Relatório global indica tendência decrescente de uso de antimicrobianos na produção animal

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) publicou recentemente seu Quinto Relatório Anual da OIE sobre Agentes Antimicrobianos para Uso em Animais. Como resultado dos enormes esforços dos membros da OIE, bem como de não membros, o relatório atende à necessidade global de compreender melhor a situação do uso de antimicrobianos no setor animal e interpretar melhor a resistência antimicrobiana.

O Quinto Relatório fornece detalhes sobre o uso global de agentes antimicrobianos ajustados para biomassa animal para 2017 e interpreta os resultados gerais da quinta coleta anual de dados sobre o uso de agentes antimicrobianos em animais, incluindo uma análise global e regional e, pela primeira vez, as tendências nas quantidades antimicrobianas destinadas ao uso ao longo do tempo.



Tendências globais de 2015 a 2017

Estreando no Quinto Relatório, a tendência de 2015 a 2017 nos dados globais de uso de antimicrobianos está incluída no relatório. Esta nova seção apresenta a análise de dados de 69 países sobre o mg / kg global destinado ao uso e por classes de antimicrobianos. Globalmente, uma diminuição geral nas quantidades de antimicrobianos foi observada com uma redução de 34% de mg / kg de 2015 a 2017, indicando uma tendência positiva ao longo do tempo no uso mais prudente e responsável de antimicrobianos no setor de saúde animal.

Este é um acréscimo importante à análise anual do banco de dados porque destaca a dedicação contínua de nossos membros e não membros à coleta robusta de dados e o compromisso da OIE em continuar a avaliação das tendências ao longo do tempo para melhorar nossa compreensão do uso de antimicrobianos e promover mudanças de comportamento para garantir uso prudente e responsável.

Cinco anos de coleta de dados

O Quinto Relatório marca cinco anos de estreita colaboração entre a OIE e nossos membros e não membros para coletar dados cada vez mais detalhados. Um total recorde de 160 países forneceram dados ao banco de dados, incluindo 133 países que forneceram dados quantitativos de qualidade cada vez mais detalhada. O quinto ano de coleta de dados também marca o maior número de países que foram capazes de fornecer dados usando a Opção de Relatório 3, que é o nível mais detalhado de dados sobre as quantidades de agentes antimicrobianos.

Esse progresso demonstra o envolvimento continuamente maior dos países que participam da coleta de dados e a capacidade de coletar e medir as tendências nacionais. Os países aprimoraram sua metodologia para calcular as quantidades de antimicrobianos com a ajuda de uma ferramenta de cálculo do Excel desenvolvida para superar as barreiras técnicas. Esse progresso contribui para a construção de um banco de dados OIE robusto sobre agentes antimicrobianos destinados ao uso em animais.

Futuros desenvolvimentos

A OIE está atualmente desenvolvendo um sistema de TI interativo e automatizado, que fornecerá aos países acesso 24 horas por dia, 7 dias por semana, para revisar, analisar e usar seus dados nacionais, enquanto permite que a OIE cumpra seu compromisso de fornecer análises de dados globais ao público.

Essas informações podem ajudar os Membros na gestão de riscos a avaliar a eficácia de seus regulamentos e esforços para otimizar o uso de antimicrobianos e estratégias de mitigação, de acordo com o Capítulo 6.9. do Código Sanitário para Animais Terrestres e Capítulo 6.3. do Código Sanitário de Animais Aquáticos e as recomendações da Lista de Agentes Antimicrobianos de Importância Veterinária da OIE.

A Organização espera continuar a trabalhar com seus membros e não membros para fortalecer a capacidade nacional de monitorar e regulamentar o uso de antimicrobianos e melhorar a conscientização global sobre a resistência antimicrobiana por meio do banco de dados global OIE AMU.

Este trabalho foi possível com a assistência financeira do Fundo Fleming, financiado pelo governo do Reino Unido.

Clique aqui para acessar a íntegra do Quinto Relatório.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista OvoSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
SuiSite

Revista OvoSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

massaio

Entrevista: Dra. Masaio Mizuno Ishizuka

“É preciso repensar as medidas de biosseguridade para atender aos desafios contemporâneos”. Página 18.

agrosys

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

A transformação digital através de Sistemas de Gestão tem sido essencial para alavancar todos os negócios relacionados à agroindústria. Página 14.

genetica

Genética e Ovos

A qualidade e as tecnologias empregadas permitiram à avicultura de postura brasileira atingir patamares sem precedentes. Página 33.

OvoSite_AviSite_SuiSite_PecSite_ovo (91)

Casca de ovo é base para fertilizante ecológico mais eficiente que convencionais

Processo de moagem mecanoquímica desenvolvido na UFPR cria produto com liberação controlada de nutrientes evitando desperdícios na lavoura e problemas ambientais relacionados a fertilizantes usados atualmente. Página 36.

frango

Fibras: uma alternativa na modulação intestinal das aves

A saúde intestinal depende da atuação conjunta de funções fisiológicas, microbiológicas e físicas para a manutenção do correto equilíbrio do intestino e é considerada um dos fatores de grande impacto na indústria avícola. Página 44.

revista

Tendências para o desenvolvimento de novos revestimentos para ovos

Atualmente, alternativas estão sendo testadas para prolongar a vida útil dos ovos e reduzir o desperdício de alimentos. Página 48.

abpa

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 52.

ovo

Ovo: um alimento completo

A proteína é uma das mais versáteis para consumo, porém, é preciso atenção e cuidados especiais para a prevenção da Salmella. Página 57.

Open chat
Fale agora no WhatsApp