternativa: Acredito que a reforma tributária, desde qeu desonere a produçao agraindustrial podera ser uma forma de ganhar competitividade, dando ao setor um novo fôlego.....

RE: Produçao Avícola
Responder

ANTONIO DOS ANJOS RODRIGUES (16/10/2006 14:59:01)

Prezado Oscar, Acredito que a sua resposta é a mais adequada para o êxito da avicultura brasileira, principalmente no setor de exportação. Nossa avicultura é de fato a mais competitiva do mundo e nós...

RE: Produçao Avícola
Responder

EVILáSIO PONTES DE MELO (07/04/2003 23:40:19)

Prezado Oscar, Acredito que a sua resposta é a mais adequada para o êxito da avicultura brasileira, principalmente no setor de exportação. Nossa avicultura é de fato a mais competitiva do mundo e nós temos uma capacidade de adaptação muito grande aos novos sistemas de produção, como por exemplo a retirada dos promotores de crescimento da ração. Gostaria muito de ter acesso a sua monografia, pois sou veterinário e atuo no setor avícola. Atenciosamente

 Investir em pesquisas
Responder

Nova Mensagem

DANILO ROZA CARDOSO (23/01/2003 13:38:33)

Sou acadêmico do último ano de medicina veterinária e acho que existem saídas sim para manter a competitividade da avicultura nacional.E uma delas seria investir em pesquisas principalmente no que se diz respeito a sanidade avícola,tendo em vista a tendencia de se proibir o uso de antimicrobianos(promotores de crescimento principalmente) nesta atividade,se cada empresa interessada "canalizar" uma porcentagem do que seria gasto com esses medicamentos para a pesquisa em nossas universidades, vizando se conhecer mais desses "inimigos invisiveis" e de como melhor combatê-los sem lançar mão de tais medicamentos seria de grande valia para o avanço e continuidade da competitividade da nossa querida avicultura.Como fazer isso? poderia partir da UBA a iniciativa de mobilizar as empresas e até mesmo o governo. E em relação proibição da cama de frango para a alimentação animal, talvez, o produtor nordestino seja o maior prejudicado, pois perde do integrado que as vezes seria sua única renda, ao produtor de leite que essa(a cama de frango)é a saída para continuar produzindo em épocas de seca(8 meses por ano aqui no nordeste)então, as autoridedes devem repensar esta proibição.

RE: Investir em pesquisas
Responder

JOãO LUIS DOS SANTOS (04/02/2003 18:42:19)

Muito boa sua colocação. Como profissional da área de tratamento de água, já fiz muitas visitas em integrações e abatedouros. Particularmente, as granjas estão muito atrazadas no que diz respeito a inovação tecnológica. Todo mundo sabe que a água é um dos principais meios de transmissão de doenças e este é o "insumo" que sofre mais descaso na avicultura. A proibição de medicamentos como antibióticos, eu creio vem corrigir uma falha que acabou por virar uma rotina. O que é melhor, tomar medicamento todos os meses para evitar uma parasitose ou tratar adequadamente a água que bebemos? Essa é apenas uma face que pode ser melhorada em um quadro de muitas faces. Abraços. www.gruposabara.com.br

 Agregar Valor e Benefícios.
Responder

Nova Mensagem

JOãO LUIS DOS SANTOS (06/01/2003 13:22:24)

Recentemente descobri que comprar Galetto é mais econômico que um frango inteiro. Pensem nisso, é necessário criar e divulgar de forma eficaz que, ainda que cortes e produtos como Galettos sejam mais caros, no final saem mais em conta para o bolso. Quando descongelo um frango de 2Kg, consumo-o em um dia. Quando descongego um galeto de 1Kg também comsumo-o em um dia, Qual é mais barato? O mesmo deve acontecer com os cortes. Proponho ainda que junto com a cesta básica siga um(ou mais, dependendo da família) VALE FRANGO. A(as) empresa(as) que aderirem teriam seus produtos trocados nos supermercados pelo VALE NOMINAL ao usuário, este produto seria isento de impostos e outras taxas pelo governo e a(s) empresa ressarcida(s) de seus custos.

 Vender antes e produzir depois
Responder

Nova Mensagem

ANTON KIUDERO (04/01/2003 02:27:52)

Um dos maiores problemas que afligem a atividade avicola é a ausencia de mecanismos que permitam a redução dos riscos da atividade. Estes mecanismos podem ser resumidos aos seguintes: 1 - Seguro da produção - é a possibilidade de criação de um seguro compreensivo de todos os riscos de perda de produção ou plantel. 2 - Venda antecipada da produção por meio de CPR 3 - Recebimento antecipado do valor da venda - permitindo ao avicultor a compra, tambem antecipada de todos os insumos necessários à produção. Estes mecanismos já existem para outros produtos e podem com certa facilidade ser implementados no mercado avicola.

RE: Vender antes e produzir depois
Responder

NELSON (23/11/2003 19:33:47)

Sua idéia é interessante. No entanto o produtor avícola não tem respaldo e tampouco representatividade junto ao governo para buscar recursos como esses propostos. A Produção independente de aves de corte é muito pequena para fazer frente aos grandes Integradores (agroindustrias) que não têm interesse que os produtores a elas associados tenham conhecimento para tornarem-se menos submissos. Considerando que a média geral de ganho por ave por um produtor associado (integrado) não passa de R$ 0,18, após a edificação de um aviário, que não muito moderno custaria cerca de R$ 90.000,00, para alojar cerca de 20.000 aves o retorno desse investimento se daria em um prazo muito longo, sem falar nos atrasos de pagamentos ocasionados por Integradores, o fato de não escolher o que alojar, (quantidade, qualidade de pintos, sexo, idade de abate, intervalos sanitários, camas etc). Assim, acredito que a curto prazo, a solução seria, tornar o produtor avícola, uma Empresa, de modo a buscar meios de cobrança efetivos, e de formarem pequenas cooperativas, para buscar formas de agragar valores à sua produção, bem como acesso facilitado a linhas de crédito que não onerem tanto a produção. Se assim fosses estruturados, não veríamos hoje os produtores da Chapecó parados, com créditos a receber e sem perspectivas a curto prazo.

 Competitividade na avicultura brasileira.
Responder

Nova Mensagem

MAX PAULO ORTEGA (12/12/2002 16:10:51)

A lei do comércio é baseada na oferta e procura,ou seja,enquanto houver uma oferta superior à procura,estaremos vulneráveis a estratégia do comprador.

 União e Profissionalismo Administrativo
Responder

Nova Mensagem

FERNANDO VARGAS (30/11/2002 14:17:35)

Sou Médico Veterinário, responsável pela integração de frangos de corte de uma das 10 maiores empresas do Brasil em volume de abate. A saída para a crise passa, ao meu ver, por uma série de mudanças que deverão ocorrer nos próximos anos (ou meses...). As principais delas: melhoria do poder aquisitivo da população, favorencendo a curva de demanda de nosso produto, sobretudo nos segmentos de maior agregação de valor. Possível? Sim. Prazo? Médio ou longo (...). União das empresas, com controle de volume de produção em função da curva de demanda do mercado, baseado em fatos e efetivamente implantado, para sustentação dos preços e manutenção dos preços de insumos sob pressão de demanda estável. Obstáculos: dificuldado de diálogo, pulverização do setor, etc, etc... Mudança da mentalidade da grande maioria das empresas, deixando "de lado" a preocupação com o lado zootécnico e concentrando esforços nas questões administrativas (aquisição de insumos, RH, vendas/marketing, parcerias). Maior esforço por parte dos profissionais "de campo" em adquirir uma visão mais ampla ("holística", como está em voga) do próprio negócio, buscando brechas e oportunidades para abertura de novos nichos / mercados e para trabalho interno de redução de custos. Oprotunidade. Para quem? Para quem mantiver os olhos e a mente abertos. Investimentos das empresas em "marketing genérico", com apoio do governo na área externa, visando imprimir valor à marca "frango brasileiro". Focar exportações com objetivo de aumentar venda de produtos de valor agregado, fugindo do segmento "commoditizado". (Não se assuste, publicidade genérica é mais uma das lições que temos que aprender com os "gringos" - vide caso do Café Colombiano, onde a imagem vale mais do que a qualidade...). Mas para isto é preciso mais um pouquinho de união (...). Sonho? Vamos trabalhar para que não seja só isso. Idéias são muitas. Problemas mais ainda. Mas sem trabalho, realismo, competência e seriedade (sem falar em um pouquinho de sorte) as idéias ficarão onde estão: no imaginário.

RE: União e Profissionalismo Administrativo
Responder

EUGENIO ASSIS BULHôES (09/01/2003 15:22:00)

Sua mensagem é bastante positiva. Quando acreditarmos que a uniião faz a força então venceremos as intemperies do Mercado. Caso a sua indústria esteja interessada em um contrato de exportação de frangos com corte islâmico, por favor me contactar. Cordiais saudações.

RE: União e Profissionalismo Administrativo
Responder

ANTONIO SéRGIO PRANDINI (03/12/2002 11:11:52)

Muito interessante sua colocação de visão holística. Principalmente se ela contemplasse o elo fraco do processo, o integrado, que teve sua renda castrada numa canetada do ministério quando da proibição do uso da "cama" na alimentaçção de ruminantes. O que as integradoras fizeram a respeito? Ah! mas este não é um problema delas, não é mesmo?

 Recuperação do setor avícola.
Responder

Nova Mensagem

RICARDO RODRIGUES (25/11/2002 16:32:39)

Sou Gerente de Crédito Corp. da Cargill Agrícola S/A e obviamente não tenho a pretensão de demonstrar a resposta definitiva/unica para este problema. Contudo, a profissionalização do setor, com a migração natural das administrações familiares para profissionais competentes, deverá ser uma realidade de sobrevivência. Entendo também, que o mercado passará a ser ajustado, no tocante a produção e consumo a partir desta realidade. Produzir de acordo com o consumo, eliminando definitivamente excesso de "achismos" administrativos, fará parte do principal desafio do segmento...

 Supervisor / QUINABRA
Responder

Nova Mensagem

GUSTAVO CARNEIRO (06/11/2002 10:02:35)

A perda de competitividade da avicultura nacional está totalmente relacionada a alta dos insumos de produção. O produtor de milho visualizando preços melhores acabou anexando o valor do seu produto ao mercado internacional. Desta forma o abastecimento interno se torna insuficiente para suprir a sua demanda. Acredito que a taxação de alguns produtos essenciais para a exportação seria uma saída. Desta forma através de uma análise de mercado (Oferta-Demanda), poderíamos garantir o necessário para o mercado interno e aí sim comercializar o excedente.

RE: Supervisor / QUINABRA
Responder

ANDERSON DIAS (16/10/2006 15:07:35)

Sr. Gustavo. Realmente, hoje o custo de produção é a principal variável em mercado competitivo como o do frango. O criador sofre cada vez mais com variações nos custos dos insumos para a alimentação. O milho encontra-se como principal itém na dieta alimentar de uma granja, portanto, variações no preço do milho afetam diretamente os custos dos granjeiros, que muitas das vezes se vêem impossibilitado de repassar estes aumentos para o preço final do frango. Por tanto, como evitar variações bruscas no preço do milho? A resposta está na fixação do preço de compra do milho no mercado futuro. Assim, o granjeiro tem a possibilidade de conhecer seus custos adiantado e assim fixar uma margem razoável de lucro. Me coloco a disposição para maiores esclarecimentos acerca do funcionamento do mercado futuro.

RE: Supervisor / QUINABRA
Responder

ANDERSON DIAS (16/10/2006 15:06:51)

Sr. Gustavo. Realmente, hoje o custo de produção é a principal variável em mercado competitivo como o do frango. O criador sofre cada vez mais com variações nos custos dos insumos para a alimentação. O milho encontra-se como principal itém na dieta alimentar de uma granja, portanto, variações no preço do milho afetam diretamente os custos dos granjeiros, que muitas das vezes se vêem impossibilitado de repassar estes aumentos para o preço final do frango. Por tanto, como evitar variações bruscas no preço do milho? A resposta está na fixação do preço de compra do milho no mercado futuro. Assim, o granjeiro tem a possibilidade de conhecer seus custos adiantado e assim fixar uma margem razoável de lucro. Me coloco a disposição para maiores esclarecimentos acerca do funcionamento do mercado futuro.

 Oferta # demanda = crise / solução regulamentação
Responder

Nova Mensagem

NATAL RODRIGUES (05/11/2002 22:09:59)

Mesmo com prenúncio de crise no mercado avícola, o setor se mostra indiferente a tudo.Produz-se cada dia mais, atropelando e ignorando todas as expectativas dos orgãos especializados. Quando a crise vai se agravando, começa o teste de resistência, para ver quem consegue sobreviver mais tempo, sem diminuir seus plantéis. Consequência: felizes abraçados morrem uns, arrastam-se outros e prosseguem com a crença naquele velho dito popular "... depois da tempestade vem a bonança..."


Busca

Nossos Parceiros
AdisseoAgroceres
SafeedsPleyades
MSDhatchtech
DeHeus