FACTA WPSA-Brasil 2022 amplia o debate sobre uma avicultura mais sustentável

Com o tema "Avicultura, o futuro é agora!", o evento teve início nesta quarta-feira e terá continuidade hoje

39ª edição da Conferência FACTA WPSA-Brasil 2022 teve início nesta quarta-feira no Expo D. Pedro, em Campinas (SP). O evento, que traz como tema “Avicultura, o futuro é agora!”, é voltado a profissionais e estudantes do setor que buscam atualizar-se e contribuir para a melhoria do cenário mundial da avicultura.

A 39ª edição da Conferência FACTA WPSA-Brasil 2022 teve início nesta quarta-feira no Expo D. Pedro, em Campinas (SP)

Os principais temas técnicos voltados à avicultura de corte e postura e a governança ambiental, social e corporativa estão fazendo parte do amplo debate proposto pela FACTA. Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto de matrizes, poedeiras e frangos de corte fazem parte da agenda do evento.

Os participantes estão ampliando os conhecimentos sobre  o conceito Environmental, Social and Governance (ESG), além da atual situação e projeções para o mercado de grãos; disponibilidade de energia elétrica; apresentação de um modelo de contenção para surto de doenças exóticas tipo Anemia Aviária, Newcastle e Gumboro; tendências e mudanças de tipo de produtos avícolas oferecidos ao mercado pós-pandemia; qualificação da mão de obra no uso de sistemas informatizados de coleta de dados e automação dos galpões, entre outros.

Durante a abertura do evento, o Diretor-Presidente da FACTA Ariel Mendes destacou o papel da entidade na difusão de conhecimento para a avicultura. “Todos que trabalham com avicultura no Brasil, em algum momento tem contato com as informações produzidas pela equipe da FACTA. Nosso papel é, acima de tudo, dar todo o suporte técnico ao setor”, afirmou.

Diretor-Presidente da FACTA, Ariel Mendes

Na sequência da programação foi entregue o prêmio FACTA ao Médico Veterinário Edir Nepomuceno, profissional que completa 50 anos de formatura em 2022. Desde 2006 a FACTA destaca no evento um profissional da avicultura brasileira, como forma de valorização, difusão e agradecimento ao trabalho daqueles que, ao desenvolverem sua atividade profissional, contribuem para o desenvolvimento do país e a formação técnica e ética das novas gerações de profissionais da avicultura industrial brasileira e mundial.

Sustentabilidade, uma estrutura que orienta investimentos

A sustentabilidade é um tema que já faz parte da realidade do agronegócio brasileiro e, acima de tudo, da avicultura. O consumidor está cada vez mais consciente sobre necessidade de comprar primeiramente, produtos seguros, e segundo, produtos que não sejam produzidos ferindo o bem-estar animal, a questão do meio-ambiente, a questão da saúde e do bem-estar do trabalhador, o tão abordado ESG (Environmental, Social and Governance).

Em sua apresentação, a Diretora Técnica da Associação Brasileira de Proteína Animal  (ABPA) Sula Alves, destacou o papel da sustentabilidade para a evolução técnica e mercadológica da avicultura. “A sustentabilidade orienta a nossa estrutura interna e o ESG volta o seu olhar para as questões externas, para medir e avaliar o desempenho e o risco das empresas”, explicou.

A Diretora Técnica da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Sula Alves

Segundo ela, sob o conceito do ESG, é possível demonstrar o que se é, de fato, e comunicar com mais clareza as ações feitas. “É preciso unir habilidade e vocação para fazer, estabelecer metas mensuráveis, auditáveis e reportáveis”, disse. “O ESG, na prática, aponta os riscos e oportunidades na produção de proteínas”, afirmou.

Dando continuidade, as vacinas autógenas foram tema de debate, com regulamentação e como elas podem ser utilizadas na avicultura. Participaram Emílio Salani (Sindan), Márcio Brotel (Inata), Gustavo Schaefer (Vaxxinova).

Garantia da sanidade é primordial à avicultura

As doenças emergentes e reemergentes fizeram pauta da agenda do primeiro dia da 39ª edição da Conferência FACTA WPSA-Brasil 2022. O responsável pelo debate foi o médico veterinário Alberto Back (Mercolab).

Ele passou um breve panorama sobre o status da Bronquite Infecciosa, Coriza Aviária, Doença de Gumboro, Escherichia Coli e finalizou sobre a Salmonelose.
Back destacou que o monitoramento ainda é a melhor ‘arma’ para o controle das enfermidades. “É preciso sempre manter muita atenção para um diagnóstico rápido, promover o isolamento do plantel e também promover os testes de PCR, se necessário”, afirmou.

Em alguns casos, como no da Bronquite Infecciosa, por exemplo, Back apontou a necessidade inclusive de um monitoramento sorológico e clínico. “Além disso é necessário o uso de ferramentas moleculares, isolamento do vírus, estudo de imunogenicidade e o uso de uma vacina adequada”, listou.  “Os casos podem acontecer e prevenção é biosseguridade e diagnóstico é monitoria e o controle se dá através de uma ação rápida visando a sua total erradicação”, disse.

Na sequência, o auditor fiscal do Ministério da Agricultura Bruno Pessamilio destacou a vigilância atual para a Influenza Aviária e Doença de Newcastle. “O objetivo do MAPA é garantir graves perdas econômicas e garantir a certificação para o comércio internacional de aves, produtos e material genético aos mais diversos mercados internacionais, demonstrando a total ausência das enfermidades citadas”, disse.

A saúde pública também foi apontada por Pessamilio como um item de atenção por parte do Ministério. “Por isso nosso planejamento precisa ser viável, defensável tecnicamente e simples para ser aplicável em todo o país, sendo sustentável e que permita sua continuação”, afirmou. “Por isso trabalhamos com um trabalho muito rigoroso para a detecção precoce de qualquer enfermidade”, finalizou.

E fechando o primeiro dia, a médica veterinária da Society International Anna Cristina Souza abordou o tema Movimento cage-free global. Segundo ela, a demanda do mercado está cada vez maior. “As políticas de sustentabilidade e de ESG estão fazendo parte das empresas e, como não poderia deixar de ser, da avicultura também”, destacou.

Segundo ela, uma das preocupações do setor avícola, o custo para implementação de tais políticas, deve ser diluído ao longo da cadeia. “Precisamos ‘deselitizar’ o bem-estar, pois a tendência é de estabilidade nos preços com o passar dos anos e sempre cabem soluções criativas neste contexto”, disse. “O movimento cage-free é global e muito expressivo”, disse.

Anna afirmou que as demandas da sociedade civil estão direcionando mudanças de paradigma no mercado. “Os órgãos regulatórios estão respondendo à ciência do bem-estar animal e à demanda por mudanças no setor produtivo e o Brasil promete seguir as tendências globais”, afirmou. “A demanda por cage-free é crescente e a oferta deve aumentar para atender ao mercado”, pontuou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista OvoSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

OVO-01

Com 22 anos de mercado a GI-OVO é sinônimo de inovação na produção de ovos

Em duas décadas já foram vendidas mais de 280 milhões de bandejas EggsCargo para 116 países. Página 12.

OVO-02

Soluções da Agrosys garantem maior produtividade para avicultura de postura

Há 25 anos a empresa fornece soluções tecnológicas de gestão integrada para toda a cadeia agroindustrial. Página 14.

OVO-03

ENTREVISTA: Ricardo Nicodemos e os desafios da comunicação no agronegócio

Novo presidente da AMBRA, para o biênio 2022/2023, terá como principal objetivo fortalecer a comunicação entre os elos da cadeia produtiva. Página 18.

grafico (3)

Em receita, houve elevação de 80%, com US$ 18 milhões registrados ao longo dos 12 meses de 2021, contra US$ 10 milhões em 2020. Página 22.

OVO-04

Bronquite infecciosa em ovos e como ela afeta a produção

A BIG está disseminada por todo plantel avícola nacional, sendo a principal causa de doença respiratória em aves industriais e responsável por enormes perdas econômicas. Página 24.

OVO-05

Mercado externo representa oportunidade para produtores de ovos

O consumo de ovos tem se mostrado bastante diversificado, segmentado em mercados específicos, com um público particular e disposto a pagar um valor maior pelo produto. Página 28.

OVO-06

Pesquisa elabora método de manipulação segura de ovos em pequenas produções

O método de limpeza de ovos é uma alternativa para agricultores familiares e aumenta a qualidade do produto e a segurança dos produtores e dos consumidores. Página 32.

OVO-07

ESPECIAL: Mulheres no Agronegócio

Para comemorar o mês da mulher, a revista do OvoSite dá voz a algumas representantes do setor, que compartilham sua história e brilhante jornada dentro do agronegócio. Página 38.

Open chat
Fale agora no WhatsApp