Gripe aviária leva galinhas caipiras ao confinamento

Não é verdade que as galinhas caipiras precisam viver livremente?

Essa é uma questão que os produtores de ovos caipiras têm enfrentado ultimamente, enquanto tentam a um só tempo ser honestos sobre seu produto e proteger as poedeiras de um surto de gripe aviária altamente infeccioso e que já resultou na morte de cerca de 28 milhões de aves em todo o território norte-americano.

O Departamento de Agricultura dos EUA recomenda que as galinhas sejam confinadas para protege-las da doença, mas nem todos concordam com o confinamento.

John Brunnquell, CEO da Egg Innovations, com sede em Indiana, que mantém contrato com mais de 50 granjas em cinco estados para produzir ovos caipiras provenientes de aves criadas em pastagens, ressaltou que todas as suas galinhas em estados com casos de gripe aviária permanecerão em “modo de confinamento” “até que o risco passe.

“Vamos mantê-las confinadas pelo menos até o início de junho”, disse Brunnquell.

Casos de gripe aviária foram identificados em granjas comerciais de frangos e perus ou em criações domésticas em 29 estados, de acordo com o USDA. A propagação da doença é atribuída em grande parte aos excrementos de aves selvagens migratórias infectadas.

As granjas com as quais Brunnquell mantém contrato estão em Illinois, Indiana, Kentucky, Ohio e Wisconsin, estados que tiveram pelo menos um caso de gripe aviária.

Mas há também quem venha adotando uma abordagem diferente. Como Mike Badger, diretor executivo da American Pastured Poultry Producers Association (literalmente, Associação Americana de Produtores de Aves Criadas a Pasto).

Badger, cujo grupo sem fins lucrativos com sede na Pensilvânia tem cerca de 1.000 membros em todo o país, acredita que as aves mantidas ao ar livre correm menos risco de infecção do que galinhas e perus criados em meio a milhares de outros em grandes galpões fechados.

“Nós as colocamos ao ar livre e elas entram em contato com o meio ambiente. Então, acho que têm um sistema imunológico melhor para combater as ameaças à medida que surgem”, declara Badger.

A pesquisa não provou claramente diferenças significativas do sistema imunológico em galinhas criadas ao ar livre versus confinadas. Mas Badger especula que a menor densidade de animais, movimento do ar e menos compartilhamento de equipamentos e funcionários em operações de pastagem podem contribuir para reduzir as infecções por vírus.

Ele observa que a decisão de confinar as galinhas à espera do fim da migração anual de aves aquáticas selvagens é uma decisão de granja para granja “com base no nível de conforto com a aceitação do risco”.

Os lotes comerciais criados ao ar livre representam apenas uma pequena porcentagem da produção de ovos dos EUA. Cerca de 6 milhões de galinhas, ou 2% do rebanho nacional, são criadas ao ar livre e cerca de 4,2 milhões de galinhas, ou 1,3% da produção de ovos dos EUA, são provenientes de galinhas criadas em pastagens.

As galinhas são classificadas como criadas ao ar livre ou criadas em pastagens principalmente pelo tempo que passam ao ar livre e pelo espaço que recebem.

As galinhas criadas ao ar livre normalmente devem ter pelo menos 21,8 pés quadrados (2 metros quadrados) de espaço de roaming ao ar livre, permanecendo fora até que as temperaturas caiam abaixo de 30 graus Fahrenheit (menos 1 Celsius), de acordo com a Associação Humanitária Americana, que certifica as operações de ovos. Já as galinhas criadas a pasto devem, normalmente, ter 108 pés quadrados (10 metros quadrados) ao ar livre cada e permanecer fora a maior parte do ano, exceto durante o tempo inclemente.

As organizações certificadoras têm protocolos para situações de alto risco e permitem alojamento temporário em ambientes fechados – um período de tempo não definido especificamente – assim que uma fazenda documenta um surto próximo a um rebanho ao ar livre. As agências de certificação monitoram as fazendas para garantir que não usem a gripe aviária como desculpa para manter as aves confinadas por muito tempo.

Brunnquell afirma que nenhuma de suas granjas teve infecções durante o último grande surto ocorrido em 2015 e não registra nenhum caso este ano.

Agricultores na Europa lidam com o vírus das aves há mais tempo do que nos EUA, com casos relatados desde dezembro passado.

O Reino Unido ordenou que galinhas caipiras permaneçam confinadas para protegê-las da gripe aviária e isso forçou mudanças na forma como esses ovos são rotulados no varejo. A embalagem caipira ainda é usada, mas deve ser marcada com um rótulo adicional de “ovos de galpão”, de acordo com um representante de comunicações da Associação Britânica de Produtores de Ovos ao Ar Livre. Cada ovo também é carimbado com um nº 2 que denota “galpão” em vez de nº 1 para “caipira”.

Para os consumidores dos EUA, isso significa que os ovos caipiras que eles compram a um preço premium podem vir de uma galinha temporariamente confinada. Mas os produtores dizem acreditar que as pessoas que pagam mais por ovos criados em pasto ou ao ar livre também têm preocupações com o bem-estar animal e não querem que as galinhas sejam ameaçadas pelo vírus.

Ovos de todos os tipos ficaram mais caros recentemente em decorrência de preocupações com a gripe aviária e de um aumento nacional nos custos das rações.

Na semana passada, os preços dos ovos convencionais aumentaram 40 centavos por dúzia, para US$ 1,47, enquanto os preços dos ovos livres de gaiolas subiram 3 centavos para US$ 2,40 por dúzia, de acordo com o USDA. Ovos orgânicos, que são de galinhas que precisam ter acesso ao ar livre, estavam sendo vendidos por uma média nacional de US$ 4,39 a dúzia na semana passada, acima dos US$ 3,65 da semana anterior.

O preço dos ovos usados por padarias e segmentos fabricantes de produtos alimentícios atingiu um recorde em 8 de abril.

Os chamados ovos trincados, que mais tarde serão quebrados por processadores e vendidos em recipientes com peso de até 50 libras, atingiram o pico de US$ 2,51 por libra, disse Karyn Rispoli, repórter de mercado de ovos da Urner Barry, empresa de pesquisa e análise do mercado de commodities alimentícias com sede em Nova Jersey. Muitas das poedeiras que morreram de gripe aviária estavam em granjas contratadas para fornecer ovos trincados usados como ingredientes de produtos alimentícios, disse Rispoli.

A gripe aviária provavelmente continuará sendo um problema por pelo menos mais algumas semanas, já que as aves aquáticas migratórias permanecerão em movimento na Rota Migratória do Mississippi até junho.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista OvoSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
SuiSite

Revista OvoSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

massaio

Entrevista: Dra. Masaio Mizuno Ishizuka

“É preciso repensar as medidas de biosseguridade para atender aos desafios contemporâneos”. Página 18.

agrosys

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

A transformação digital através de Sistemas de Gestão tem sido essencial para alavancar todos os negócios relacionados à agroindústria. Página 14.

genetica

Genética e Ovos

A qualidade e as tecnologias empregadas permitiram à avicultura de postura brasileira atingir patamares sem precedentes. Página 33.

OvoSite_AviSite_SuiSite_PecSite_ovo (91)

Casca de ovo é base para fertilizante ecológico mais eficiente que convencionais

Processo de moagem mecanoquímica desenvolvido na UFPR cria produto com liberação controlada de nutrientes evitando desperdícios na lavoura e problemas ambientais relacionados a fertilizantes usados atualmente. Página 36.

frango

Fibras: uma alternativa na modulação intestinal das aves

A saúde intestinal depende da atuação conjunta de funções fisiológicas, microbiológicas e físicas para a manutenção do correto equilíbrio do intestino e é considerada um dos fatores de grande impacto na indústria avícola. Página 44.

revista

Tendências para o desenvolvimento de novos revestimentos para ovos

Atualmente, alternativas estão sendo testadas para prolongar a vida útil dos ovos e reduzir o desperdício de alimentos. Página 48.

abpa

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 52.

ovo

Ovo: um alimento completo

A proteína é uma das mais versáteis para consumo, porém, é preciso atenção e cuidados especiais para a prevenção da Salmella. Página 57.

Open chat
Fale agora no WhatsApp